CÓPIA >> Paulo Meireles Barguil

Motivo de tristeza e decepção docentes é corrigir um documento cuja autoria não é a designada.


Bem sei que o conhecimento é constituído pela pessoa a partir das informações que recebe de diversas fontes, as quais precisam ser adequadamente indicadas.


A cópia nos produtos discentes sempre aconteceu, sendo mais difícil identificá-la quando manuscrita.


Não sou ingênuo: sei que, infelizmente, até professores optam pela reprodução em diferentes contextos!


Com o advento dos equipamentos digitais, houve um incremento quantitativo e qualitativo dessa fraude educacional.


Há estudantes que optam pela simples e eficiente combinação CRTL C + CTRL V.


A partir da matriz, que pode ser obtida de modo consensual ou criminoso, há quem modifique o cabeçalho ou apenas o nome.


Quem tem mais tempo, altera o tipo, o tamanho ou a cor da fonte.


Em outras situações, acontece a substituição de algumas palavras ou a inversão delas.


São singelos efeitos visuais, pois não adulteram o similar conteúdo, o qual precisa ser lido pelo(a) mestre ou por algum programa anti plágio.


Já ouvir falar de indivíduos que não corrigem os trabalhos recebidos e atribuem nota de acordo com o seguinte critério: a simpatia por quem os elaborou.


Conheço profissionais que, generosamente, distribuem indistintamente a nota máxima.


Em virtude da minha configuração genética e das interações estabelecidas ao longo da vida, eu avalio atentamente as atividades entregues por aqueles que tenho a responsabilidade de educar.


Vez ou outra, encontro algo que me faz suspirar profundamente enquanto sou visitado por vários pensamentos, seja sobre o zelo do(a) infringente no desempenho das suas atribuições laborais, seja sobre a sua ingenuidade, enquanto educando(a), em acreditar que eu não constataria a sua imitação, principalmente quando essa é tosca.


Nada mais doloroso para mim quando a falsificação é oriunda de um(a) colega de ofício, inclusive com mais idade do que eu.


Então, algo estranho acontece: a vergonha alheia ameaça se apossar de mim.


Eu, por prudência, evito o contato visual e saio correndo.


Ela que fique com sua companhia.


Já bastam meus entulhos de estimação!

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Paulo! a revolta de um coração reto é das coisas mais chocantes de se ver. Fiquei triste por vc, demais. A revolta q nao pode se manifestar ou nos aflige ou deprime. Saia correndo de perto sim. Melhor solução.
Albir disse…
Lamentável, Paulo! Principalmente por parte de quem deveria fiscalizar esse comportamento.

Postagens mais visitadas deste blog

APENAS UM RETRATO >> Sergio Geia

OK? >> Sergio Geia

CONFORTO >> whisner fraga