quinta-feira, 25 de agosto de 2016

QUEIJO >> Analu Faria

Perdoa-me Deus, porque eu pequei. Por atos, gestos e palavras eu pedi e desejei queijo e por isso não consegui ser vegana.
Eu sou de Minas Gerais, e por lá a gente já nasce comendo queijo. Dizem os mineiros que quem não gosta de queijo bom sujeito não é. Então veja você meu problema - eu não como carne para não maltratar tanto meu corpo e meu espírito quanto o corpo e o espírito dos pobres dos animais, e queria, - juro! - estender essa política ao queijo (que também maltrata meu corpo, que também faz mal ao animais),  não consigo ficar sem a iguaria. Socorro!
O jeito é conviver com o fato de que tem coisas que a gente não consegue mudar, coisas que a gente não pode melhorar. Não que eu não devesse, mas é que, no fundo, acho que já faço até muito não comendo carne, sendo honesta, perdoando quem me magoa etc.. 
Dito isso, vou lá comer aquele queijinho canastra que trouxe lá de Minas, sabe aquele temperadinho? É, aquele defumado mesmo. É uma delícia, né? (Que Deus e os animais me perdoem). 





Partilhar

3 comentários:

Zoraya disse...

maravilha da consisão, Analu! e deliciosa - tal qual queijinhos, tb amo queijinhos kkkk.

Analu Faria disse...

Hahahahaha. Irresistível, né? :)
Obrigada, Zoraya!

Analu Faria disse...

Hahahahaha. Irresistível, né? :)
Obrigada, Zoraya!