A NOVIDADE >> Sergio Geia

 


Era uma quarta-feira triste e banal. 
 
O sol já aparecera tímido às primeiras horas, havia uma corrente de vento tão fria que era quase um tapa, havia silêncio, incomum diante do vai e vem de carros e gente apressados; a manhã era estranha. 
 
Quando parei e meus olhos bateram na fachada bela, senti algo esquisito, um aperto no peito acompanhado de sensação ruim embora estivesse decidido, afinal, se antes a fruta era verde, agora estava madura; se eu demorasse mais, talvez a perdesse. 
 
Apertei a campainha e aguardei. Ao meu lado, um tio, velho tio, companheiro de todas as horas, especialmente as difíceis, esses momentos que a vida nos entrega, em contraponto às alegrias mundanas. 
 
Entramos, respirei um ar puro, bom, fino. 
 
Ouvi atentamente a explanação, depois corremos a casa toda pra conhecer o ambiente. Sala ampla, cozinha com cheirinho de comida no fogão, o quarto com a janela lateral, o banheiro, a ampla sala de tevê, o quintal ajardinado, a promessa de uma festa junina, quem sabe, bastante animada, assim que possível, tudo limpo, muito limpo, organizado, novo. 
 
Numa poltrona um sujeito dormia enrolado num cobertor; na outra, uma mulher assistia à televisão; uma outra passeava cantando pela casa. 
 
Ajustamos detalhes, informações adicionais, preço, papéis, estava decidido. 
 
Quando fecharam a porta e avancei de volta pela calçada, um sentimento bom tomou-me por si, algo me dizendo que o caminho estava traçado, e o caminho era florido e bom. 
 
Num outro dia, dei-lhe a notícia: 
 
— Uma casa nova, maior, mais bonita, com amigos e amigas, e mais gente a cuidar de você. 
 
Ela me olhou nos olhos, fundo, meu coração apertou, então respondeu: 
 
— Ah, que delícia! — e sorriu. — Adorei! Quando nós vamos mudar? — seus olhos até se encheram de água tamanha a alegria, depois ela voltou para o seu mundo. 
 
No dia seguinte não lembrará mais da novidade.
 
No derradeiro, será uma surpresa.

Comentários

Nadia Coldebella disse…
Tão lindo, tão sereno e tão triste, ao mesmo tempo... amo suas crônicas e o jeito como você pega essas coisas, que na maioria das vezes passa batido para as pessoas, e transforma em algo tão profundo, de enternecer o coração!
branco disse…
dói ! e dói saber que não existem surpresas, apesar de nos surpreendemos todos os dias. pluma no vento... retratos rasgados.
Zoraya Cesar disse…
Que beleza a gente pode encontrar na melancolia, qdo bem escrita. A gente sente sua tristeza derramando nas linhas, com suavidade, como um pôr do sol.
Força aí, amigo!
Albir disse…
Só me ocorre, como comentário, a onomatopeia de um suspiro.
Carla Dias disse…
Ah, Sergio... profundamente triste. Às vezes, cuidar de uma pessoa dói, mesmo quando é tudo o que queremos fazer.

Postagens mais visitadas deste blog

LUGARES ONDE NUNCA ESTIVE >> Carla Dias >>