Pular para o conteúdo principal

O FUTURO >> Eduardo Loureiro Jr.

Stella Brazil - FlickR.com

O futuro é uma coisa misteriosa e fugidia que a gente alcança um pouquinho a cada dia, mas que permanece sempre e grandemente inalcançável por mais que a gente avance.

Você deve conhecer a expressão déjà vu, o já visto, e talvez já tenha experimentado o sentimento de, em uma nova situação, ter a sensação de já ter visto, sentido ou visitado aquilo. Mas não deveriam inventar também uma expressão para a sensação de não ter experimentado ainda, uma espécie de encore vu, ainda não visto, algo que sentimos ou vemos, mas que não nos aconteceu ainda e que, por não ser parte do passado, só poderia ser uma indicação do futuro? Ou seria apenas o presente alucinatório nos pregando uma peça?

O futuro se anuncia de muitas formas. Pode ser um sonho, daqueles de que a gente acorda e se sente roubado de algo que tem mas que, quando desperta realmente, percebe que nunca teve; e tempos depois o sonho acontece. Ou então pode ser um desejo — esse sonho acordado — que, por termos concebido em vigília, sentimo-nos compelidos a fazer acontecer por qualquer meio que seja, e o futuro desejado acaba mesmo acontecendo. Pode ser também uma fala de oráculo, esotérica ou não: uma leitura de mão ou de mapa astral, ou a simples intuição de um amigo — ou nossa mesma — de que tal e tal coisa vai acontecer; e algumas vezes acontece tal e qual.

Um futuro que se revela antecipadamente traz sempre um risco: a perda do presente do presente. Seduzidos pelo presente que será nosso no futuro, estamos sujeitos a desdenhar os presentes garantidos, já recebidos, do próprio presente. Outras vezes, a revelação antecipada do futuro é essencial para que não nos percamos, para nos guiar, nos nortear.

Embora o futuro previamente revelado ainda não tenha chegado — e vivê-lo antecipadamente consista na forma mais arriscada de perder o presente —, a vivência imediata — aqui e agora — do futuro é também a forma mais certa de materializá-lo. Qual a justa medida, então, entre a aceitação do presente do presente e a realização do anúncio do futuro?

Aí é que vem a surpresa. Como diz o compositor Antônio de Pádua,

O futuro se pressente
no que a gente guardou.
Pois diz o velho ditado,
um ensino cristalino:
a chave do seu destino
se encontra no passado.


O passado contém a história de nossos futuros realizados e não realizados. O passado é como uma figura pontilhada de passatempo que já está com os pontos todos ligados. Revendo o passado, podemos reconhecer os caminhos do nosso traço. No passado que a gente esqueceu, nas ligações pretéritas que a gente não percebeu, estão nossas limitações de enxergar claramente o futuro. É preciso saber enxergar o espelho — que não mente — para poder visualizar a bola de cristal sem ilusão. Quem não vê o passado não vê o futuro.

Entre o passado que se tende a esquecer e o futuro que periga iludir, melhor mesmo é praticar o olhar com o presente. Cultivar a atenção feito quem pesa objetos numa antiga balança de dois pratos. Se o braço do passado está mais baixo, reforcemos de sonhos o prato do futuro. Se o braço do futuro está pesando mais, cuidemos de reforçar de lembranças o passado. Quem quiser equilibrar a própria vida, tem que se tornar o fiel da balança.

Comentários

Larissa disse…
ADOREI!!! Belíssima!!! Uma ótima reflexão!!Forte abraço!!
Anônimo disse…
Um futuro é a repetição melhorada de um passado. Poderia ser a percepção do "encore vu" de um "deja vu"? Tô adorando te ler! K:)s
Anônima, agora você fundiu minha cuca. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …