Pular para o conteúdo principal

O ÚLTIMO PEDAÇO (para Maria) >> Cristiana Moura



E a noite a agarrou pelas costas nuas. Tive notícias que Maria e o rapaz, não
faz tempo, dançaram o último pedaço em campo aberto. Nos derradeiros anos, foram muitos os sabores que experimentaram juntos, muitos os gestos, as melodias no próprio caminhar pelas calçadas da cidade a imprimir memória nos corpos.

Não sei bem o que houve. Talvez as palavras tivessem perdendo sua ginga. As sonoridades se desencontrando. Naquele começo de noite, o rapaz e Maria dançaram o último pedaço das histórias vividas de mãos dadas. Essa é uma dança que a gente não sabe se é triste ou se é só final de espetáculo em tempo inesperado.

Ela teve dias instáveis, eu penso. Ele partiu. No olhar de Maria pude ver aquela saudade do futuro que só quem já sentiu sabe o que é. Ontem foi comprar pão depois que a deixei em casa e um vento gostoso soprou sobre ela. Deve ter sido daqueles ventos que ao mesmo tempo que acariciam a face, nos invadem, secretamente, por debaixo das saias. Sentiu-se viva, acalentada, abraçada pela noite e amada pelo ar a soprar.

Foi para festa e dançou, dançou, dançou ao som dos batuques da praça e levada pelos ventos de agosto. Maria dançou pedaços de tempo, dançou o vento por entre as pernas, dançou sua história de amor findada, dançou seu corpo inteiro. Maria dançou Maria!


Imagem: http://caisdeembarque.blogspot.com.br/2011_07_01_archive.html

Comentários

Carla Dias disse…
Que lindeza, Cristiana!
E ficaram as cenas impressas na imaginação.
sergio geia disse…
Delicada, com a marca "Cristiana Moura"; das melhores, Cris
Zoraya disse…
"Maria dançou pedaços de tempo, dançou o vento por entre as pernas, dançou sua história de amor findada, dançou seu corpo inteiro." Que belezura de texto, Cris, que delicadeza, lindo, lindo, lindo!