Pular para o conteúdo principal

AMÊNDOAS DOCES >> André Ferrer

Ribamar ficou quieto. Ele costumava reclamar durante a visita mensal. Agitava-se todo enquanto falava da empresa, do baixo desempenho nos últimos trinta dias e da dificuldade que era manter uma filha na universidade. Naquela manhã, calou-se. No horário previsto, ficou onde estava, pálido e surpreso, metido num terno cinza; terno elegante, escurecido nos ombros por causa da chuva. Ele tinha sofrido um súbito impedimento depois que abriu a porta. Como de costume, entrou de uma vez no quarto da dona da casa, prendendo-se, naquela manhã, entre um jovem rapaz que ele jurava ter visto antes e Dolores Pilar.

“Este é o Cláudio. Lembra-se dele? Cláudio trabalhava na sua empresa. Muito bem. Agora é o meu ajudante aqui em casa e lá embaixo no café. Como já te falei: o valor da mensalidade aumentou.”

Ribamar observou o rapaz, tirou a carteira do bolso e apanhou o dinheiro em silêncio.

Deitada de bruços, o dorso à mostra, Dolores Pilar sorria. Estava feliz de verdade. Sinceramente feliz e relaxada em cima da cama. Com um braço esticado, empregava os dedos da mão direita para checar o verdadeiro alcance de uma toalha de banho que, apressada e suspeita, cobria-lhe minimamente as nádegas e o início das pernas.

“Como já te falei”, continuou. Estava prestes a levantar o corpo da cama. “Eu preciso que você reforce a mesada de Maria.”

Olhava direto para Ribamar neste momento e, logo atrás dele, avistou um pedaço de Cláudio que, constrangido, ainda segurava com toda a força do mundo o frasco vazio de óleo de amêndoas doces. Ele apertava o resistente gargalo desde a chegada de Ribamar. Ainda estava paralisado no mesmo canto para onde saltara logo que se viu flagrado no quarto da patroa.

Dolores Pilar transbordava felicidade. Desde o primeiro momento, convencera-se de que via raiva e ciúmes na surpresa do visitante. Desde o primeiro minuto, imaginou as profundezas daquela manhã. Sim, aquela manhã tinha um ventre! Aquela manhã tinha milhares de possibilidades entranhadas. Um jogo imprevisível de peças ligadas entre si. Cada casa daquela cidade bem como seus moradores e objetos pessoais representava uma peça. Um pequeno acidente doméstico. Uma dona de casa e o seu marido. A chuva! O exato momento em que o aguaceiro começava a cair e, providencialmente, atrasava a pessoa certa em relação à outra. Tudo e todos, enfim, constituíam peças fundamentais no ventre daquela manhã! “Desde o primeiro momento!”, ela repetiu consigo mesma e jogou as pernas para fora da cama. Içou a toalha bem devagar sobre o drapeado de pele que surgia nas axilas e ocupava as laterais do seu dorso. Ela cobriu as costas e, finalmente, sentada no colchão, encolheu os ombros embaixo do tecido felpudo.

Em pé, Dolores Pilar girou o corpo, voltou as costas para os dois homens e caminhou até a janela. Fazia silêncio e do silêncio brotavam os pequenos ruídos do café. Dolores Pilar sorriu mais ainda por causa da sinfonia de minúsculas trivialidades que, segundo acreditava, possibilitava o mágico ajuste entre a sua vontade e um universo docilmente moldável. Depois, olhou para fora. No exato momento em que a indução do mundo chegava ao ápice, a chuva parou de cair. Os telhados da fábrica e das casas vizinhas ficaram iluminados. A mulher também se descobria misteriosamente iluminada. Dias como aquele, de fato, tão cheios de coincidentes revoluções, compensavam todas as suas dores físicas e espirituais, principalmente a solidão causada pela distância da filha que, na capital, fazia faculdade de advocacia.

Completamente mudo, Ribamar depositou o dinheiro na penteadeira e se foi, logo depois de encarar de novo o rapaz.

“A senhora quer?”, disse Cláudio, aturdido, ainda sob os efeitos de uma seca batida de porta. O ajudante tinha acabado de descobrir que não havia mais óleo para a massagem de Dolores Pilar quando a visita inesperada — a seu ver, pelo menos, que era novo na casa — aconteceu. “Peço desculpas. Vou correndo até a farmácia. Peço desculpas. Nem mesmo a Lígia reparou que o óleo estava no fim! Peço desculpas.”

Dolores Pilar estava enlevada. Sequer escutou a informação do rapaz de que iria, então, adquirir outro frasco. Ela sequer notou o alívio e a ligeireza com que Cláudio saiu do quarto e desceu a escada.

“Amêndoas doces” continua no dia 27/05/2013. Obrigado. Até lá! ACESSE AQUI. 

Comentários

Élida Regina disse…
Aguardando ansiosamente a continuação! Muito bom!
Zoraya disse…
ainda bem que dia 27 está chegando!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …