Pular para o conteúdo principal

A PESSOA MELHOR >> Carla Dias >>

Eu tento ser uma pessoa melhor.

Fui educada para sempre buscar essa pessoa melhor que me garantiram mora em mim. Quando acordo, meu piloto automático desembesta a buscar essa pessoa melhor que parece residir em todos nós, como fosse um animal de estimação com o qual compartilhamos todos os nossos segredos

Meu animal de estimação varia, de acordo com o meu destempero ou deslumbre vigente. Há dias em que ele é a televisão, mas em outros ele dá de ser a outra eu com quem filosofo constantemente sobre o motivo de a máquina de lavar fazer tanto barulho e quase pular pra casa da vizinha, ao final da centrifugação. Quando ela começa com aquele escândalo, eu fecho a porta da área de serviço e tapo os ouvidos com as mãos. São alguns minutos de tortura para mim que, naquele momento, não me acho uma pessoa capaz de ser melhor, mas apenas a vizinha sem noção com a máquina de lavar precisando de reparos...

Como a minha vida anda precisando.

Pelo o que entendi, ser uma pessoa melhor é dar de dez na pessoa que fomos ontem. Mas com tantos altibaixos que carregamos vida afora, como sabermos que o melhor de anteontem é pior do que o de ontem e ainda pior do que o de hoje? Sei não... Sinto-me levemente enganada pelo meu melhor. Ele usa máscaras, às vezes tropeça, aposto que enche a cara de fascínio pelo bandido, enquanto deixa o mocinho escapar dos seus afetos.

Depois de um tempo, compreendi que a minha pessoa melhor - essa estranha que me habita sem que dela eu saiba corretamente o endereço – depende das pessoas melhores alheias para ser efetivamente melhor. Entendeu? Nem eu... Quem foi a primeira pessoa a se tornar uma pessoa melhor e ser promovido ao cargo de fonte de onde pessoas melhores em potencial bebem de seus ensinamentos?

Eis o mistério da pessoa melhor.

Minha pessoa melhor de estimação às vezes se aborrece com a rotina e sai para passear. Então que eu fico acreditando, enquanto ela bate perna por aí, que sou capaz de mudar o mundo, como se houvesse esse botãozinho mágico que lê somente a digital do meu dedo indicador e o de mais ninguém. Depois, já cansada de carregar o mundo nas costas, minha pessoa melhor se manda e eu fico com os desapontamentos, louca para que a minha pessoa pior assuma a direção da minha vida e mande minha pessoa melhor catar coquinho!

Durante muito tempo, pensei que tivesse nascido sem a minha pessoa melhor, como quem nasce sem um membro do corpo. Então, fui viver a vida do jeito que me cabia... “Se te derem um limão...” Os ditos populares, se sabiamente dispostos, até poderiam se transformar na minha biografia, e aposto que na de muitos por aí.

A verdade, ou ao menos a que me cabe, é que a pessoa melhor na qual devemos nos transformar está longe de ter apenas momentos de bondade ou ideias geniais sobre como consertar aquilo que cada um de nós entortou durante a jornada da vida. Para poder olhar em seus olhos, nós, seus donos amestrados pelo medo de dizer, fazer, compreender e mais uma porção de verbos capazes de retratar medos, temos de não só sorrir e sermos simpáticos, presentes, conscientes. Também temos de tomar decisões difíceis, acordar o carrasco que há em nós, vez ou outra. Desopilarmos nossos sentidos e até cultivarmos certo egoísmo. Pensarmos em nós mesmos sem que seja em busca de outra pessoa.

E, cá entre nós, a pessoa melhor na qual podemos nos transformar é a de hoje mesmo, porque carece da vivência para se esbaldar naquilo que acredito seja o real teor da pessoa melhor de cada um: a sabedoria.

Talvez o segredo seja ser a melhor pessoa possível no momento, e não apenas a pessoa melhor que nos deixa tão distantes das importâncias.

Imagem: © George Grie

www.carladias.com
www.osestranhos.com
www.talhe.blogspot.com
www.livrosfilmesediscos.blogspot.com

Comentários

Carla, no labirinto da sua prosa, me perdi entre o pior e o melhor, em você e em mim. :) Mas de uma coisa tenho certeza: o seu melhor se revela quando você escreve.
Luiza disse…
Ô Pessoa Melhor, adorei seu texto. Abraços
Alexandre Lobão disse…
Carla, muito obrigado por nos fazer enxergar um pouco melhor para dentro de nós mesmos!
Forte Abraço!
Lu Rios ; ) disse…
que texto maravilhoso! continue se esbaldando no presente pra continuar escrevendo tão sabiamente assim!

vc com certeza é uma pessoa melhor depois dessa crônica! :***

beijooo
Carla Dias disse…
Eduardo... Obrigada pela certeza.

Luiza... Que bom!

Alexandre... Bom vê-lo aqui! Quem agradece sou eu : )

Lu... Espero mesmo que minha melhor pessoa se torne uma pessoa melhor a cada crônica vivida e escrita. Obrigada por aparecer!
Anieli disse…
Adoro suas crônicas. Você escreve muito bem!!!
Sou professora de português em Bsb e leio seus textos para meus alunos de vez em qdo. Eles adoram!
Bjs!
Carla Dias disse…
Anieli... Fico muito feliz em saber que minahs crônicas são queridas a ponto de chegarem a uma sala de aula, ainda que somente como leitura oriunda de gosto pessoal. Outro dia me escreveu um garoto contando que se inspira nas minhas crônicas para escrever suas redações da escola... A verdade é que aprender é algo que me encanta e a sala de aula sempre foi um lugar onde me senti bem. Voltar lá dessa forma, para mim, é uma honra.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …