Pular para o conteúdo principal

FLORES PARA UMA MULHER [Ana Gonzalez]

Quando a moça subiu as escadas da porta de entrada do ônibus, perturbada, não sabia o que fazer. Como passar pelas pessoas que se acotovelavam pelo meio do corredor? Ela tinha nos braços um grande maço de flores.

Daí que quando me propus a segurar o ramo, ela gostou porque teria tempo para resolver o que fazer. Enquanto eu o segurava, ela foi falar com o cobrador. Desceria pela frente do ônibus? Não haveria outra solução melhor ou possível. Insistir em ir por lugar tão cheio seria prejudicar as flores. Seria incomodar e provocar reações insuspeitadas nas pessoas já bastante apertadas entre si. Mais um ramo de flores? Nem pensar.

Quando me vi estava, no balanço do ônibus, equilibrando um buquê generoso de beleza e amor. Eram rosas vermelhas e pelo meio delas, folhagens e outras flores pequenas e brancas. Foi assim que durante o longo percurso até o destino da dona, mantive o ramo no colo. Agradável sensação de leveza e perfume. Deu tempo para conversar um pouco. Chegando pela manhã ao local de trabalho ela tivera essa surpresa. Não era nenhuma comemoração especial, fora apenas mais um gesto delicado do namorado. Suspeitei que era um relacionamento novo. Não me enganara.


O longo trajeto e o trânsito abriram espaço silencioso para lembrar as flores que eu também ganhara pela vida. Essa suspensão no tempo despertou memórias de outros ramos. De flores variadas, todas especiais, muitas das quais permanecem despetaladas e secas em meio às páginas de livros e, ainda assim, mágicas quando libertadas desse esquecimento. É privilégio ter esse tesouro, que agradeço aos homens que me maravilharam e souberam abrir um sorriso na boca e nos olhos preparando o caminho para meu coração. E deram argumento para eu acreditar no amor e nos relacionamentos. 

Talvez hoje em dia eu seja menos romântica e mais pragmática por acreditar que as relações se sustentam menos por flores e mais por razão e boas decisões na vida cotidiana. A vida me tornou menos crédula na força das flores, a despeito dos significados que elas possam evocar em nossa cultura, certamente todos em um plano maior de nossa experiência,

Temi pelo que poderia acontecer com a alegria daquela moça tão jovem, quase menina, bem vestida para o trabalho, com cabelos tratados, unhas polidas, portando aquele meio sorriso nos lábios ao olhar para seu presente.  Eu adivinhava a esperança que iria dentro dela. Os pensamentos e as imaginações de romance. A promessa de amor e tudo o que alguém de sua idade deseja. Da sua idade? Na verdade, tudo o que todos nós, em qualquer idade, desejamos em relacionamentos. Aquele clima de confiança que modifica a cara do mundo e nos tira o medo de atravessar as esquinas da vida.

Talvez ainda haja em algum desvão de mim aquela mulher que ganhou tantas flores. Ela está viva. Com os mesmos desejos de flores e promessas de amor. Cúmplice, pensei tudo isso observando a mulher que merecera o gesto poético. E apesar do leve temor que se levantou dentro de mim pelo futuro desse relacionamento, desejei que ele não caísse no ramerrão do cotidiano e que se mantivesse para sempre em patamar de celebração do encontro.

Como nos contos de fadas. E me senti, então, com o dom de fada madrinha. Desejei firmemente que o namorado-amado-amante continuasse esse homem delicado e afeito a comemorar as qualidades de uma mulher e dos espaços de romance.

E disse a ela, também firmemente, antes que ela descesse do ônibus: “Seja sempre uma mulher que merece flores. Há muitos homens por aí à procura de uma delas para presentear, na intenção de manter a chama do encantamento e da esperança.”

Comentários

albir disse…
Muito interessante essa reflexão, Ana. Quase ninguém acredita que há por aí homens querendo dar flores. Por isso tanto desencontro, como diz Vinícius.
Ana González disse…
rsrs... quando encontro um que fez o gesto, Albir, acredito que pode haver outros. Firmemente..rs.. bj
Anônimo disse…
gostei da cronica e um exemplo a certos tipos de homens que ainda insistem no machismo
Carla Adrielle disse…
Perfeito, Ana!

sua crônica é simplesmente inspiradora.
Beijos de Luz.

Espero que visite meu blog www.depoisqueeumudei.blogspot.com.br
Zoraya disse…
Ana, como sempre, delicada. Seria mesmo bom que nós, mulheres, sempre fôssemos, ou acreditássemos sermos mulheres que merecem flores. beijos floridos.
Alfredo Madeira Jr disse…
Muito sensível.
Interessante como as flores são recebidas até por quem apenas as carregou por um tempo.
Naquele momento elas eram dela.
Ana González disse…
Zoraya, e somos! merecemos! ainda que nem sempre os parceiros se portem dessa maneira. fazer o quê!?...bjss

Alfredo, nossa, vc viu algo que eu não tinha percebido assim. Mas acho que além de personagem, me senti um pouco dono delas. Mesmo. Bjss
Varlice disse…
Anuska
Gostei demais dessa crônica. Demais.
Confesso que mesmo com a idade madura eu ainda amo receber flores.
Aliás, amo flores!
Não deixei que a idade e as decepções tirassem isso de mim.
I'm in the mood for love.
Poliana
Ana González disse…
Varlice, não poderia imaginar esse gosto em vc. Sempre tão ... distraída de detalhes, econômica. Uma descoberta em alguém que eu jurava que conhecia bem!!! rsrsrs...Vc merece, querida!!! bjss

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …