Pular para o conteúdo principal

UMA BOA LEMBRANÇA NÃO BASTA >> Carla Dias >>


Uma única lembrança pode embalar dias, e dependendo do poder que ela exerce sobre o individuo que possui, tem efeito de eco, e o vai transformando – situações e sentimentos – aos poucos. Como a lembrança que ele remói neste instante, enquanto equilibra-se em ônibus lotado de hora do rush. Aquela que lhe invade, às vezes para amansar delírios, em outras, para inspirar endoidecimentos.

Só que preciso lhes contar, confessadora de tormento alheio que sou, que ele carrega a lembrança e o esquecimento a tiracolo. Ele acessa lembranças, e as mantém vivas, porque aprecia a própria habilidade de ativar o esquecimento, de desfazer-se delas quando bem entende.

Hoje, por exemplo, ele se esqueceu de que era quarta-feira, dia dele de levar as guloseimas para o café da manhã dos funcionários da agência de empregos onde trabalha. Esqueceu-se por escolha, e completamente, até colocar os pés no escritório, adiantar-se até a copa e os cinco o encararem. E a mágica sempre acontece no momento certo, feito deixa de um ator entregando ao outro o desfecho de uma cena de cinema, digna de Oscar. Ele joga os braços ao ar, se aceita como o culpado que assume a culpa, o que lhe atribui mais um atrativo a ser considerado pelas moças presentes, que não há como não apreciar o fato de ele ser palatável aos olhos, um assediador habilidoso de corações desabitados pelo amor. Então, insinua que irá sair para buscar os artigos de luxo de um café da manhã de escritório: bolos, sanduíches e o que mais eles quiserem. É quando acontece o que mais lhe apraze o espírito: em comum acordo, todos eles o liberam da obrigação. Sacrificam-se pelo seu esquecimento voluntário.

Só que esse é o tipo de prazer que dura pouco, e que por mais pungente que seja, esvai-se justamente quando é necessário. Como agora, quando seu olhar se nega a se encontrar com os dos outros, seus ouvidos não se atêm ao que é dito a sua volta, e ele é tomado pela urgência de não pertencer à própria realidade.

Uma única lembrança, quando alimentada pelo sentimento de que nada mais fará sentido após ela ter sido gerada, pode se tornar o cativeiro emocional de uma pessoa. No caso dele, a lembrança, além de algoz, é inventada, que a vida deu de lhe negar acontecimentos dignos de serem revisitados, de rarear conquistas capazes de fazer a roda girar. E como ele não é pessoa que aceita o vazio, por não tolerar mentiras, fez virar verdade esse único momento não acontecido. Essa lembrança, tão bem pontuada por ações críveis e palavras significativas; essa cena na qual ele pensa, antes de dormir, também é a primeira que habita seus pensamentos, logo que acorda.

Preciso lhes contar, esclarecedora de segredos que sou, que ele se acha muito esperto por ter resolvido seu problema de vazio, e que lembrança como a que teceu – com detalhes tão bem definidos, clareza no desempenho das emoções -, é capaz de alimentar seu dentro, diariamente, em uma repetição que ele ainda não entendeu, mas é letal à felicidade.

Basta-se nessa rotina de espera pelo momento em que se sentará em frente à tevê, mastigando o sanduíche disponível, bebendo da latinha do que tiver: cerveja, refrigerante, suco, energético. Assistirá ao programa qualquer, em canal que não importa, e depois, feito prefácio do adormecer, irá se lembrar da lembrança inventada, que é, de fato, o que há de mais real em sua vida.

Devo lhes contar, confeccionadora de lembranças que sou, que ele não sabe, esse pobre homem no ápice da preguiça de ser, que até mesmo a lembrança não vive só. É preciso criá-las, diariamente, porque sem companhia, essa uma, essa importante lembrança, não passa de uma prisão.

Imagem: sxc.hu

carladias.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …