O VERBO >> Albir José Inácio da Silva

 

-Seu marido foi embora, né?

- Como é que a senhora sabe? Eu ainda não falei nada.

- Iemanjá sabe tudo, minha filha.

- E o que mais diz Iemanjá?

-Iemanjá diz “trago seu homem em três dias”.

Pagou, beijou a mão da madame e saiu com o coração aos pulos. Será? Deve ser. Iemanjá não mente. Devia ter vindo antes. Tantos meses de sofrimento.

Um dia ele pegou a mala e disse vou pra São Paulo. Não teve choro, nem desmaio, nem pergunta que ele respondesse. Viu quando entrou no ônibus sem se virar. Andou como louca pelas ruas, depois foi pra casa e chorou todos os dias.

Não é que não acreditasse. É que sua desgraça era tanta que achou que não tinha jeito. Só com muita falação das comadres é que resolveu fazer a consulta. Agora era esperar. Três dias.

No primeiro dia vieram dizer que ele tinha chegado no ônibus das seis. Arrumou a casa , fez o peixe e comprou a cachaça. Ele não veio.

No segundo, soube que ele perguntou por ela. Lavou os cabelos, botou perfume, e ele não veio.

No terceiro dia, foi a rua e viu que ele comprava flores no mercado. Correu pra casa a esperá-lo. Vieram dizer que ele entrou no mar com as flores. E não voltou.

Madame não estava satisfeita. Iemanjá não costumava fazer essas coisas. Por que prometeu, se não ia entregar? Da janela, viu a menina na praia, encolhida, de frente pro mar.

Olhava as ondas sem entender. Por que, Iemanjá? Por quê? Estava infeliz, sem marido, mas tinha esperança de ele voltar. E agora? Pra que essa história de “trago seu homem em três dias?”

À noite, na feira, uma viola chorava o falecido morto pela armadilha verbal:

- No fundo ninguém conhece
os mistérios de Iemanjá
e nunca ninguém se lembra
do velho verbo tragar.


Este texto faz parte do PROJETO CRÔNICA DE UM ONTEM e foi publicado originalmente em 24/01/2011.

 

Comentários

Nadia Coldebella disse…
Como já te disse, trata-se de algo intragável para a pobre moça. Gostei desse jogo de palavras. Muito bom. Bem tragável.
Unknown disse…
Muito bacana o jogo de palavras. Boa crônica.
branco disse…
e não é que só hoje apareceu sobre sua publicação?....vim correndo...e não é que seu martelo já era de ouro há muito tempo???..valeu muito a pena ter vindo...
Zoraya Cesar disse…
O que dizer, Dom Albir? Perfeito serve? Pq nao encontro outra palavra!
Carla Dias disse…
Albir, me fez lembrar de uma canção do Kleber Albuquerque, que eu adoro. Vai ver tem algo de Iemanjá e o verbo tragar.
Se quiser conhecer: https://youtu.be/o20t6GIrm8E.
Paulo Barguil disse…
Iemanjá nem sabe o que andam falando em seu nome... ;-)
Pobre moça... Iemanjá pegou o marido pra ela! Adorei a escrita e o ritmo do texto, que me prendeu até o final.
Albir disse…
Obrigado, Nádia, Branco, Zoraya,Paulo,Carla e Alfonsina!

Postagens mais visitadas deste blog

A CORUJA >> Sergio Geia

RESGATE DO PASSADO parte 2 - UMA AVENTURA DO DETETIVE SEM NOME >> Zoraya Cesar

UMA PRETENSA TEORIA DA COISA >>> Nádia Coldebella