Pular para o conteúdo principal

A PERCEPÇÃO E SUAS PORTAS >> Carla Dias >>


"Vivemos, agimos e reagimos uns com os outros;
mas sempre, e sob quaisquer circunstâncias,
existimos a sós."

Aldous Huxley


Na segunda passada, assisti ao Roda Viva, na TV Cultura, com o psiquiatra Valentim Gentil Filho, e achei a entrevista muito bacana. Devo confessar que fiquei meio apaixonadinha por ele. Não, não desse jeito que você tá pensando...

Para mim, é muito bom quando alguém que entende de algo, que é especializado em assuntos complexos (cérebro está no topo da lista), fala com os leigos de maneira simples, que fica impossível não entender o que ele diz. O doutor disse e eu entendi. Isso é apaixonante, não?

Na mesma noite, resolvi clicar em um link de um vídeo do TED, esse site americano muito bacana, que conta com palestras curtinhas e inspiradoras. O vídeo era de 2010, e a palestrante uma pesquiadora chamada Brené Brown. O título da palestra era The power of vulnerability (O poder da vulnerabilidade), e como eu acredito que a vulnerabilidade seja mesmo poderosa, resolvi conferir.

Depois de uma hora e meia escutando Valentim responder perguntas casca grossa sobre depressão, diagnósticos, a situação dos dependentes químicos na Cracolândia, fumar ou não fumar maconha, com a maior elegância e propriedade, Brené caiu feito uma luva no meu estado de espírito. Uma pessoa acostumada às estatísticas, a tratar assuntos que ligamos diretamente às emoções com lógica, reconhece, de forma muito bacana, a importância da vulnerabilidade. O poder dela.

Valentim comentou sobre um livro que ele acha muito bom, que deveríamos ler, quando falava sobre a utilização da maconha medicinal, defendendo que as componentes da droga são importantes, não a droga em si, que acha que tudo bem se usar drogas para recreação, desde que se saiba muito bem o que se está fazendo. O livro era As portas da percepção do escritor e pensador Audous Huxley, e de pronto, bateu-me a informação de que eu tinha esse livro em casa, que o havia lido lá nos anos oitenta, e de que eu não me lembrava muito bem da leitura.

Na terça, eu tinha uma consulta médica. Saí de casa às seis da manhã para uma viagem de ônibus e de metrô, carregando o livro comigo. Eu estava curiosa sobre o meu esquecimento. Quando abri o livro, ainda no ônibus, lembrei-me de que fora uma leitura bem difícil, porque eu não fazia a menor ideia do que era mescalina e ainda não tinha me embrenhado na literatura de Carlos Castañeda, ou seja, também não fazia ideia do que era peiote. Ah, e naquela época não havia como dar uma procurada no Google.

As portas da percepção é um ensaio sobre o uso da mescalina, alcalóide extraído do cacto mexicano peiote, muito usado pelos xamãs indígenas da região, o primeiro do autor sobre as drogas como modificadores da percepção. O segundo livro é o Céu e Inferno, e por isso mesmo, o que eu tenho é, na verdade, a reunião desses dois.

Se me perguntarem como foi a consulta, posso dizer que deve ter sido boa, já que o médico não deu receita nenhuma de remédio, e até acho que ele sorriu várias vezes, durante os minutos que estivemos na mesma sala. Agora, se me perguntarem sobre o livro, posso dizer que não me lembrava do conteúdo porque realmente não tinha compreendido aonde ele queria chegar, não tinha condições há vinte e muitos anos, porque era jovem e não sabia lidar com a pluralidade da percepção.

Entre ônibus, metrô e sala de espera de consultório médico, debulhei páginas e mais páginas, mergulhada na percepção do Sir Huxley. Distrai-me apenas por um momento, pensando no Sergio Miguez, que adora fotografar pessoas que leem no metrô, e de quem eu adoro as fotos de pessoas que leem no metrô. Depois voltei ao fazimento da leitura.

Esqueci-me das drogas, do experimento, permitindo-me fascinar pela forma como ele enxergava as coisas naquele momento. Quando as flores no vaso, as dobras das roupas, as pernas da cadeira se tornaram poesia. Obviamente, a minha percepção deve ser diferente de muitos que leram o livro.

Na verdade, essa minha entrega à percepção de Huxley se sincronizaram a um momento de um livro que estou escrevendo, que pensei que soaria meio maluquice, mas e daí? Eu já havia escrito a passagem quando comecei a ler o livro. A personagem, acostumada a se perder em paisagens, entrega-se completamente ao deslumbre de contemplar um céu azul, como ela nunca vira antes. Em determinado momento, ela se sente tão pertencente ao céu que para de respirar. Ela morre por algum tempo.

A percepção é algo de importância inquestionável nas nossas vidas. Perceber pessoas, suas questões, perceber-nos, as nossas questões, isso pode levar aos propensos aos devaneios poéticos, mas a todos nós pode levar às principais escolhas das nossas vidas.

Manter as portas abertas à percepção pode melhorar o que Valentim deseja: o modo como lidamos com as doenças mentais. Também pode melhorar as conexões humanas, como disse Brené, por meio da vulnerabilidade. Pode fazer a minha personagem perceber que a vida que viveu, durante quase trinta anos, não era assim tão feliz como ela acreditava. E pode, com certeza, fazer com que pessoas escutem o que pessoas têm a dizer, e escolham a melhor forma de usarem essas informações para viverem de bem com elas mesmas.

E foi assim que uma entrevista, uma breve palestra e um livro inspiraram minha percepção a atravessar aquelas portas e se lançar ao mundo.


RODA VIVA -VALENTIM GENTIL FILHO (bloco 1)
Para assistir ao programa completo:
http://tvcultura.cmais.com.br/rodaviva/transmissao/valentim-gentil-filho-4


BRENÉ BROWN – THE POWER OF VULNERABILITY

Comentários

Excelente post, vou assistir a entrevista com certeza.

Abraços, Isabela.
www.universodosleitores.com
Anônimo disse…
Que ótimo post! E ainda tive a honra de ser citado. Qdo vejo alguem lendo logo quero saber o que é, virou mania fazer uma fotinho e tentar identificar o título. Nem sempre é possível, mas de qq jeito é divertido e acho que incentiva o hábito da leitura, dá vontade de saber o que está absorvendo tanto a atenção do outro... ah! os humanos, tão louquinhos e maravilhosos rsrs
Carla Dias disse…
Isabela... Obrigada! Espero que tenha aproveitado a viagem ao assistir ao vídeo.

Sérgio... Você meio que já um dos meus heróis. Adoro que você eternize, em imagens, que os livros circulam por aí, nas mãos de leitores ávidos. Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …