Pular para o conteúdo principal

A MENINA DOS MAPAS >> Whisner Fraga

Quando criança, eu gostava de símbolos. Se colocarmos na balança, acho que ainda gosto. A diferença é que, naquela época, eu levava essa coisa a sério. Hoje, nem tanto. Então, estava eu na sala do Colégio Polivalente e a aula estava chata o bastante para que eu não conseguisse me concentrar no que a professora dizia. Comecei a rabiscar desenhos com as iniciais do meu nome, até que cheguei a algo bem interessante. Aí, a minha colega do lado, cujo nome não me recordo agora, mas que estudava mapas astrais e derivados, brincou: e aí, criando uma marca para o seu gado?

De fato, o que eu havia bolado se parecia com um ferrete, o que, honestamente me deixou chateado. Eu já havia visto um boi sendo marcado e o negócio todo não foi nada engraçado, a começar pelo cheiro de carne assada e a terminar pelo mugido sentido e pelo levantar de pernas que me pareceu, para ficar no mínimo, dolorido. Ademais, eu sabia que, mesmo que viesse a ser rico algum dia (fato que eu achava pouco provável), não lidaria com esse tipo de negócio. Abandonei o que parecia ser um dom mais ou menos sólido, para voltar às trivialidades matemáticas que a “tia” desfiava no quadro.

Como desistisse do sonho de produzir meus próprios símbolos, que certamente influenciariam gerações, parti para a ignorância. Assim, havia uma brincadeira corrente à época e que consistia em se colocar a mão em cima de uma folha em branco e, com uma caneta, contorná-la. Desenhada a palma no papel, a preenchíamos com imagens daquilo que curtíamos. A da minha amiga, a mesma que desdenhou do símbolo que criara com as iniciais de meu nome, trazia uns coqueiros (julguei que ela queria estar em uma praia), um anel (evidente, o sonho matrimonial de toda garota da época), um bolo (aniversário? Festa de casamento?) e alguns outros desenhos que escaparam da minha memória.

Ainda estava magoado, é evidente, de modo que não me fiz de rogado: comecei a pintar vaquinhas por toda aquela mão, até que não se pudesse ver nada que não fosse ruminante. Aproveitei a ida de minha colega de classe ao banheiro para realizar tal proeza. É evidente que ela não gostou nada. Eu me assustei um pouco com a reação exacerbada (ela chegou a puxar meus cabelos), mas não pude me conter: arrematei a obra com o símbolo que criara dias antes.

A amizade, naqueles dias, talvez fosse algo mais duradouro do que é hoje, de modo que, em poucos dias eu estava lá, pedindo desculpas. Nunca tive problema com isso, o que considero uma das minhas principais virtudes. Quando reconheço um erro que cometi, reconheço logo e peço que me perdoem. Alguns veem nisso uma fraqueza, fazer o quê?, não podemos agradar todo mundo. Ouço por aí que nem Cristo conseguiu, de forma que, convenhamos, é tempo perdido tentar.

Ao longo desses trinta anos, revi pouca gente daquela sexta série. Seria bom se o colégio organizasse, de alguma maneira, um encontro entre ex-alunos. Quando acessava o Orkut, cheguei a fazer parte de uma comunidade dedicada àqueles que fizeram parte da comunidade da escola Antônio de Souza Martins, mais conhecida como Polivalente. Enviei algumas mensagens, mas ninguém me respondeu, o que achei uma pena. Eu gostaria muito de me reunir com meus ex-colegas, para ter a oportunidade de me desculpar, outra vez mais, com aquela menina dócil e inteligente.

Comentários

Renan Tobias disse…
Parabéns. Gostei bastante. Realmente, atitudes costumeiras (e até saudáveis), como as postas, perdem-se, como folhas ao vento, com o avanço da idade.
whisner disse…
Renan, devemos cultivar a lembrança e dar o exemplo. Grato pela leitura.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …