Pular para o conteúdo principal

HAVIA UMA LISTA >> Sergio Geia



Havia tempos esperava receber uma pequena soma em dinheiro. Vou explicar. Outrora, quando eu ainda era um menino (pois sabe que me lembro de uma vez, um sábado de manhã, antes de fazer uma prova de datilografia para um concurso, mandei ver alguns copos de cerveja com amigos, de modo a relaxar os dedos? Pois é... coisa de menino), celebrei com a Prefeitura de Taubaté dois contratos de trabalho: um, regido pela CLT; outro, regido por estatuto próprio, dos servidores públicos.
Ao término do primeiro contrato, como é de direito, levantei de FGTS a infame quantia de alguns míseros cruzeiros, e que hoje deve corresponder a uns R$ 950,00, ou R$800,00, isso lá pelo ano de 1991.
Alguns anos atrás, veio a notícia de que o sindicato que defende os interesses dos servidores ajuizara com êxito uma ação contra a Caixa Econômica, defendendo a tese de que a correção do nosso pobre dinheirinho deu-se de forma irregular, com a aplicação de um índice menor em relação ao índice que deveria ser aplicado; assim, eu e mais alguns outros servidores na mesma situação, teríamos uma diferença a receber.
A notícia correu de boca em boca no Paço Municipal. Grande parte dos servidores estava incluída na referida ação, e receberia alguns haveres por conta da decisão judicial transitada em julgado, que reconheceu o direito desses humildes funcionários às diferenças de FGTS, diante dos erros cometidos pela entidade mantenedora dos depósitos do FGTS quanto às correções que deveriam incidir sobre os saldos das contas vinculadas. A coisa chegou a tal ponto que se comentava à boca pequena que o menor valor a receber aproximava-se de algo em torno de R$ 10.000,00, e que alguns sortudos poderiam receber até R$ 40.000,00, uma boa soma, você há de convir.
Levando-se em conta o tempo em que cada beneficiário levantou o seu FGTS, e, principalmente, a lentidão do Judiciário (posso lhe adiantar que muitos anos, ou, sendo um pouco mais preciso, mais de 20 anos se passaram), seria até razoável admitir a boa soma a receber, diante da aplicação dos agora corretos índices de correção, mais juros, e, sabe-se lá, quantas outras quireras, e que só um bom economista do sistema bancário poderia explicar.
Pois comecei a sonhar. Não um sonho abstrato, com coisas imateriais, como o sonho que tive outro dia. De repente, eu voava sobre montanhas e mar. Subia, descia, de vez em quando parava debaixo de um cajueiro, depois, refrescava-se mergulhando no mar. Sentia-me pleno, absolutamente livre e feliz. Quando me dei conta, vi montanhas, vi o mar, mas não estava absolutamente livre e feliz, pleno de tanta beleza, estava esmagado num avião prestes a aterrissar. Lembro-me que me aborreci muito ao acordar, me aborreci com a interrupção do sonho e com o caminho que ele tomou, me fazendo parar dentro de um avião.
Agora eu sonhava com um avião, muito embora não goste muito da sensação de fragilidade que me toma o corpo todas as vezes que me acho preso dentro de um. Mas só essa máquina voadora poderia me levar a conhecer, quem sabe, os jardins da Porciúncula, a igreja de São Damião; ou quem sabe, sendo mais materialista, visitar o Louvre, o Arco do Triunfo ou mesmo descer a Champs Élysées até a Place de la Concorde. Um passeiozinho pela ilha de Manhattan, uma noite em Beverly Hills...
Ah, e como é bom sonhar! E o sonho estava sendo sonhado quando a notícia de que boa parte dos servidores nada teria a receber começou a circular. Ninguém tinha uma explicação convincente a dar. Falava-se que a maioria já tinha levantado o FGTS. E ontem, após dar um telefonema para a Secretaria de Negócios Jurídicos da Prefeitura, fui informado de que meu nome não estava numa tal lista.
Pois havia uma lista, amigo, uma lista dos contemplados pelo dinheirinho a ser pago pela Caixa; pois nessa lista, a lista dos sonhos, não figurava o meu nome.
Chego a pensar que tudo não passou de falácias, e que ninguém, ninguém tinha a informação precisa do que acontecera na ação, nem mesmo nossos iluminados advogados; e, se alguém tinha tal informação, a preferência foi dificultar o acesso da gentalha.
Ilustração: www.marcellopepe.com

Comentários

Zoraya disse…
que pena Sergio! mas ainda bem q tb seu nome nao estava na lista da odebrecht. Agora, no sério, só vc mesmo pra transformar um fato banal numa crônica dessas, plena e perfeita! beijos deslistados
sergio geia disse…
Ah, Zoraya, dessa eu escapei ahahahaha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …