Pular para o conteúdo principal

TEM CAFÉ >> Carla Dias >>


Do que já perdi, muito não faz sentido. Não por ter perdido, mas por ter sentido tão profundamente a perda. Perder é verbo indecente, que interfere na vida da gente o tempo todo. É preciso entender que ele também é delimitador de catástrofes pessoais, já que, muitas vezes perdemos o que/quem desejávamos para não nos perdemos de nós mesmos.

Há quem delegue à perda certo romantismo, o que pode parecer – e ser – uma forma de dar menos importância a ela. Quase sempre, percebo esse gesto como uma maneira única de se suportar o vazio que fica. Somos péssimos ao lidarmos com o vazio. Temos o hábito de preenchê-lo com brevidades, apego ao que já é passado e não conseguimos abandonar, tamanho medo que sentimos do que será.

Você pode até questionar o motivo de eu falar sobre perdas na primeira crônica do ano, quando muitos ainda celebram os ganhos: presentes, viagem, tempo extra compartilhado com os afetos, beijos roubados nas primeiras horas do ano. Não estranhem tanto assim. Também não pensem que estou aqui para reciclar poesia ao proferir as auguras das perdas. Tampouco irei declamar o agridoce caminho que é preciso trilharmos para sobrevivermos a elas.

Nada disso.

Essa crônica pode até ser sobre mim, mas não sobre as minhas perdas; certamente sobre minha impotência. Não é sobre vender a ideia de se fazer deste ano o melhor de todos ao encará-las. Não é sobre compartilhar receitas para amenizar a tristeza que perdas deixam pelo caminho.

É sobre ter observado de perto a perda do outro. A perda de quem ama alguém que se foi, mas continua aqui. Ausência na presença. De quem se foi de fato, deixando uma saudade que parece impossível de se atenuar. De quem se foi de uma história para outra, deixando na vida daqueles que viveram a primeira, uma tristeza imensa, misturada ao desejo tão imenso quanto de que o outro encontre a felicidade. De quem perdeu o espaço que tinha na vida de outros, e por medo do novo, reluta em seguir em frente, impedindo a si e aos outros de descobrirem seus caminhos.

É uma crônica sobre mim, porque foi meu olhar que se fincou nessas perdas, nessas pessoas, nessas histórias. Porque eu gostaria que elas soubessem que, se eu fosse uma boa recuperadora de perdas, eu os ajudaria. Se eu fosse uma competente preenchedora de vazios, eu os ajudaria. Daí que sou apenas uma pessoa, impotente diante das perdas, principalmente daquelas em que a lógica não colabora com a aceitação. Sou eu, sem qualquer habilidade mágica para descartar o que é preciso ser vivido.

Então, essa crônica é apenas meu jeito de dizer que, apesar das perdas, terá sempre café aqui em casa para vocês.

Imagem © Mario Sironi

carladias.com

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Que beleza de crônica para iniciar o ano, Carla! Que melhor presente é o de saber que, na casa da amiga haverá um ouvido compassivo e um café quente? Felizes os que podem compartilhar de sua amizade!
Um feliz 2018 com muito café e ombros amigos. E mais dessas suas crônicas maravilhosas, suas frases inigualáveis, sua sensibilidade absurda de linda e profunda!
Anônimo disse…
Carla, com a sua fina sensibilidade vai nos passando mensagens belíssimas. Pelo "aqui tem café no bule pra você" nos remete ao "esqueça o que se passou e bola pra frente".
Parabéns, linda cronista!

Abraços
Enio
Carla Dias disse…
Zoraya, obrigada! Que assim seja com NOSSO 2018.
Beijo.

Enio,
Obrigada, sempre. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …