Pular para o conteúdo principal

IGNORÂNCIA >> Carla Dias >>


Como é eficaz a ignorância. Ela consegue manter um indivíduo em um mesmo lugar durante toda sua vida. Engessa a capacidade de fazer planos, define a hierarquia existencial desse alguém. Ignorância é produto caro aos doutores em manipulação. Você pensa que são somente as atrizes e os atores que lhe oferecem ilusão, mas a verdade é que a ilusão é roupa de domingo da ignorância. E ela, a ignorância, é bicho de estimação de muitos, e obedece a eles sem pestanejar.

Há quem se atraque à ignorância para encarar certa preguiça em lidar com o que há em comum entre os indivíduos. Particularmente, acho muito curioso aquele que escolhe ignorar deveres básicos, adotando o comportamento que o coloca como centro do universo. Ignorância atrelada à prepotência é prato ainda mais apreciável aos que sabem tirar proveito de quem se nega a aprender com a vida.

Acontece que ignorância é coisa maluca mesmo, um tipo de corrente que limita a liberdade, mas de um jeito que faz a pessoa acreditar ser acionista majoritária da verdade, enquanto vive uma mentira. É poderosa ao tomar a vida do sujeito, e de fragilizar seu espírito a ponto de fazê-lo acreditar que truculência é um jeito de conseguir aquilo que acredita que é seu por direito. Ainda que, no processo, ele envergue, às vezes até elimine o direito do outro.

Não há problema em ser ignorante nisso ou naquilo, afinal, não nascemos com o talento – ou o desejo – de nos inteirarmos de todos os assuntos desse mundo. A ignorância à qual me refiro não é a natural a todos nós, a que nos tira de um cenário para que outros brilhem. Que nos coloca em outros cenários para que possamos brilhar. Não é a ignorância que até nos permite a curiosidade e a escolha de aprofundamento, em dias em que a curiosidade se encanta com assuntos inéditos à nossa percepção.

A ignorância sobre a qual falo é aquela que permite a alguns a alcançarem prestígio e poder ao restringir o direito de muitos ao básico. Nesse balaio de restrições, a educação ganha em disparada. Tirar o direito ao aprendizado de um indivíduo, tornando a educação frágil e pobre, é alimentar a ignorância pensando em incapacitar um povo a pensar e compreender o que é justo e o que são os manipuladores a encherem seus bolsos e brincarem com a vida de tantos.

Educação é importante. Esporte é importe. Saúde é importante. Cultura é importante. Ignorar a importância disso tudo, atestando que primordial é a economia, é ignorar que uma economia saudável é aquela que tem como base a educação, o esporte, a saúde, a cultura. Comida na mesa? Pois é... Uma economia saudável ajudaria muito nesse quesito. Mas enquanto a ignorância justificar as ações que limitam vertiginosamente esses benefícios, como se eles fossem supérfluos, continuaremos a permitir que nosso país continue a ser guiado por adestradores de ignorantes. E eles não apenas saem ganhando com isso, mas tenho certeza de que também se divertem com a inocência adquirida do ignorante.

A ignorância alimenta espíritos blasé. Ela tem sido usada em benefício próprio de muitos, às vezes em nome de algumas loucuras que descambam em injustiça social, sexismo, censura, intolerância, preconceito, genocídio, guerra. A ignorância, nesse grau ceifador de capacidade de se compreender o justo para si e para o outro, de se comprometer a se aprofundar no conhecimento sobre o que desconhece e lhe causa desconforto, mas que, talvez, não esteja errado, apenas seja diferente e necessite de um olhar menos conservador para alcançar compreensão. A ignorância que foi construída para aliciar nossa humanidade, essa é preciso ser combatida com muita disposição. E uma das formas mais eficazes de fazê-lo é pararmos de dizer, apenas porque sim, que sabemos de tudo, que isso está certo e aquilo está errado, sem ao menos pensar a respeito.

Enquanto seguimos a ignorar nossa condição de escravos da ignorância, vamos perdendo. Ganhamos nada, não.

Imagem: Papilla estelar © Remedios Varo

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
Que texto elegante, Carla!Nada de panfletarismos, nada de exortações, nada de bufos de raiva nada, elegância pura e direta. Como sempre
Carla Dias disse…
Acredito que um pouco elegância no trato com a vida, e com o outro, nunca é demais. Beijos, Zoraya!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …