PEQUENO MANUAL ANTI-BABACA >>> Nádia Coldebella

1. Introdução explicativa super necessária

Nessa minha vida, tenho me confrontado com um certo tipo de humano que me deixa de cabelo em pé: o ser humano babaca. Não me recordo ao certo quando ouvi essa expressão pela primeira vez, mas ultimamente passei a usá-la com certa frequência em meus pensamentos. Então isso me incomoda, porque a  palavra babaca adquiriu para mim uma certa pejoratividade e eu me dei conta de que não estava muito segura do uso que faço dela.

Antes de estripar a palavra, porém, quero que o leitor entenda que, para mim, ela tem servido como um palavrão. O palavrão tem uma função psicológica bastante estudada, que é, em síntese, provocar o alívio da ansiedade e da raiva. E funciona bem. É por isso que a gente solta um quando enfia o dedinho do pé na quina do sofá.


2. Definição Nadiesca 

Abaixo, apresento a definição básica contida nos dicionários.


O próximo passo foi a busca por sinônimos. Encontrei estes - e fiz questão de fazer um leve destaque em alguns (caixa alta, letra negritada e vermelha) porque eles simplesmente explicam o fenômeno mental que vem acontecendo comigo. 

Sugiro que o leitor articule os músculos da fala e, em voz alta, com entonação de xingamento, pronuncie estas cândidas palavras. Grite as que estão em vermelho.


Muito bem, após este alívio dramático, encontrei, por motivos óbvios, minha definição:



3. Anatomia Babaquística

Como é de conhecimento geral (ou só meu), existe uma anatomia que é muito própria da condição babaquizante que mencionei a pouco. De forma didática, o tipo de babaca que me perturba pode ter os seguintes aspectos:

a) Posição social de relevância: geralmente esta posição só tem importância na cabeça dele. Ou se realmente tiver importância, haverá, também na cabeça dele, uma importância maior ainda, geralmente muito próxima a de um pop star ou de Deus.

b) Muitos amigos: este indivíduo se cercará de amigos importantes, de pessoas "da mesma estirpe", pois acredita que precisa ver os pobres mortais de cima. No entanto, muitos dos amigos não tem consciência de sua existência.

c) Piadinhas estilo tio-do-pavê: se este tipo de babaca te perguntar se é pavê ou pra comer, ele provavelmente estará falando de comer outras coisas que não seja o pavê. Isso porque se esse tipo de piada sair da boca deste ser, será cheia de duplos sentidos bem deselegantes e a vítima da gracinha será alguma mulher.

d) Humilhações disfarçadas de comentários inteligentes: uma vez que nosso ser humano babaca é cheio de certezas, de saberes e de superioridade, será de praxe se tornar ofensivo e inoportuno, utilizando-se, para a expressão do fel interior, comentários degradantes que ele acredita serem espirituosos.

e) Ideias estapafúrdias: a terra plana, por exemplo. Ou qualquer outra que manifeste conteúdo retrogrado, degradante, humilhante, xenofóbico, homofóbico, misógino, elitista, agressivo, intolerante. Não importa o que for, o babaca é cheio de crenças e certezas cujo único fundamento e função é afirmar a pretensa superioridade babaquial. (Claro que se você reclamar, é porque só sabe de mi-mi-mi).






4. Como identificar babacas

Com toda certeza, como uma psicóloga que sou, eu teria autoridade para discorrer aqui sobre as questões que levam um ser humano a procurar compensar algum tipo de falha através de um comportamento babaca. Mas não estou a fim. Não vale a pena gastar meus dedos nesse teclado para explicar algo tão sem noção. 

Mas você precisa saber que nenhum babaca faz as coisas sem querer. Ele é consciente dos seus atos. E ele se sente bem assim. É  que ele acha mesmo que é superior a você, então não vê problemas em agir como um idiota. 

Esclarecido isso, eis algumas idiotices, digo, atitudes típicas de babacas:

😐 Eles furam filas. De supermercado, banco, posto de saúde. Qualquer uma. Eles tem mais direito, lembra?
😒 Eles estacionam o carro em vagas de deficientes. Ele não é deficiente, mas é que a vaga fica mais perto de onde eles querem ir. Acho que a deficiência deles é superior a qualquer outra.
😓 Eles fingem que não conhecem os seres inferiores que o rodeiam. Quando não pode fingir, soltam: "Você sabe com quem está falando?". Ou algo do tipo.
😞São invasivos. Invadem faixa de trânsito, invadem sua intimidade, invadem suas redes sociais, invadem suas conversas.
😠Falam coisas desnecessariamente dolorosas, seja no grupo de whatsapp, seja no trabalho, seja na família. Importante é se destacar na multidão.





5. Como lidar com babacas

Minha experiência de dez anos lidando com babacas me mostra que você tem apenas três opções:

a) Evite-os. Corra deles. Desvie deles. Escolha outra rua, outro trabalho, outro mundo. Mas se não der...

b) Ignore-os. Não há lógica em discutir com um babaca. Nada são ou lúcido que você disser fará sentido para ele. Você nunca estará certo, nunca terá razão. Sempre perderá. Não vale a pena. 

c) Se não houver como seguir as opções A e B e você precisar confrontá-lo, aja como um babaca. É isso mesmo. Se tiver que descer ao nível dele, aja como um babaca.




6. Um recado

Para finalizar, se alguém, ao chegar ao final dessa singela crônica, se descobriu um babaca, não se preocupe. Gostaria de contar uma descoberta científica que pode mudar sua vida. 

Um cara, chamado Nicolau Copérnico, descobriu que O SOL É O CENTRO DO SISTEMA SOLAR.  O SOL, NÃO VOCÊ.


Humildes abraços.

_____

PARA SABER MAIS:

https://super.abril.com.br/ciencia/a-ciencia-do-palavrao/

https://www.hypeness.com.br/2019/04/documentario-questiona-a-cultura-de-ser-um-babaca-para-subir-na-empresa/



Comentários

Luiz disse…
Eita!
Muito bom!! Vamos seguindo avante com dicas interessantes.
Zoraya Cesar disse…
AHHHHHHHHHHHHHH Countess, um compêndio inestimável para carregarmos no bolso. na dúvida se estamos ou nao frente a um ser desnecessário e nocivo desses, só pegar seu pequeno manual desaforado e científico.
Albir disse…
Indispensável nestes dias o seu manual. Como máscara e álcool gel.

Postagens mais visitadas deste blog

APENAS UM RETRATO >> Sergio Geia

OK? >> Sergio Geia

CONFORTO >> whisner fraga