NUNCA MAIS >> Sandra Modesto

 

Minha última conversa virtual com Wania, foi há dois meses. 
 
Wania chegou à minha vida quando eu tinha vinte e dois anos. 
 
Antes disso, eu tinha nascido no verão. Minha mãe se contorceu o dia todo pra eu sair pela vagina dela. No final da tarde, com a parteira, minha mãe deu graças a Deus. Um sol teimoso desenhando a janela no alívio, na casa pequena, no interior de Minas onde há luar. 
 
Minha infância teve algumas indelicadezas machucando meus pés, minha adolescência correu um pouco de mim e meu diário eu escondia sempre. Uma história presa mal desejada. 
 
Wania esperava desvendar minhas linhas. Pelo menos. Eu, estudante de Letras, e foi assim a vida com Wania. A gente era professora e aluna, mas os laços foram se amarrando cada vez que ela encantava literatura brasileira e linguística. Uma tremenda audiência naqueles anos oitenta. 
 
Entendi então que ao me formar eu queria ser igual à Wania. Ela tinha brilho nos olhos quando falava. Poxa, empolgar daquele jeito os trinta e cinco alunos – trinta mulheres e cinco homens, só Wania. Após terminar os horários a turma ia para o bar. Tirávamos o cansaço no apogeu das cervejas, risadas e som com violão. Wania gostava de cantar fado. Mas o Chico Buarque esteve ligadinho nas nossas farras, histórias e close marcantes vida a fora. 
 
Na manhã estranha indecisa entre a angústia e a peste no dia 25 de fevereiro de 2021, eu estava lavando um amontoado de louças. Eram quase onze horas. De repente, parei e fui pra sala. Sentei no sofá. 
 
Laércio chegou perto e me mostrou uma foto no celular. 
 
Ele disse: 
 
 “Olha quem morreu” 
 
Era o sorriso no rosto marcado e brilho no olhar. WANIA. 
 
Conversei com minhas amigas do grupo de formandos de 1985. Apesar do isolamento e todos os cuidados ela não resistiu ao vírus. 
 
Não consegui chorar. Reli o prefácio escrito por ela no meu segundo livro. 
 
Anoitecia quando olhei março. Imaginei-me uma chuva. E chorei. Como se a chuva fechasse minha dor.

Comentários

Laercio disse…
A vida nos trás dores intoleráveis. Uma delas é a perda de uma amiga. Parabéns pelo jeito simples de escrever. Incrivelmente emocionante.
Sandra Modesto disse…
Obrigada pelo comentário, Laercio.
Albir disse…
Muito triste, Sandra. E fala de um gesto que temos repetido com frequência cada vez maior: olhar fotos de pessoas que nos deixaram. E não deveriam.
Paulo Barguil disse…
Não estamos preparados para a partida das pessoas queridas.
Nesse momento, a quantidade delas toca ainda mais fundo.
Chorar é regar a nossa alma.

Postagens mais visitadas deste blog

APENAS UM RETRATO >> Sergio Geia

OK? >> Sergio Geia

CONFORTO >> whisner fraga