Pular para o conteúdo principal

RAROS PRAZERES [Sandra Paes]

Nessa manhã sou sacudida por raios e trovões. Havia um arrastar de pedras e torrentes de águas pesadas arrastavam tudo. Uma dor de cabeça rara se iniciou bem no centro do cranio. O redemoinho do furacão era lá. Um epicentro único a refazer todas as memórias e todos os recantos de uma cabeça, já nem sei mais de que cor.

Sim, gosto das tempestades. A força da natureza ali manifestada dessa forma sempre me acorda e me faz lembrar minha própria natureza, presa, contida em um corpo que parece limitar meu espirito que gosta de voar e navegar em tantas paisagens jamais vistas.

Ah, o descortinar do invisível, do intangível, o ousar tocar... Isso... A busca fremente do desconhecido, é da ordem da fé ou do que se chama de divino.

A vida ali oculta me chama, hoje - sempre... Acho que flerto com a morte porque ela, guardiã de portais de transições, vem brincar comigo. Vira meus sonhos de perna pro ar, me mostra fatos ainda por vir, e sussurra docemente em meu ouvido cada vez que leva alguém consigo pra esse outro mundo, do outro lado de outros horizontes.

Sim, tudo alem do alcance da vista comum, ocupada por papeis ridículos, documentos que nada documentam, e toda essa forja nada plutônica que a burocracia do mundo ainda insiste em sustentar como regra maior de convívio entre os homens e suas culturas.

Procuro pelo abraço longo e estreito, o colar de corações que ardem e clamam por mais.Anseio pelo sorriso inevitável  mostrado em encontros de tão longa data esperados. Quero todos os brindes com vinho e champanhe no dia a dia, porque guardam sempre  um sabor a mais do que o cotidiano trivial e desculpado pela falta de tempo. 

Todo tempo é meu, todo beijo é sempre seu, porque sela de forma especial o amor que nem reconhecemos. Sim, porque amor não se encontra, se reconhece. E isso é o maior de todos os prazeres - reconhecer o amor, que como a morte, brinca de viver com você  comigo, e nos testa na ousadia maior da vida: pegá-los!

Essa tempestade que se anunciou  pra mim,  pra mim mesmo ou para aqueles que a desejam tanto, se deu somente dentro de mim, no mundo de meu sentir.

Há lá fora um sol que brilha aquém das nuvens que ocultam os mistérios que em mim querem se fazer nus. Há o mesmo corredor entre as portas. O mesmo ar soprando pelas ventanas do teto. Há um instante de sei-la-o-que, silencioso como o olho do furacão que se revela poderoso  pra quem o contempla sem medo.

E isso é o que me fascina, sempre. Esse instante mudo onde tudo se passa e onde todas as moléculas se cruzam a fecundar outra galáxia. Não tenho dúvidas sobre a sexualidade cósmica. É a mesma que se passa dentro de ventres férteis. A vida se renova a cada tempestade prenunciada, e seu jorro é orgásmico e orgânicoNova vida se anuncia e fui avisada. E agora ?

Em nosso céu la nave vaEspera... A bonança está pra chegar em breve. Prazeres raros sempre se dão entre raios que até se passam entre neurônios que nem sabem o que fazem. Esse o mistério do viver: muito prazer! Encantada!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …