O DOMINGO É UM SUSPIRO >> Sergio Geia


 

Agonia, angústia. Tristeza vaga que bate, bate, bate. Dor frouxa, o tombo bobo na calçada, uma nota de blues. Bar fechado na escuridão, breu, breu, breu, bem Maracanã vazio. Canteiro sem flor, o último ônibus que passou, a rua branca de cerração. Neon na fachada que pisca, pisca, pisca, bem Rua Augusta. Melodia triste que toca no rádio, é passo que falseia, a lágrima furtiva, cheiro de azedo no ar. Bem voz do Faustão na tevê longe, domingo é epílogo, simples suspiro, chega a doer. 
 
A conversa se deu no grupo “Amigas da Vânia”, um grupo de whatsapp criado pelas amigas de minha mãe para dar uma assistência a ela em caso de necessidade, minha mãe acabara de passar por uma cirurgia no pulmão. 
 
Cidinha falou: 
 
— Para mim todos os domingos são muito chatos, com ou sem chuva. É o pior dia da semana. 
 
Vento úmido, chuva fria que cai, céu cinza. Som de motor de moto que ronca, ronca, ronca. Vigília que desassossega, noite morna, picada de inseto. Grana curta que do bolso voa, voa, voa, bem vendaval, as noites todas. Desafino de voz, um grito de gol anulado, o sino da igreja que chama pra missa. Sapato que aperta o pé, dói, dói, dói, bem cansaço de alma, alma que se esvai, sem dor. Melodia triste que toca no rádio, é passo que falseia, a lágrima furtiva, cheiro de azedo no ar. Bem voz do Faustão na tevê longe, domingo é epílogo, simples suspiro, chega a doer.
 
Então Marcos Breda falou: 
 
— O domingo é um suspiro. 
 
Era domingo, ele almoçava, estava na frente do Caio, e espiava a tarde Blade Runner derramada no playground do edifício ao lado. Caio registrou o momento em uma de suas crônicas. 
 
Laranja passada, o sono raso, a boca trêmula, o gosto da ânsia, a memória que fraqueja, a árvore que balança, a falta de sal, o silêncio triste, o sofá duro, a picada que coça, o violão sem corda, a garrafa vazia, a garganta atochada, a mosca chata, o choro de dor, o chão que afunda, a tinta que mancha, a mão que afana, o sangue que pinga, o corpo que cai, o boleto que vence, a tela em branco, o relógio que para, a luz fraca, que pisca, pisca,pisca, bem vaga-lume, depois some.
 
O domingo é um suspiro. 
 
Triste, o domingo. 
 
Hoje é domingo. 
 
 
 
P.S.: Esta crônica foi escrita no crepúsculo de um domingo.

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Como comentar essa delicadeza, essa beleza, essa preciosidade de texto, Sergio? Vou tentar teclar baixinho e devagar, como um suspiro de quem nao quer acordar o bem amado, de quem tem medo de assustar o lindo entardecer.

Se pudesse 'exigir' alguma coisa, 'exigiria' que essa fizesse parte da antologia.

Muito obrigada por esssa delicadeza. hoje é domingo. e eu suspiro.
Albir disse…
Sim, um suspiro que contagia como um bocejo, só que triste.
sergio geia disse…
Grato, meus queridos Zoraya e Albir!
Paulo Barguil disse…
Uma crônica para inspirar todos os dias!

Postagens mais visitadas deste blog

SETEMBRO DE MANHÃ >> Sergio Geia

MELANCOLIA >> whisner fraga

FEIJOADA NO SIMEÃO >> Sergio Geia