Pular para o conteúdo principal

NÃO VÁ PARA MARTE >> Carla Dias >>

Sim, as coisas andam bem complicadas. Na política, na saúde, na segurança e por aí vai. Falta muito do que importa, excede o que beneficia a poucos. Dá sim uma vontade de fazer as malas e se mudar para Marte, de enfiar a cabeça num buraco, pedir as contas ao planeta e aos seus líderes de caráter duvidoso e preocupação falseada.

Quando pensamos na imensa confusão na qual se enfiou o nosso país, o mundo, dá mesmo um desespero de impotente, de quem não nasceu super-herói, mago, polivalente o suficiente para colocar ordem nessa bagunça. Dá vontade de se trancar em casa e sair somente quando tudo estiver em ordem. Ignorar completamente esse lugar arredor do nosso universo pessoal, onde há tanta injustiça, e a violência – física, emocional e social – impera.

Obviamente, nos bate forte a revolta ao vermos assuntos sérios tratados jocosamente. Quando impostos direcionados a melhorar serviços públicos acabam em bolsos particulares, gerando mansões, não leitos em hospitais. Alimentando jantares requintados, não os cidadãos. E vem essa vontade monstruosa de desaparecer, como se nem mesmo tivéssemos existido. Sumir do mapa.

Como ainda não há transporte público para Marte, não conseguimos ficar com a cabeça no buraco sem dar uma espiada no lá fora, e definitivamente não aguentaríamos não sair de casa, nós verbalizamos esse sentimento. E sempre amplificamos o tom de descontentamento, apontamos os culpados e nos sentimos indignados por nada ser feito.

Mas...

Sim, há um “mas”...

O quê? Como? Por quem?

Na política, deflagramos guerras virtuais aos nossos desafetos. Lembrando que dói em cada um de nós o que nos interessa, e isso dá em uma grande variedade de dolências, algumas supérfluas. Deveria ser o básico, a sustentação de uma sociedade, o tema das nossas empreitadas coletivas. Porém, já escutei alguns desses militantes sazonais verbalizarem que pobre merece a parca assistência à saúde, à moradia e à alimentação que recebem. Que eles estão de passagem pela vida, enquanto eles, os formados em grandes universidades, os esclarecidos, são os que devem ser bem cuidados e preservados, em nome de uma evolução mais distinta.

Também já escutei pessoas muito bem engajadas em projetos sociais, atuantes e orgulhosos dos seus feitos, que fazem trabalhos voluntários em comunidades nas quais a pobreza e a violência são proeminentes, fora daquele momento de benevolência, de voluntariado, serem completamente preconceituosas com os menos agraciados, lançando a eles olhares de desprezo e frases nada amáveis.

Não... Não estou dizendo que quem teve a boa sorte de ter uma vida financeira mais aprazível são os bandidos e os pobres os mocinhos. Na verdade, há bandidos e mocinhos na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na pobreza e na riqueza.

O que eu quero dizer é que queremos nos mudar para Marte, enfiarmos a cabeça num buraco, nos isolarmos em nossas casas. Nossa vontade aponta para o lado oposto do necessário, que é não apenas questionarmos o que anda ruim para nós, mas procurarmos entender como funciona essa engrenagem política para termos razão ao questioná-la. Poder para desbancá-la.

Mas...

Ah, o “mas”...

Ficamos pra morrer quando tragédias acontecem por conta de um profissional que não fez o seu trabalho. Ou quando alguém comete violência em nome de Deus, do amor e da honra. Raramente, o ato tem a ver com Deus, com o amor ou com a honra. Frequentemente, trata-se de um desejo pessoal por poder. Nem me fale quando a violência é fácil, com requintes de crueldade. Poderia ter levado o dinheiro, mas decidiu levar o dinheiro e executar a pessoa, por prazer, porque podia. Por poder.

Realmente, as coisas andam bem complicadas, e para muitas delas nós temos a solução, só não sabemos como ou temos o poder de colocá-la em prática. Nós sabemos que é preciso reavaliar as leis que regem o nosso país, que médico deveria ganhar bem, assim como os hospitais deveriam ter o equipamento necessário para atender aos doentes. Que é preciso melhorar o transporte público para desafogar o trânsito das grandes metrópoles. Que investimento é a palavra de ordem, a longo prazo é o que temos de aceitar, para que, em algum momento, nosso país entre nos eixos.

E tudo isso é nutrido por uma única coisa: educação. Um país com a educação em alta será muito bem servido de oportunidades para crescer. Uma pessoa com conhecimento saberá os melhores caminhos a seguir, arcará com o peso das suas escolhas, pensará de forma coletiva, não será enganado pelos seus governantes acostumados a lidar com a ignorância do seu povo. Compreenderá que sabedoria requer tolerância e capacidade de compreender a diversidade. Que igreja não é microempresa. Que mais do que benevolência, é preciso respeito para fazer essa roda girar. E passaremos de uma nação na qual a maioria apenas sobrevive, para um lugar onde viver é bom, onde os problemas são analisados com o cuidado da importância de seu resultado, e não por barganhas políticas, diplomacia equivocada, benefício próprio. Poderemos até mesmo trocar o canal da tevê quando nos sentirmos insultados, porque esse gesto é muito mais poderoso do que imaginamos.

Nessa equação, o ponto principal é o ser humano. Um ser humano pensante pode mudar muito ao seu redor, e escolher melhor seus representantes no governo, tomar decisões mais apuradas. Sim, professor tem de ganhar bem, muito bem, e ter o valor de seu papel como educador reconhecido. E para termos uma realidade melhor, é preciso começar a construí-la, em vez de gastarmos nosso tempo com essa vontade insana de qualquer coisa, menos a de encarar que esse trabalho é coletivo. É de quem está no poder e nosso, os cidadãos.

carladias.com

Comentários

Élida Regina disse…
Muito bom! Numa democracia quem tem maior poder é o povo, o problema é que temos o mito da democracia e o investimento constante na ignorância, alienação. Realmente a mudança é um trabalho coletivo, mas deve partir do indivíduo e atingir o todo. Mas que dá vontade de ir pra Marte dá! Mas passa rapidinho! Rsrsrsrs
Abraços!
albir disse…
Brilhante, Carla, como sempre. Quando aprendermos a assumir nossa parcela de responsabilidade, não precisaremos mais sonhar com Marte.
Carla Dias disse…
Élida... É exatamente essa vontade que passa que me dá esperança. Isso significa que não somos indiferentes quanto aos acontecimentos. E que, com um pouquinho de dissipação de distração, podemos descomplicar um montão de coisas complicadas. Beijo.

Albir... Isso mesmo, Albir! Podemos sonhar com quintais por aqui mesmo :) Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …