Pular para o conteúdo principal

BARULHOS DESAGRADÁVEIS >> Sergio Geia

 

Dentre as diversas recomendações do síndico digitadas numa folha colada no elevador, uma delas me chamou a atenção. Dizia: “Há reclamação de barulho desagradável proveniente de dentro dos apartamentos, e pedimos a colaboração de todos, pois viver em condomínio é respeitar especialmente os seus vizinhos, pois ninguém é obrigado a escutar o que o outro faz dentro de sua casa”.
Era uma folha com cinco recomendações. As outras, mais comuns, falavam de cuidado com os animais, da manutenção da limpeza do elevador, e de procedimentos mínimos de segurança que deveriam ser respeitados nos portões que dão acesso ao condomínio, diante de reiteradas notícias de roubos em prédios da região.
De pronto, resolvi aceitar o pedido de colaboração do senhor síndico. Ora, se bem me conheces amigo leitor, sabes que sou homem íntegro, que preza a honestidade, o caráter, e, principalmente, o respeito. Não ando no acostamento, não passo no sinal amarelo, não furo fila. O respeito é um dos pilares de minha existência, e dele não abro mão. Respeito meus superiores, meus funcionários, minha mãe, meus filhos, minha ex-mulher, meus amigos; respeito o ser humano, o cão, a árvore, as ruas; respeito os meus vizinhos.
Diante de solicitação tão educada, conclamando à prática do respeito mútuo, não haveria outra decisão a tomar: “Aceito, ó cauteloso síndico. Serei seu colaborador fiel. De hoje em diante, ninguém irá escutar o que o ocorre dentro de minha casa. Serei um vizinho exemplar; abster-me-ei de produzir barulhos desagradáveis em nome do mais legítimo e justo respeito condominial”.
Sei que é dura a vida de síndico; quando tem ocupações externas e mais o condomínio para cuidar, sua vida é confusa e atribulada, integrando o grupo de trabalhadores que irá se deparar com coisas a resolver, mesmo em horas reservadas à família e ao descanso. Além de administrar um condomínio inteiro e seus problemas (outro dia o elevador enguiçou; no último Natal faltou água em razão de problemas na caixa; moradores querem equipamentos para academia), sempre que é encontrado no elevador, ouve críticas, sugestões, reclamações.
Como não colaborar com pedido tão solícito, educado e correto? De fato, nem pedido haveria de ter, se o compromisso de nós moradores fosse com a educação, e o respeito. Deveria o senhor síndico se preocupar em descansar o corpo e a mente, após um dia cheio de trabalho; tomar banho, conversar com a mulher, ver desenho com os filhos, jantar e deitar sossegadamente, se entregando aos encantos que só uma cama quente e bem acompanhada pode produzir.
Mas não; tem que ouvir reclamações de barulho desagradável, tem que adiar seu descanso para pensar na maneira mais cautelosa de reduzir numa ordinária folha de papel o teor da insatisfação; tem que pedir a colaboração de todos em nome do respeito, quando nada disso seria necessário, se nós, condôminos responsáveis, fizéssemos a nossa parte.
Pois digo que o farei. De agora em diante assumo o compromisso de não usar mais o liquidificador, o aspirador de pó, o espremedor de laranjas e a panela de pressão; não ouvir mais músicas após as dez da noite; a televisão, quando ligada, estará num volume baixo; não tocar mais violão, não gritar nem xingar o juiz nos jogos do Palmeiras; se for o caso, nem assistir; não arrastar móveis, não usar sapatos, não atritar panelas e pratos; usar o chuveiro uma vez ao dia e nele não cantar.
Penso até que poderia haver mais algumas restrições, mas, por ora, acho que está de bom tamanho. Assim o fazendo, serei exemplar colaborador e vizinho respeitoso, não produzindo ruídos desagradáveis. Não terão do que reclamar os meus. E digo mais: nem está de todo ruim; tal qual o senhor síndico, com todas essas limitações autoimpostas, terei mais tempo pra me dedicar a certos derivativos, à cama quente, aos deleites merecidos.

Ilustração: biosom.com.br

Comentários

Zoraya disse…
Sergio, definitivamente, vc e Rubem Braga vieram do mesmo planeta. Sorte nossa! (putz, mas fiquei curiosíssima! por favooooor, tenta descobrir q 'ruidos desagradáveis' são esses q levaram o pobre síndico a fazer pedido tao insólito. Sei q vcs cronistas das pequenas coisas são discretos, mas fala pra mim, vai). Beijos silenciosos
sergio geia disse…
Zoraya, você pode imaginar. Mas realmente, fico a pensar onde entra o "desagradável" nisso rsrs
Cristiana Moura disse…
Aiaiaiai...
Desagradáveis?
Adorei a crônica!!!!
sergio geia disse…
rsrs obrigado, Cris

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …