Pular para o conteúdo principal

CAFEZINHO LITERÁRIO >> Sergio Geia

 
 

Alguém começa: “E depois de fazer tudo o que fazem, os dois se levantam, tomam banho, passam talco, passam perfume, se penteiam, se vestem, e assim vão voltando progressivamente a ser o que não são” (“Amor 77” – “Um Tal Lucas” – Julio Cortázar).
Uma mulher fala de Hamlet, e reproduz Polônio: “Ainda estás aqui, Laertes? Para bordo! Que vergonha! O vento está soprando na popa de teu navio e só se espera tua chegada. Aproxima-te. Que minha bênção te acompanhe, bem como estes poucos preceitos que confio à tua memória. Pensa antes de falar e pensa antes de agir. Sê familiar, mas nunca vulgar. Os amigos que tiveres e cuja adoção puseres à prova, sujeita-os à tua alma com arcos de aço, mas não calejes a palma de tua mão com apertos a todo sujeito mal saído ainda implume da casca do ovo. Tem cuidado em não entrar em querela, mas, uma vez, nela, faze tudo para que teu contrário sinta temor. Presta ouvido a todo mundo, mas a poucos a tua voz. Escuta as censuras dos demais, porém reserva teu juízo. Que tua roupa seja tão custosa quanto tua bolsa o permitir, mas sem afetação; rico, mas não extravagante, porque a roupa revela o homem e, na França, as pessoas de mais alto conceito e posição são, a este respeito, modelo de finura e distinção”. E ela conclui: “Adeus! Que minha bênção faça frutificar tudo isto em ti!” (“Hamlet” – William Shakespeare).
Dr. Paulo sempre me chama; desta vez, fui. É assim: convidam-se amantes de literatura, gente que escreve coisas ou gente que não escreve nada (mas aprecia uma boa composição); preenche-se o formulário na chegada, ao lado do nome, o título do texto; depois, quando todos estão reunidos no salão, chamam-se os oradores para a leitura; pode fazer comentários, pode contar os bastidores do texto, pode falar qualquer coisa, além de ler a crônica, ou o conto, as trovas ou declamar um poema. O convite também pede um livro para sorteio entre os presentes. A iniciativa foi batizada de “Tertúlia Literária Periódica”, e é organizada pelo MMCL – Movimento Médico Paulista do Cafezinho Literário. O nome é pomposo, mas o encontro é singelo e prazeroso.
O Geia não levou Cortázar, nem Shakespeare; levou os seus “Vizinhos”, crônica muito simples e absolutamente verdadeira, fato corriqueiro que deve acontecer com qualquer bom cidadão. Muitos na rua ainda me perguntam se é verdade o que digo, ou se há um pouco de imaginação; pois sempre respondo que em “Vizinhos”, tudo, mas tudo mesmo é a mais pura e impoluta verdade. Desde a história da compra da chacrinha, dos finais de semana na roça, do cachorro chorão, e até das cheiradas e do ovo. Perguntam também se arranjei encrenca por causa da crônica; não arranjei. Está certo, devo confessar, que me mudei antes da publicação, o que não me permite afirmar com total segurança se a relação azedou ou não; outro dia passei por lá e tudo estava nos conformes. Se bem que a crônica é despretensiosa, ingênua, incapaz de macular qualquer relação honesta e harmônica de amizade.
Mas não são todas assim; esse gênero dito “menor” está com um pé na realidade e o outro na ficção. O divertido é ver o amigo se perguntar: “Mas será? Isso, de fato, aconteceu mesmo, ou ele está inventando?” Ah, isso é bom. Escrevi uma vez sobre uma borboleta que encontrei morta no chão. Essa parte é verdadeira; de fato, caminhando pela Avenida José de Angelis (aqui, se o senhor me permite, honrado leitor, preciso fazer um adendo: conheci o bom cidadão José de Angelis, fazendeiro probo e sanfoneiro dos bons; trabalhamos muito tempo juntos, aos domingos, pela manhã: ele com sua sanfona, o Geia com seu violão; pois agora o saudoso amigo que se foi, deixando enorme saudade, virou avenida, uma homenagem muito merecida) mas caminhando pela Avenida José de Angelis, me deparei com uma borboleta morta na calçada; e depois, em casa, encontrei outra; tudo isso, de fato, aconteceu; porém o resto... Se tiver curiosidade, procure por este mundo eletrônico e vai achar “A borboleta”, do Geia; foi puro exercício de imaginação.
No final do encontro tive a honra de ser agraciado com o livro “O Verão e as Mulheres”, do não menos saudoso Rubem Braga. Para mim isso foi de uma enorme satisfação, pois acompanho a obra do Braga, e se minhas crônicas lembram alguma coisa do velho Urso, não é mera coincidência.
E de onde o velho Braga estiver, se escuta esse humilde discípulo seu, peço-lhe a anuição para arrematar esse cafezinho com uma delicada pétala de seu imenso e olente jardim:
“Procura-se um caderninho azul escrito a lápis e tinta e sangue, suor e lágrimas, com setenta por cento de endereços caducos e cancelados e telefones retirados e, portanto, absolutamente necessários e urgentes e irreconstituíveis. Procura-se e talvez não se queira achar, um caderninho azul com um passado cinzento e confuso de um homem triste e vulgar... Procura-se, e talvez não se queira achar” (“Procura-se”, outubro de 1948, “O Homem Rouco”, Rubem Braga). 

Ilustração: www.poemasfrasesetextos.wordpress.com

Comentários

paulo pereira disse…
Obrigado por valorizar nosso "Cafezinho Literário".
Como você afirmou, ele é singelo e despretensioso, mas tem servido para alegrar muita gente, por muito tempo.
Continue comparecendo. Sua presença, com seu talento, engrandece nosso encontro e muito nos alegra.
Abraço.
Zoraya disse…
Que delícia, Sergio! Há mto tempo venho dizendo q vc está cada vez mais parecido com Rubem Braga. É um prazer q aumenta a cada texto ler suas crônicas! Bjs
sergio geia disse…
Grato, doutor Paulo Pereira. São horas tranquilas e muito agradáveis; certamente irei outras vezes. Delícia, Zoraya, é ler o seus comentários. Um estímulo, pode apostar; um grande estímulo. Muito obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …