Pular para o conteúdo principal

AOS VIVOS >> Carla Dias >>


Sim, nós acabamos. Ninguém vive uma vida que não tenha o elemento surpresa agindo somente no quando, porque o fato, esse não é maleável, sujeito a improvisos.

Nós acabamos.

Muitos pensam que essa é a fragilidade da vida. Acredito que a consciência sobre a única certeza que temos, a morte, concede ao ser humano a oportunidade de compreender, sem desvios ou floreios, que a vida deve ser preenchida com experiências que a enriqueçam, não desperdiçada com questões rasas.

Sim, temos data de validade. E aceito que, apesar de saber quão valiosa é a vida, do pouco tempo que ela dura, pego-me gastando parte dela a flertar com tolices. Veja bem, tolices não são levezas, porque das levezas a vida precisa. Tolices são acontecimentos, mágoas, desapontamentos, tudo ao que nos apegamos e que, de fato, não interessa, ou que já foi e deixou consequências que devemos encarar.

Morte, para mim, entre tantas coisas, é silêncio. Um profundo silêncio. Para quem tem a capacidade de gravar a voz das pessoas mais caras, porque afeto sempre refina a percepção, as vozes dos que se foram tocam feito canção delicada na minha cabeça.

Não tenho a sabedoria dos que lidam com a morte combinando a consciência – e aceitação – de que ela é consequência da vida, com o discernimento para lidar com a saudade daqueles que se foram. Apesar de saber disso, escolhi lidar com ela como o poeta louco, trancado em um cômodo no meio do mundo, ávido por discutir com a morte as suas intenções com a vida. Porque a relação entre vida e morte é feito um longo e tempestuoso relacionamento que, eventualmente, chegará ao fim. E a morte será aquela que vai se retirar, deixando para a vida – dos que ainda dela usufruem – a ausência de uma presença. Uma sala vazia.

Com o tempo, tornamo-nos escolados em lidar com salas vazias. Porém, isso não significa que a morte tenha se tornado digerível com facilidade capaz de nos aprumar, cinco segundos depois da missa de sétimo dia. A morte de quem não conhecemos, ou com quem não tivemos uma relação profunda de afeto, essa serve como lembrete de que também nós estamos sujeitos a ela. Ela nos serve como atiçadora da reflexão sobre o que fazemos das nossas vidas que nos tornará dignos de habitar as lembranças dos que ficam.

O meu poeta louco, incapaz de silenciar diante da inflexibilidade da morte, termina seu poema-catarse aos berros. O silêncio profundo é o que mais teme em vida e não deseja para a morte. Mas não o julguem mal, que essa atenção que ele dá à morte é justamente porque ele a respeita profundamente. E porque lhe agonia um tanto quando percebe que gastou raro tempo com aquelas tais tolices. Sabe que irá fazê-lo novamente, mas talvez menos que antes. E porque lhe dói cadenciado a saudade dos seus, dos que já partiram dele. Daqueles que aprendeu a amar, dos quais herdou a ausência e aos quais dedica seus poemas-saudade, crente de que a eternidade, ah, essa insana, mora no fôlego da morte.

Imagem: Kiss of Death © Włodzimierz Błocki

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
'O meu poeta louco, incapaz de silenciar diante da inflexibilidade da morte, termina seu poema-catarse aos berros. "Ainda vou fazer uma coleção de suas frases, Carla!
Carla Dias disse…
Zoraya... Colecione-as! Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …