Pular para o conteúdo principal

PARA RESPIRAR >> Carla Dias >>

Tem esse exercício, no qual tento me especializar, mas sem sucesso, e que ainda assim faço, constantemente, teimando mesmo, que é o de encontrar em situações equivocadas, em frases ditas com a intenção de ferir, e na própria violência cometida homeopaticamente, algo que remeta ao bem. Mas não justificando, que justificar se tornou verbinho mal aplicado pra dedéu. Sabe quando um fotógrafo clica uma imagem que registra a tragédia, e ao vê-la nós dizemos, a comoção à flor da pele, “que linda”?

Não se trata de citações de autoajuda, manter pensamento positivo à exaustão, tampouco tem a ver com implantação na alma da certeza torta de que somos melhores que o outro, quando o que podemos realmente esperar é nos tornarmos melhores do que nós mesmos, a cada dia um tantinho.

Esse exercício é dos duros, mas tem me ajudado a não ser injusta com as pessoas, nem comigo mesma. Porque cometemos injustiças, é fato, defeitinho que vem com o pacote da humanidade. Mas o que vem depois, a forma como lidamos com o feito, é que nos define.

Sendo assim, eu posso me sentir muito, mas muito mesmo desapontada com o ser humano, até falando sobre ele como se eu não fizesse parte da raça, sabe como? “O ser humano é fogo! Só faz besteiras!”, coisa do tipo. Posso me sentir extremamente infeliz com o ocorrido. O que não posso, e mesmo quando significa sofrer um tanto por isso, é deixar a injustiça se apossar do meu espírito, como se não houvesse mais saída, ser catequizada pelo “Eu sou fogo! Só faço besteiras!”.

Eu faço besteiras, um monte delas, mas isso não me tira a capacidade de acreditar no “fundo do poço, bato a mão e subo, respiro e volto à luta”. Ando extremamente sensível à falta de educação das pessoas no lidar com o outro no cotidiano. Falta de educação com requintes de preconceito, egoísmo extremista, preguiça concentrada. E, definitivamente, não tenho talento para construir seja o que for - de casa à reputação - à custa de quem não sou, do que não acredito. E sensível, acabo vítima em algumas situações que batem de frente com a minha fé de que há, até mesmo em momentos difíceis, algo de bom no que me agarrar.
Mas a desolação só faz sentido por alguns segundos. Então, eu sigo em busca do que realmente importa.

Eu sei que, talvez, você que decidiu passar por aqui nesta quarta, esperasse encontrar algo que remetesse ao feriado de hoje. Eu nunca fui boa em escrever sobre comemorações de calendário, até mesmo sobre as históricas. Mas posso lhe dizer que eu acredito, e plenamente, que o exercício de ser sem ofender, compreender que é um erro reivindicar direitos que não são devidos, e que não há quem seja o ponto pelo qual orbitam todos os outros seres humanos, nos tornam capazes de bater a mão no fundo do poço e voltar, o que não depende de cor, etnia, política, religião. E espero que, em algum momento, não seja necessário que uma data no calendário nos lembre de que o que nos difere serve para que possamos, com alegria, reconhecer a igualdade.

Bater a mão no fundo do poço, voltar à superfície. Respirar.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …