Pular para o conteúdo principal

DE AMORES E TRAIÇÕES [Debora Bottcher]

Não: ninguém perdeu a festa porque o amor é uma comemoração cotidiana, para a qual a gente tem que estar antenado todo o tempo.

Eu me lembro de ter escrito um texto antigo, certa ocasião, dizendo que todas as histórias de amor são iguais.

Essa é uma afirmação que pode causar espanto num primeiro momento, mas se a gente vasculhar os casos de amor à nossa volta - só à nossa volta -, vai ver um sem-número de repetições, ainda que variadas em ordem e conteúdo.

Se encontros podem ser únicos - e o são -, desencontros parecem uma trilha que nunca se cansa de atravessar nosso caminho. E como é difícil desviar dos entraves, driblar os contratempos, continuar inteira dia após dia, (re)conquistando a cada amanhecer a mesma pessoa!

E quando alguma coisa deixa de fazer sentido, não tem como não causar sofrimento na ruptura - eu acho que nunca soube de duas pessoas que se separaram em igualdade de sentimentos; sempre um dos dois ainda ama, ainda gostaria de continuar, de tentar mais uma vez...

Mas eu falo de não angariar mais uma dor com a traição. Não custa romper sem trair o sentimento do outro, sem quebrar totalmente sua auto-estima, sem aumentar sua indignação, sem lhe roubar toda crença no amor e na esperança.

Eu nunca traí ninguém, mas já estive do lado de cá. E não há dúvida: o susto, a incompreensão, a amargura, sempre se supera, mas não se esquece. E fica a marca, o medo da repetição, uma angústia por muito tempo... Confiar novamente é um processo árduo - nem só confiar no outro, mas em si mesmo. Esse eu acho que é o maior entrave da traição: ela esmigalha nossos valores pessoais, pisa na nossa segurança, além de jogar por terra nossos sonhos em relação àquela pessoa - e, às vezes, até no futuro.

Acho que trair não é bom pra nenhum dos envolvidos - e aqui incluo a terceira pessoa. Não sei, mas imagino que deva ser um tempo de sobressaltos, indecisões, mentiras - sempre mentiras -, e muita confusão emocional. É uma situação em que, normalmente, todos perdem e acho que o melhor caminho é conduzí-la com o máximo de transparência e verdade. Não deve ser fácil - até porque a coisa toda é bem complexa.

Bom seria se a gente pudesse viver sempre na confortável mansidão amorosa que pregou Lya Luft: "O casal perfeito talvez seja aquele que não desiste de correr atrás do sonho de que, apesar dos pesares, a gente, a cada dia, se escolheria novamente.”

Amém.

Comentários

Este comentário foi removido pelo autor.
Olá
Bom texto para um tema tão complexo e de dificil reconstruçao da confiança mútua quando ainda há o desejo de nova tentativa de manter a parceria
sandra disse…
Débora querida,
que beleza essa sua reflexao! Gostaria de compartir do pensamento, que agora é seu, da Lia Luft, mas nao posso. Por que a dor começa de fato, na tragica descoberta que um ou outro nao faz a mesma escolha outra vez. Mesmo apesar de tudo.
E aquela cruel e fatal descoberta incluida em: gostaria de te olhar nos olhos e descobrir que nao me enganei. Isso se torna a maior das mentiras.
e a gente nao sabe o que fazer com mais essa.

Beijo carinhoso,

Sandra
Boa reflexão, Debora. Eu já estive dos dois lados, e dói dos dois lados: uma dor doendo e uma dor doída. Melhor que não houvesse, mas, havendo, é possível recuperar e se recuperar.
Carla Dias disse…
Pois é, Debora... O amor é o mesmo, as versões são ímpares, a repetição é, na verdade, um salto de fé de que as coisas sairão como pensamos ser o melhor.Ainda assim, opto por acreditar, até que me façam desacreditar no amor e na pessoa a quem ele dedico. Acreditar é fundamental.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …