CASTIGO >> Paulo Meireles Barguil

Quem nunca escutou e falou (em voz alta ou baixa): "Você vai ficar de castigo!"?


Essa frase pode ser uma ameaça ou a sentença fruto de um julgamento, o qual não precisa ter respeitado o princípio do contraditório, nem ser passível de recurso.


As punições podem ser temporárias ou eternas.


As unidades de medida das primeiras são minutos, horas, dias, semanas, meses e até anos.


As demais são mais simples, pois dispensam a Matemática, sendo o exemplo mais conhecido, e que muitos creem, o que foi aplicado por Deus em Adão e Eva.


Elas também variam quanto à dimensão humana que a recebe diretamente, corporal ou emocional, pois, independentemente do destino, a pessoa é integralmente atingida.


A mão é, de longe, o principal órgão implementador da pena corporal, podendo ou não utilizar um instrumento para materializá-la: palmada, chinelada, cintada, açoitada, tapa, pedrada, murro...


Em relação à pena emocional, a língua é o mais importante arauto, mediante ofensa ou silêncio, embora não seja desprezível o poder dos olhos.


Engana-se quem acredita que somente outrem nos devasta.


São complexos os mecanismos que levam uma pessoa a desferir aflições para si mesma.


Desprovido de espaço, de tempo e de conhecimentos para desenvolver esse postulado, só me resta lhe convidar a visitar seus sentimentos, pensamentos e agimentos que boicotam a sua felicidade.


Deixo-lhe uma dica: desconfie daqueles que lhe são muito íntimos...

Comentários

Carla Dias disse…
Os castigos que dedicamos a nós mesmos costumam ser bem cruéis, não? Pode deixar que aceitei a dica. ;)
Nadia Coldebella disse…
Concordo. O pensamento é o chicote da alma, sendo empunhado pelo pior dos nossos algozes!
Só nã concordo que as mães são as primeiras a aplicar o castigo. Podem muito bem ser os pais ;) Boa reflexão, eu sou absolutamente contra castigo, mas às vezes me pego pensando que talvez fosse necessário... o pior castigo é o que nos infligimos sem saber, eu acho...
Zoraya Cesar disse…
Tive de reler, pra saber q li certo, são as mãos, Alfonsina, nao as mães kkkk.

Mas, Paulo, vc vem levantando uns questionamentos internos de maneira tão delicada! E ainda nos chama a dançar no final. E, ainda por cima, coberto de razão. Delícia!
Albir disse…
Que interessante, Paulo!
Ouvimos protestos contra todos os castigos, menos contra os autoinfligidos.

Postagens mais visitadas deste blog

A CORUJA >> Sergio Geia

RESGATE DO PASSADO parte 2 - UMA AVENTURA DO DETETIVE SEM NOME >> Zoraya Cesar

UMA PRETENSA TEORIA DA COISA >>> Nádia Coldebella