Pular para o conteúdo principal

A INDESEJADA >> Albir José da Silva

"Quando a indesejada das gentes chegar
(Não sei se dura ou caroável)
Talvez eu tenha medo".
Manuel Bandeira


A transferência para o CTI aconteceu há duas horas. Rostos compungidos, olhos vermelhos e narizes congestionados esperam, chegam e se encontram nos corredores. Mas as olheiras informam que já dura vários dias essa situação. A peregrinação ao hospital começou há semanas com a internação. Nesse tempo, sustos, ambulâncias, telefonemas de madrugada — "Ele não está nada bem!" —, faltas ao trabalho e noites sem dormir: "Vai para casa, tenta dormir, você já ficou ontem."

O médico trazia notícias a cada meia hora. Notícias que não diziam nada. Nada de melhoras: "O neurologista está chegando para fazer uma avaliação. Temos de esperar."

Esperar é ter esperança. E ontem ele estava tão tranqüilo. Ofegante mas tranqüilo. "É, tranqüilo até demais. Pediu pra trazer as crianças, mandou devolver um livro que pegou emprestado há anos. Não gostei nada daquela tranqüilidade."

Mais trinta minutos, que pareceram meses. E outros trinta. "Estão muito quietos. Onde está esse médico?"

Veio a assistente social. Quem é o responsável pelo paciente? Entre aqui, por favor. Na sala, o médico. "Sinto muito. Fizemos o possível."

A copeira, que acompanhou tudo, viu aquela movimentação e adivinhou. Circulou entre os suspiros, as lágrimas, o choro convulso, os abraços e até os abanos a alguém que passava mal. Parou na mesa da recepcionista e comentou:

— Que pena. Eu conversava muito com ele. Era tão simpático. Falava sempre com um sorriso. Mesmo quando começou a piorar. E deixa tanta gente triste. Devia ser muito querido. Sabe, eu trabalho aqui há três anos e nunca me acostumo com isso. A gente fala com a pessoa num dia e, no outro ... Bem, é a vida. Não sei por que que eu sou boba assim... — e limpou uma lágrima.

Talvez eu não mereça, mas é assim que eu queria a minha morte. Boba como essa lágrima.

Comentários

Carla Dias disse…
É Albir... Há coisas bobas "como essa lágrima" que desejamos, sem mesmo saber se a merecemos. Somos bobos com desejos por coisas bobas que, no final do expediente da vida, se mostram as mais importantes.
Juliêta Barbosa disse…
Albir

Passar por essa vida deixando saudades é um dom que poucas pessoas possuem. Há excesso de espelhos no mercado, e, por conseguinte, desaprendemos a olhar para as laterais... Quem quer que seja o autor dessa lágrima boba, esse, sim, teve uma vida que valeu a pena. Garanto-lhe que não se chamava Narciso...
albir disse…
Carla,
que bela imagem: final do expediente da vida. A vida ser tão curta tem uma exigência - concentração; e um risco -desperdício.

Julieta,
é verdade. Para ter uma vida que valha a pena é preciso enxergar além do próprio umbigo. A criança sabe que não se basta, mas o adulto esquece.
Romeu disse…
Assim é a Vida, enquanto houver vida, viveremos...e tudo passa

rmsjac@gmail.com

Romeu de Jacareí

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …