Pular para o conteúdo principal

O QUE É O MEDO? >> Cristiana Moura


O menino atravessando a rua.
Carros atritando o asfalto
Barulho, barulho, barulho.

Um ônibus, um carro, um avião passando.
Os prédios altos a beira mar privatizando o vento.

Grito.
Você me ouve?
Não.

Medo.
Tanta gente se confundindo
ao cinza e ao cimento.

O que é o medo?
É ver o menino que não brincou de mocinho e bandido
cruzando a Avenida Leste-Oeste
com arma de verdade indo encontrar o traficante.

Medo é o sabonete que escorrega pelos dedos
e eu não consigo pegar.
É a garganta que não sabe cantar.
É o olhar de um outro que me tira a roupa
e me deixa nua no meio da rua.

O medo é a voz que cala na escuridão.
Medo... medo...
O medo é a menina presa do porão.

Desenho mandalas gigantes de areia e vento.
Pinto para soltar a palavra sufocada na respiração.
Tintas e movimento dando uma outra cor ao medo.
Um outro jeito cicatrizando o ferimento.

O medo é não expressar quem sou e por isso não ser.

O medo é o cantor sem voz;
O pintor sem tintas;
O dançarino sem movimento.
Medo é o poeta de punhos presos e garganta emudecida.

O medo é a voz que cala na escuridão.
O medo é a menina presa no porão.


Imagem: Sem Título/2006 - Cristiana Moura – Salão de Abril (Fortaleza-Ce)

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Espetáculo de poema, Cris. Arrepiante. "Grito.
Você me ouve?
Não". Belo e assustador.
Sandra Modesto disse…
Lindo demais! Gritante, super poema. Parabéns, Cris.
Albir disse…
Que beleza, Cris!
Inevitável a angústia pro leitor.
Cristiana Moura disse…
Somos , também, angústia!