Pular para o conteúdo principal

CASA DE CHÁ >> Carla Dias >>


Sabe pouco sobre a vida. Surpreende-se com ela frequentemente. Acreditava ter nascido com defeito. Depois, que tivesse entendido tudo errado. Então, compreendeu que leva tempo.

Viver leva tempo.

Não adianta colocar o relógio para despertar duas horas antes para tentar chegar adiantado ao importante. Não adianta colocar o relógio para despertar cinco minutos depois, apenas para aproveitar a espera. Ainda que pareça escoar pelos dedos, deixá-la para trás, aporrinhá-la com sua displicência, enlouquecê-la com a indiferença aos seus desejos, o tempo ainda é dono de tudo.

Da dor ao encantamento. Da tristeza à celebração. O quanto dura e o quão rápido se dissipa.

Quando entendeu isso, passou a gastá-lo com mais propriedade. Compreende que os grandes eventos são oportunidades para cultivar alegria. Porém, alegria para ela também é o silêncio diante de uma paisagem que diga mais que o lógico e ela consiga escutar o dito. Onde possa encontrar inspiração entre os prédios, beleza escancarada em um cenário de feiuras infligidas. A feiura do abandono, do descaso, das mentiras. A beleza dos que se importam, dos que colocam seu tempo à disposição da melhoria. A paisagem da natureza exuberante, do urbanismo ora capenga, ora extraordinário.

Dos acontecimentos redesenhando o cenário do mundo.

Aventurou-se, certa vez, pelas encostas das aventuras ousadas. Viveu cinco minutos como se fosse outra, uma versão de si, uma releitura. Cinco minutos em que sua voz saiu com entonação diferente, seu gestual foi repaginado pelo improviso e até os cabelos ela desalinhou, entre algumas palavras. Cinco minutos se valendo da capacidade de se intrometer com a imaginação a ponto de se sentir outra. Foi como uma lufada de novidade, um desprendimento das mágoas de estimação, a ruptura com a formalidade que cerceava seu emocional.

Cinco minutos.

Ali, em pé, na rua, diante de duas senhoras sorridentes, perdidas pelo bairro e ansiosas por chegar aonde queriam. Uma festa, que pode até não ser tão produzida quanto um grande evento provedor de alegrias pré-definidas, mas que é importante para as alegrias que importam, que ficam, que são fisgadas na memória a cada necessidade de se aprumar o espírito.

Ela explica o caminho, que conhece de cor, porque fica logo ali, onde nasceu e foi criada, de onde se mudou, adulta. Para onde voltou alguns anos depois. Explica como chegar a esse onde como se fosse forasteira. Porém, sente-se uma personagem de propaganda de televisão tentando vender produto que promete isso e entrega um péssimo aquilo.

O plano das senhoras é passar uma tarde agradável em uma casa de chá da região. Uma amiga de uma amiga, que encontrou a prima com a filha mais nova em um parque, então, essa filha comentou sobre a casa de chá. Mas ela conhece o lugar, sabe que é apenas marketing para mascarar um lugar que oferece serviços dos quais elas provavelmente não gostariam de desfrutar. Certamente, a filha mais nova da prima da amiga de uma amiga delas estava sendo sarcástica.

Sua catarse ao se passar por outra durou cinco minutos. No sexto, já estava engajada numa conversa sobre casas de chá. Já recuperada e completamente ela mesma, explicou para as senhoras o que elas encontrariam no tal lugar. Elas riram, fizeram piadas pueris, outras nem tanto. A moça riu junto, fez piadas pueris, e continuou nas pueris, porque as senhoras lhe lembravam a mãe e a tia.

Foram cinco minutos sendo outra, para então retomar a si com mais gentileza, mais sabedoria. Foram apenas cinco minutos para que aquelas senhoras a encantassem de tal forma, que ela se atreveu a oferecer a elas um chá, lá em sua casa. Elas se entreolharam e uma delas disse, sorriso brincalhão nos lábios: “eu sabia que hoje viveríamos uma aventura.”

Sabe pouco sobre a vida. Surpreende-se com ela frequentemente, assim como as pessoas que ela abarca. Sentadas à mesa, três mulheres conversam sobre a vida e se divertem ao detalharem certas lembranças. Na casa de chá improvisada, há música, há sol invadindo o recinto pela janela, há essa outra pessoa que sempre foi a pessoa que conheceu, mas que somente agora, tempos e experiências depois, consegue se reconhecer nela.

Imagem: The Tea Party ©  Frederic Soulacroix

Comentários

Zoraya disse…
Cqrla, quanta delicadeza em uma tarde de chá! Uma aventura gentil! Vc é uma princesa! Beijos
Carla Dias disse…
Obrigada, Zoraya! Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …