Pular para o conteúdo principal

CHARLIE, O 'SOLITARIOFÓBICO' >> Zoraya Cesar

Era um desinfeliz, o velho Charlie. Seu epitáfio poderia ser: “nunca teve uma mulher que prestasse e todas o abandonaram”. No entanto, acreditem, ele se esforçava arduamente para manter seus relacionamentos. 

Charlie, o metamorfo – mudava de atitude, aparência, personalidade para se adequar aos gostos e preferências das amantes, namoradas, esposas (sim, casara quatro vezes). Fazia de tudo para agradar, mimar, fidelizar suas mulheres. Nada adiantava. Depois de algum tempo elas o abandonavam, deixando-o desesperado, à beira da insanidade.

Charlie ficava assim, desestruturado, por amor? Coração partido, dor de cotovelo, orgulho ferido? Não exatamente.

Charlie, o gerascomonofóbico – nosso amigo não aguentava a solidão e tinha medo de envelhecer sem a companhia de uma esposa para dividir a vida. Estar descasado ou sem namorada o deixava doente.

Doente, talvez não fosse, mas, desequilibrado, definitivamente. Vejamos. Se passasse mais de um mês sem namorada, flerte, pretendente, surtava. Deprimia-se, tornava-se insone e inapetente. O que Charlie queria, precisava, ansiava, era casar, morar junto, amigar.

Consciente de sua predisposição, digamos, peculiar, juntara duas fobias – a de envelhecer e a de ficar sozinho – e criara um novo termo, para se autodenominar. Sou um gerascomonofóbico, dizia, orgulhoso.

Terapia? Jamais. Dizia que era um sujeito normal. Afirmava não temer a velhice – recusava-se a fazer implantes para cobrir a vasta careca pontilhada de marcas da idade ou a recorrer a truques estéticos para eliminar as rugas; nada fazia para disfarçar a decadência que pouco a pouco invade nosso corpo à medida em que passam os anos.

Apenas não queria passar por esse processo sem alguém ao seu lado. Se, durante a juventude, já sofria com a solteirice, agora, que a velhice esmurrava sua porta, a situação tornara-se mais crítica. Dizia que não era doente, era sensato. Quem quer envelhecer sozinho? 

Ah, diriam vocês, mas isso é fácil de resolver. E eu rebato: não. Nada na vida de Charlie era fácil de resolver. 

Charlie e seu carma - frequentava bares, aceitava encontros às escuras, entrava em sites de relacionamentos. Tudo para ter uma mulher para chamar de sua, Deus de bondade, para se sentir casado, amigado, juntado de cama e mesa e banho, de mala e cuia, ser a corda de alguma caçamba. E, ainda assim, nada dava certo, não por muito tempo.

Era má pessoa, teria hábitos execráveis, vícios insanáveis, algo que realmente o desabonasse? Roncava, fedia, deixava de tomar banho? Não! Então, por que era sempre abandonado?

Ninguém sabia. Talvez fosse um pouco chato, grudento, carente, o nosso amigo - mas isso não é explicação, é constatação. Talvez fosse algo cármico, pois estava pra nascer alguém com o dedo mais podre para escolher parceiras do que Charlie. 

Como escolhia mal! Na ânsia por não ficar sozinho, aceitava o que viesse. Perdulárias, trambiqueiras, pistoleiras, vadias, vulgares... não importa; entregava-se por inteiro – corpo, alma e o que mais tivesse para entregar, até a dignidade. 

E, mesmo passando por cima de algumas desvirtudes de suas amadas, ainda assim, elas o abandonavam sem dó nem piedade. Às vezes sem otras cositas más, como dinheiro, jóias de família, celulares... A última esposa, pela qual Charlie ainda chorava, partira fazendo uma limpa na casa; só não levara o que não pudera ou quisera. Como o fogão. E uma panela velha.

Charlie, o desesperado – fazia quase um mês que Charlie não encontrava uma companhia que pudesse vir a ser uma parceira, esposa, ficante, amante, 'esposamante'.

Sentia-se cansado e perplexo. As mulheres não querem compromisso sério, contorcia-se, em amargor e pânico. Estava ficando velho, não tinha mais tempo para longos e rebuscados namoros. E se não arranjasse mais ninguém? Estaria condenado a ver a vida a se arrastar, sozinho?

Ajoelhou e pediu a Deus uma companheira para passar os dias de seus últimos anos. Uma que não lhe roubasse ou batesse; que não desgrudasse dele. Bastava isso. Além de não ser jovem, também não era rico ou bonito, nem primava pela cultura ou inteligência. Não podia, a seu entender, ser muito exigente (aliás, nunca fora, como vimos).
Charlie se desesperava, achando que não teria tempo de encontrar
com quem passar o resto de sua vida.
Não dava para ser exigente. 

Àquela hora imprópria, em que ele, ajoelhado, sofria tão sofrentemente, a campanhia tocou.

Sobressaltou-se. Como pudera esquecer? Era dia de faxina!

Charlie, o esperançoso - Cruzdeusa, a faxineira, só não era mais feia por impossível.

Era apelidada, em surdina, de “gêmea de Belzebu”. Tinha os dentes amarelados pela nicotina e era mais vesga que o Christopher Lambert. Gostava de perfumes fortes, bijuterias extravagantes e era chegada a uma carraspana de cerveja. Casara quando bem nova, e, dizem as más, péssimas, línguas que o marido morreu de susto ao acordar e se deparar com o rosto da mulher muito próximo ao dele.

Nunca mais casara, D. Cruzdeusa, desde então, e vivia se queixando que, aos 64 anos, ainda era moça pra ficar sozinha, queria um homem pra chamar de seu, pra mostrar às amigas...

Charlie sorriu. Minha prece, pensou, foi atendida. 

Foto: Myriams Fotos in Pixabay

Comentários

Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
Esse cara é tudo que as mulheres não querem!
Mulher quer homem com atitude!
Mulher sempre vai ficar com o melhor homem (cada uma tem suas preferências, dinheiro, sexo, companheirismo, viagens, etc...) que ela conseguir (inclusive muitas traem por isso, acham que o atual não está uma "brastemp" e começam a procurar algo melhor, na maioria se ferram e arrumam 171, etc...
Esse mané carente, só poderia arrumar uma mulher sem nenhuma perspectiva para encontrar coisa melhor! Vai acabar morrendo de susto também, hahaha...
Ana Luzia disse…
Gente, pobre coitado do Charlie... pobres coitados de todos os Charlies e de todas as Cruzdeusas... mas, afinal de contas, dizem que há sempre um chinelo velho para um pé doente, uma metade de laranja em algum lugar... não concordo muito com isso, mas quem sou eu pra questionar aqueles que acreditam e que acabam encontrando o que desejam... ou algo semelhante...
Marcio disse…
Sei lá, mas eu achei que o personagem se adequaria a um arquétipo mais frequentemente encontrado em mulheres.
Houve até uma peça de teatro chamada "Não sou feliz mas sou casada", ou algo próximo.
De qualquer forma, a autocomiseração é item fartamente distribuído entre os espécimes humanos.
Clarisse Amador disse…
Adorei o "fidelizar suas mulheres" kkk. Mas homem assim, Zô, só mesmo nos seus contos, pois hoje em dia homem só fica sozinho se quiser, aliás, nesse item (e em quase todos os outros...) as mulheres estão em desvantagem...
Unknown disse…
Cruzdeusa? Credimcruz! é muito desespero desse homem.... Mas, quem sabe, ela não era só feia de cara, mas boa em outros quesitos? Sorte a dele rs
Anônimo disse…
Quem não lembra do Sr. Miranda, mais conhecido como o coruja? As mulheres só de vê-lo já sentiam repulsa, davam rabissacas e desviavam até o caminho para não terem o desprazer de encarar aquela figura externamente horripilante. Mas esse pobre homem possuía um coração e um caráter inconfundível, e raríssimo para homens da época, e por que não dizer aos nossos dias atuais. O que fica claro no Charlie, é o medo da solidão é sem dúvida o maior tormento, envelhecer sem uma companhia, ou contrair doença terminal e não ter alguém para ajudá-lo, o ferem a cada dia de forma contundente. Temos muitos Charlies espalhados por todos os lugares do mundo, a culpa não está nele, tão pouco nas mulheres.

Luis Carlos Dias

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …