Pular para o conteúdo principal

NO BANHEIRO>> Analu Faria

Lá estava eu ansiosíssima para ver Adélia Prado em carne, osso e lirismo, na Bienal do Livro, aqui em Brasília. Eu nem achava que teria uma oportunidade dessas na vida, nunquinha. Tudo bem que eu nunca tinha tentado. Eu poderia ter ido a Divinópolis, que, aliás, fica bem perto da cidade dos meus avós, onde ainda mora um tanto de família minha. Eu poderia ter procurado na internet algum evento em que ela daria uma palestra ou algo assim, lá na cidadezinha mineira, sei lá. Eu poderia ter sido uma tiete mais competente, confesso. Não fui. Talvez por isso eu estivesse ansiosíssima, achando que a vida me sorria à-toa ao me dar de mão beijada uma palestra da Adélia Prado, na cidade onde eu moro, a muitos quilômetros de Divinópolis.

Cheguei cedo. Queria pegar um bom lugar na plateia. Uns quinze minutos antes da hora marcada, eu já estava sentadinha no meu lugar, quando me  bate aqueeeela vontade de fazer xixi. Õ Meu Deus, bexiga é que nem mandato político - funciona nas horas mais inconvenientes! Saio do meu lugarzinho, em direção ao banheiro, morrendo de medo de que aconteça alguma coisa no caminho que me impeça de ver Adélia. 

Quase na porta do banheiro, vejo uma mocinha correndo loucamente pelos corredores da Bienal. Pensei que era RPG, que era cosplay de qualquer coisa. Mas a moça estava vestida como as pessoas comuns do século XXI. E não era adolescente. Chego perto da entrada do banheiro e vejo a tal mocinha comentar com o segurança, já com cara de quem vai perder o emprego: "Não tem papel para a convidada! Não tem papel no banheiro!"

Agora deixa eu te explicar uma coisa, se você nunca foi a um evento "cult" (bienal é cult): sempre tem aquela renca de convidados - secretário de cultura, filho do secretário de cultura, assessor parlamentar para assuntos extraordinários do governo federal, do governo estadual, do governo distrital, do município vizinho, parente da Marcela Temer, sobrinho de não-sei-quem etc.. E esse povo fica na frente, nos melhores lugares da plateia, bem ali pertinho de quem está palestrando ou se apresentando, mesmo que eles nem saibam de quem se trata. Então quando ouvi a mocinha dizer que uma "convidada" tinha ficado sem papel no banheiro cheguei a esboçar um sorrisinho de brasileira indignada (e um tantinho rancorosa, porque eu nunca estive entre os "convidados") e entrei no tal banheiro com a cara de triunfo que Deus permite a uma mortal ter - eu tinha papel higiênico na bolsa; a convidada, não.

De dentro da baia onde fica o vaso sanitário, ouço uma voz "Ah, obrigada. Sem papel não dá, né?"Atrás de mim, a mocinha chega esbaforida com um rolo de papel daqueles de banheiro público na mão. A moça suspira de alívio e estende a mão para a voz de dentro da baia. E de dentro daquele cubículo sai Adélia Prado, com cara de mulher-de-todos-os-tempos, propriamente vestida e esperando um papelzinho higiênico. Adélia Prado com problemas de gente comum. Adélia querendo fazer xixi que nem eu. Adélia, ali, no banheiro, a uns dois metros de distância de mim, que fiquei com a boca aberta e não consegui articular uma palavrinha sequer. 
Olhei para a mocinha e cochichei, enquanto Adélia entrava no cubículo e fechava a porta, para fazer seu xixi com dignidade: "É elaaaa!!!" A mocinha me olhou como quem diz: "Quem se importa? Eu não vou mais ser despedida!"Acho que, por educação, ela me confirmou com a cabeça que sim, era "ela".

E o que é que EU ia fazer? Tietar a mulher enquanto ela fazia xixi? Ficar lá parada, estalqueando uma das maiores escritoras do país? Pedir para ela me dar um autógrafo num pedaço de papel higiênico? Eu pensava nisso tudo enquanto mecanicamente olhava para dentro de uma outra baia, para checar as condições do vaso sanitário. Nem sei se dava ou não para fazer xixi ali. Sei que duas vozinhas tomavam toda a minha atenção, me impedindo até de raciocionar direito: "Você tem que fazer alguma coisa!!! É a Adélia Pradooo!!!" E a outra puxava a orelha da primeira: "E o que é que ela vai fazer, ô tonta! A escritora vai pensar que ela é psicopata, que fica seguindo gente até o banheiro, tá louca?"
Por fim, a segunda voz venceu. Voltei meu estupefata para o meu lugar lá na plateia, ainda sem acreditar que tive a oportunidade de ficar quase a sós com Adélia Prado. O xixi? Esqueci. Só lembrei quando sentei de novo e a bexiga deu aquela apertada. 




Comentários

Zoraya disse…
hahaha, q situação, que situação, Analu! Ri com sua desventura. Mas, vá lá, na boa, não quero implicar não, mas COMO vc foi perder a oportunidade de tietar? Pelo menos dizer: 'olha, se vc precisar de mais, eu tenho na bolsa. ups, tenho papel e caneta tb, me dá um autógrafo'? A gente tem que ser mais sem-vergonha kkkk. ótima crônica! Bjs
Analu Faria disse…
Hahahahaha. Eu fiquei totalmente sem fala, Zoraya!
Analu Faria disse…
Hahahahaha. Eu fiquei totalmente sem fala, Zoraya!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …