Pular para o conteúdo principal

SOBRE AMAR O MAR >> Fernanda Pinho



Eu não sei quando eu me dei conta de que amava o oceano Atlântico. Mas arrisco dizer que o amor veio no DNA, já que tanto meu pai quanto minha mãe são apaixonados pelos mar (a ponto de quando eu era pequena acreditar piamente que nas madrugadas das férias de verão minha mãe virava sereia).

Não é espantoso, portanto, que eu sempre tenha sido tão devotada a essa imensidão azul. Eu amo mergulhar no mar, dentro das minhas possibilidades de quem nunca aprendeu a nadar. Amo o cheiro salgado do mar e o sal impregnado na pele após o mergulho. Amo a eletricidade que percorre o corpo após o primeiro toque de uma maré nos meus pés. Amo olhar para o mar, de preferência à tarde quando está tudo quente e dourado e meu único compromisso é navegar pelas minhas ideias.  Amo a vibração alegre e relaxante que o Atlântico estende sobre as cidades que têm o privilégio de serem banhadas por ele.

Amo e estou me sentindo culpada. É que depois de quase três décadas desse amor exclusivo acho que estou amando o Pacífico também. É verdade que já rolava um flerte desde que eu o conheci. Mas eu vinha me mantendo na defensiva. Como se permitir a um amor que não faz a menor questão de disfarçar seus perigos? Me sentia acuada quando ao concluir minha observação panorâmica de uma praia eu descansava minha vista numa placa com alerta de tsunami. 

Mas o amor sempre teve essa relação louca com o perigo. Quanto mais você se afasta, mais você se aproxima. Quanto mais tentava menosprezar minha relação com o mar do lado de cá, mais eu me perdia nessa personalidade intrigante. Como pode ser tão sereno, ter um azul tão royal, atrair as aves mais lindos que eu já vi e, de uma hora pra outra, se revoltar como que para provar que de pacífico só tem o nome?


Intrigante e apaixonante. E eu me dei conta de que estava irremediavelmente apaixonada ao observá-lo numa tarde. Mais pra cinza que dourada. Mais pra fria do que quente. Não de um quiosque, mas de um café. Não escutando uma música baiana boa ou ruim, mas o crepitar das chamas de uma lareira. Não tomando água de coco, mas uma xícara de chocolate quente. Amo com um amor fresco e saboroso, como os mariscos que só dão aqui. Um amor hipnótico e entorpecente, como o sono que pesa sobre meus olhos cada vez que me aproximo. Um amor não-correspondido e platônico, já que ele faz questão de se apresentar da forma mais gélida possível, para que eu não ouse dar um mergulho sequer.  E isso, de certa forma, apesar de frustrante, alivia minha culpa. Pois quando eu voltar a mergulhar no Atlântico ele saberá que continua sendo o único a possuir meu corpo.


Fotos: Osvaldo Castro, em Valparaíso e Algarrobo (Chile)

Comentários

Joy disse…
Nao sou fa do Pacífico nao. Só gosto dos frutos que ele dá... Mas nao consigo achar nem tao bonito, nem tao agradável quanto o Atlântico que mora no meu coraçao!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …