Pular para o conteúdo principal

SWINGANDO >> Albir José Inácio da Silva

Primeiro foi só um zumbido. Abriu os olhos, mas não enxergou. Aos poucos os vultos viraram enfermeiras ou médicos. Por fim entendeu as palavras.


- Está melhor?


Não, Dona Araci não está melhor. Está acordada, não melhor. O corpo treme e a respiração custa. Como pode estar melhor? Nem quer melhorar – quer morrer. Lembra-se dos últimos momentos antes da vista escurecer: delegacia, sala cheia, delegado e Doroteia. Doroteia falava da dança.


Dança com que Dona Araci sonhou a vida toda, mas nunca dançou. Dança que perguntou a Seu Ramiro, pé-de-valsa e homem de valor, como é que era, porque não gostava dessas indecências que se dançavam por aí, como a lambada. Dança séria, elegante, graciosa, como ele explicou. Dança que ela incentivou a filha Samara a dançar, para que ela conhecesse gente de bem e se casasse com todo respeito.


Muitas vezes perguntou a Samara por uma apresentação para parentes e amigos. Queria ver a filha deslizando pelo salão nos braços de um cavalheiro distinto. Queria realizar na filha os próprios sonhos.


A enfermeira lhe põe o termômetro na boca e mede a pressão. O médico puxa a pálpebra de um olho, depois do outro.


Samara não tinha sido um anjinho na infância, mas isso nunca preocupou Dona Araci que não deixava espaços para grandes rebeldias. Qualquer desobediência ou malcriação era exemplarmente sacudida com um cinto que para essa finalidade ficava pendurado atrás da porta. Mas a idade deu juízo à menina e depois dos dezoito o cinto não se fez mais necessário.


Isso não significa que Dona Araci diminuiu a vigilância. Controlava horários, conhecia as amigas e as mães das amigas que Samara frequentava. Dava incertas na porta da escola noturna e telefonava quando menos se esperava.


Revoltavam-se as outras senhoras porque, segundo elas, Dona Araci exercia esse controle também sobre as filhas delas, esmerando-se na arte de identificar e classificar pecados, e promovendo a devida divulgação. Na verdade não gostava era de esculhambação, dizia, não pensassem que ficaria calada diante da imoralidade. Quem cala, consente.


Essa coisa de dança - pensa agora enquanto os exames prosseguem - foi ela mesma quem sugeriu. Mas quando ouviu Samara ao telefone falando do ritmo, foi perguntar a Seu Ramiro, pessoa de sua confiança e uma verdadeira enciclopédia.


- O swing surgiu nos Estados Unidos com grupos negros dançando ao som de jazz no início dos anos vinte. As primeiras danças desse tipo foram o charleston e o lindy hop, que deram origem a várias outras danças.


Tranquilizou-se Dona Araci: dança séria, de antigamente, como convinha a uma moça. E já estava na hora. Nada de mal poderia acontecer com a educação que dera a Samara. Se ela ficasse trancada em casa, como ia arranjar marido? Esse era outro sonho: a filha de branco entrando na igreja. Tem aí umas comadres que iam morrer de inveja, desperdiçadas que estavam suas filhas, amigadas umas, mal-faladas outras, perdidas todas. Mas com ela a coisa era diferente.


Quando o telefone tocou, avisando que Samara estava presa, Dona Araci deu um grito e as vizinhas acorreram. Nesses momentos as mágoas são esquecidas. É assim pelo menos no subúrbio.


Na delegacia, a autoridade arrancava os cabelos e ameaçava prender:


- A senhora sabia, Dona Araci, que sua filha e o namorado foram presos numa festa swing com outros sete casais e várias adolescentes? Então não me venha com essa conversa mole de moralismo.


- Sabia, claro que sabia – exasperou-se - Eu sei de todos os passos da minha filha. E desde quando alguém é preso por dançar? Tem umas danças por aí que eu não gosto, como a tal da lambada. Mas nunca vi ninguém ser preso por isso. Ah, alguém vai ter que se explicar por aqui. Estou partindo pra corregedoria.


Coube a Doroteia, uma das três vizinhas que tinham acompanhado Dona Araci à delegacia, e que mesmo amiga era alvo frequente de sua impiedosa língua, o prazer de explicar a ela a diferença entre o elegante ritmo americano e o swing que Samara costumava “dançar”.


No hospital as coisas vão muito bem. Os exames mostram que Dona Araci tem saúde de ferro e os médicos dizem que ela pode fazer qualquer coisa:


- Até dançar, Dona Araci. Até dançar.

Comentários

Élida Regina disse…
Que incrível! Amei! Parabéns por esse belíssimo texto!
Ana González disse…
Adorei, Albir. História de mãe. Triste omo só.
albir disse…
Obrigado, Élida Regina e Ana Gonzalez, pela leitura e comentários.
Albir é de um estilo fluente e cativante. Muito embora eu não comente muito, estou sempre lendo e aprendendo amigo! Prossiga.
Zoraya disse…
Que ideia genial, Albir, essa do swing! Um abraço na D. Araci, por favor

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …