O ÚLTIMO PEDAÇO (para Maria) >> Cristiana Moura



E a noite a agarrou pelas costas nuas. Tive notícias que Maria e o rapaz, não
faz tempo, dançaram o último pedaço em campo aberto. Nos derradeiros anos, foram muitos os sabores que experimentaram juntos, muitos os gestos, as melodias no próprio caminhar pelas calçadas da cidade a imprimir memória nos corpos.

Não sei bem o que houve. Talvez as palavras tivessem perdendo sua ginga. As sonoridades se desencontrando. Naquele começo de noite, o rapaz e Maria dançaram o último pedaço das histórias vividas de mãos dadas. Essa é uma dança que a gente não sabe se é triste ou se é só final de espetáculo em tempo inesperado.

Ela teve dias instáveis, eu penso. Ele partiu. No olhar de Maria pude ver aquela saudade do futuro que só quem já sentiu sabe o que é. Ontem foi comprar pão depois que a deixei em casa e um vento gostoso soprou sobre ela. Deve ter sido daqueles ventos que ao mesmo tempo que acariciam a face, nos invadem, secretamente, por debaixo das saias. Sentiu-se viva, acalentada, abraçada pela noite e amada pelo ar a soprar.

Foi para festa e dançou, dançou, dançou ao som dos batuques da praça e levada pelos ventos de agosto. Maria dançou pedaços de tempo, dançou o vento por entre as pernas, dançou sua história de amor findada, dançou seu corpo inteiro. Maria dançou Maria!


Imagem: http://caisdeembarque.blogspot.com.br/2011_07_01_archive.html

Comentários

Carla Dias disse…
Que lindeza, Cristiana!
E ficaram as cenas impressas na imaginação.
sergio geia disse…
Delicada, com a marca "Cristiana Moura"; das melhores, Cris
Zoraya disse…
"Maria dançou pedaços de tempo, dançou o vento por entre as pernas, dançou sua história de amor findada, dançou seu corpo inteiro." Que belezura de texto, Cris, que delicadeza, lindo, lindo, lindo!

Postagens mais visitadas deste blog

LUGARES ONDE NUNCA ESTIVE >> Carla Dias >>

A NOVIDADE >> Sergio Geia

MEU TIO >> Sergio Geia