Pular para o conteúdo principal

A BLITZ >> Whisner Fraga

Como se diz em Minas, não vamos nomear os bois. Até porque alguns bovinos, ao contrário do que atesta a ciência, falam e, como era de se esperar, escoiceiam. Não digo que não aumentarei, caluniarei ou mesmo inventarei alguns trechos do episódio, mas tudo é com uma intenção razoavelmente boa: a de melhor divertir meus leitores. Não sei se o autor das peripécias que relatarei lê jornais ou blogs e se esta crônica chegar aos ouvidos dele, já peço desculpas antecipadamente por qualquer melindre e se o texto agradar, peço ao amigo que me ligue para que eu possa lhe confidenciar o número de minha conta, para uma gorjeta qualquer.

Digamos que voltasse de uma festa que ocorrera nas cercanias de um sítio, em Uberlândia. Havia tomado umas tantas e outras mais. Ao todo, o volume de álcool lançado para dentro do estômago devia ser suficiente para tontear uns quatro cachaceiros de profissão. Não acho nem um pouco bonito o que ele fez, aliás recrimino veementemente essa atitude, mas o fato é que ele pegou a chave da pickup Ranger e foi para a estrada. É de conhecimento geral que bêbado é idiota e ele não fugia à regra. Para sorte dos motoristas que trafegavam pelo local, existia uma polícia rodoviária no meio do caminho. E uma blitz.

É evidente que meu amigo foi parado: a polícia é treinada para farejar culpados. Isso foi antes da lei seca, o que, em termos legais, foi interessante para o sujeito. Desceu do carro e conseguiu se explicar. O problema é que ninguém entendeu. O homem da lei lhe preparou um banho de mangueira, um café forte e um recinto trancado a nove chaves para passar a noite. E a noite passou, é evidente. Amanhecendo, reconheceu a besteira que fez. Tinha uma vaga ideia do que acontecera e temia pelo carro, que não era seu.

O guarda lhe trouxe um recado: pretendia deixá-lo ali enquanto acionava alguém que entendia de leis. Meu amigo perguntou se podia esperar fora da cela. Podia. Ficara sozinho no escritório, porque o outro foi tratar da vida ou da morte, não se sabe. Sentou-se na mesa enorme, desorganizada. Testou o telefone: nada. Tentou acender a luz: nada. Gritou pelo fardado: nada. Como era engenheiro e já trabalhara com energia elétrica e telefonia, além de ser hiperativo, não quis ficar à toa. Não fazia bonito para ninguém, apenas atendia a um chamado maior do cérebro. A linha voltou a seu monótono chiado em menos de meia hora. E nem notícia do policial.

Saiu para contar a novidade e não encontrou ninguém. Viu a Ranger inteira e se sentiu melhor. Faltava a luz. Desmontou o aparato e concluiu que havia qualquer coisa queimada por ali. Procurou por perto e achou um depósito, onde descobrira dezenas de peças sobressalentes: fios, fontes, disjuntores e o que mais precisasse. Estava em pé na mesa, acabando de montar as lâmpadas quando o outro retornou. Nenhum dos dois se abalou, acostumados a ver de tudo e mais um pouco. Meu compadre desceu, caminhou calmamente rumo ao interruptor e gritou: “Fiat lux!” E houve luz.

Como é sabido, mineiro não se apega a picuinhas, de modo que o guarda reconheceu estar perto de um sujeito trabalhador. Fez o sermão, mostrou algumas fotos de corpos estraçalhados, de veículos retorcidos e liberou o meu amigo. Abria a porta da caminhonete quando o policial gritou: passe quando quiser por aqui, será bem-vindo, o prédio sempre precisa de reparos, mas prefiro que da próxima vez venha sóbrio, porque não serei tão bonzinho como fui desta vez.

Comentários

Zoraya disse…
Ah, genial, Whisner, ri à beça!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …