Pular para o conteúdo principal

O VALOR DAS COISAS >> Whisner Fraga

Uma mulher que caminha de saltos altos em seu apartamento, incomodando o morador do andar de baixo. Um senhor que briga muito com a esposa, acordando a criança no quarto de cima. Isso tudo em um prédio de classe média-alta de uma cidade na grande São Paulo. A história acaba assim: dois assassinatos e um suicídio e um bebê de um ano e meio chorando sem ter ideia do que acontecera.

Um rapaz vem do curso noturno que frequenta em uma universidade. Está perto de casa e fala ao celular. De repente um homem de capacete se aproxima e lhe pede o telefone. Ele entrega o aparelho e logo em seguida leva um tiro fatal. A moto está aguardando o criminoso, que foge calmamente da cena, certo da impunidade.

Fatos assim são rotina nas grandes capitais: São Paulo registra dez latrocínios todos os dias. Os motivos, muitas vezes, são banais. “Um dia de fúria”, comenta o delegado a respeito do primeiro caso. Diante das notícias que fazem o prazer dos jornalistas, temos medo de sair de casa. Na rua Guyanazes, depois das nove da noite é possível testemunhar o vaivém de centenas de viciados, que tomam a rua e andam daqui prali abraçados a seus cobertores, como se fossem zumbis esperando a chegada da próxima pedra de crack.

Outro dia a novidade: a droga chega aos canaviais. Cortadores de cana se entorpecem para suportar o dia de trabalho e os capatazes aceitam calados. Se proibirem o uso, correm o risco de perder o funcionário. E as usinas não podem dispensar esse tipo de trabalhador. São Paulo se tornou uma cracolândia: não há um quarteirão da cidade que não tenha sua dúzia de viciados. Não vou fazer o papel de moralista, porque ele não me cabe. Cada um sabe o que faz de seu corpo. Mas há o velho ditado: o seu direito acaba onde começa o meu.

O problema é que a droga não é de graça e nem sempre o viciado consegue trabalho para saciar sua vontade. O resultado todo mundo sabe: ele vai para o crime. A vida, já disse outras vezes,  não vale uma picada de fumo. Não posso afirmar que em outras épocas tenha tido um valor maior, uma vez que o ser-humano é isso mesmo: um depósito de egoísmo e perversidade, salvo, evidentemente, raras exceções.

É mentira quando dizem que estamos vivendo uma guerra civil. Porque, quando há batalhas, ficamos sabendo. E mais: os uniformes nos entregam os times. Podemos discernir de que lado estamos e fugir do inimigo. Mas e hoje? Quem é o inimigo? Há, realmente um ou as coisas estão acontecendo tão aleatoriamente que não podemos mais explicar quase nada?

Tenho minhas teorias, mas não acho que caibam em uma crônica. Este pequeno texto é só para denunciar a minha inquietação e serve como um desabafo, um depoimento sobre um companheiro que me acompanha há mais de quarenta anos: o medo. Vivemos a era do medo, ele nunca foi tão poderoso, tão onipotente e onipresente. A certeza é que quanto menos vale a vida mais temos receio da morte.

Comentários

Zoraya disse…
Maravilhosa crônica, Whisner. E o que aumenta nosso medo é a consciência, cada vez maior, de que estamos abandonados à própria sorte. Teorias, há muitas, todas com seu fundo de verdade. Mas acho que a falta de amor e compromisso são grandes concorrentes à vaga de vilões número um.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …