Pular para o conteúdo principal

SUSTENTABILIDADE (OU 10 < 11) >> Paulo Meireles Barguil


Era uma vez...
 
Na verdade, foi mais de uma vez.
 
De fato, incontáveis vezes.
 
O querer, o prazer não possuem limites, já dissera Freud, nomeando essa energia de id.
 
O que me satisfaz agora daqui a pouco é sem graça.
 
Soberbos, alguns bradam: "Que venham mais manjares!".
 
A Humanidade construiu inúmeras maravilhas.
 
Quantos de nós as usufruem?
 
Milhões ainda padecem por falta de água e pão.
 
Já não tememos os monstros no final do Oceano.
 
Alguns, sim, receiam o fogo do inferno.
 
Outros se angustiam por não possuírem os males de consumo destinados a raros.
 
Inebriados, muitos gritam: "Todos merecem o banquete!".
 
A tecnologia digital avança, cada vez mais rápida, rumo ao ignorado, desprezando qualquer linha imaginária.
 
O tsunami consumista arrasta a todos, triturando corpos e esmagando almas.
 
Necessário, pois, que existam trincheiras, alcunhadas pelo psicanalista suíço de superego.
 
Sem barreira, a vida, individual ou coletiva, brinca de roleta russa.
 
Há algumas décadas, vozes dispersas nos alertam que a Terra não dispõem de recursos infinitos, sendo necessária mudar algumas (várias!) práticas para que continuemos nela habitando por mais alguns séculos.

Triste situação de quem ignora as consequências de gastar 11 quando ganha 10.

E o que dizer de um povo que desconhece a realidade contábil da sua cidade, do seu estado, do seu país?

Egoístas sugerem: "Os outros que renunciem! Eu mereço o que tenho...".

Alguns acreditam que a acrobacia financeira é eficaz porque, mês após mês, conseguem driblar o cobrador, quando, na verdade, estão aumentando a sua dívida!
 
A fatura espiritual, também chamada de Juízo Final, Lei do Karma, é inexorável: cada pessoa recebe a sua, diariamente...

Comentários

Unknown disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse…
Incrível! Boa tirada com o "males de consumo". Crítica e reflexão essenciais. Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …