quarta-feira, 9 de maio de 2018

TALVEZ VOCÊ QUEIRA SABER >> Carla Dias >>


Água escura de rio dá medo, mas também atiça curiosidade. Há dias em que as horas têm preguiça de passar. Verdade é que ninguém diz a verdade na amplitude da sua verdade. Há sempre uma palavra engasgada, devidamente domesticada, ansiosa para soar no mundo.

Ofensor se ofende quando suas ofensas são ignoradas. Morte é coisa que faz a vida gritar dentro dos que ficam. Às vezes, partimos de quem não queremos. Partimos para onde não queremos. Partimos.

Abraço revigora o espírito. Labirintos treinam nossos sentidos. Ocorre de abismos se revelarem ótimas ferramentas de catarse. Banho quente, depois de banho de chuva, é relaxamento do qual todos deveriam provar.

Observar vista, das que se perde de vista, refresca urgências. Ninguém deseja abandono, dor de dente, coração partido. Cuidar de si é tarefa árdua, até para os indiferentes. Cuidar do outro é escolha que merece ser acolhida.

Violência sorri com seus grandes dentes de quem sabe que tem poder. Sangue esparramado na calçada comprova que a paz ainda é um dos itens das listas particulares da maioria. Uma paz que não seja frágil e debilmente benevolente. Talvez a paz que almejamos seja a justiça.

Acontece de a ausência do outro doer no corpo da gente, algo a ver com psicossomatismo. Saudade é sentimento que agonia ao senti-lo e oferece um dos alívios mais intensos. Às vezes, ela é para a vida. Não há como escoá-la. A saudade fica.

Corujas têm olhar enigmático, dos que enxergam além. Noturnas, banham-se de lua. Pirilampo é palavra iluminada. Girassóis orientam sorrisos. Há quem colecione mágoas, botões de camisa e números de telefones desativados.

Quando desejado, beijo ecoa na pele. Solidão, que parece infinita, deixa o espírito deselegante e resseca desejos. Nunca teremos Paris. Nem Ulaanbaatar. Tampouco Tel Aviv. Teremos a nós mesmos, na geografia da ocasião.

Imagem: I Lock My Door Upon Myself © Fernand Khnopff


carladias.com



Partilhar

4 comentários:

Anônimo disse...

"Pirilampo é palavra iluminada" foi dez! Que delícia ler Carla Dias. Abraços, Enio.

Analu Faria disse...

Um poema em prosa, lindo, lindo! A primeira coisa que li no dia. Tenho certeza de que terei um dia melhor só de ter lido isso. Muito bom, Carla!

Anônimo disse...

Palavras que ecoam na alma. Fantástico.

Carla Dias disse...

Enio, obrigada, de coração. Beijos!

Analu, minha cara, agradecida pela leitura. Fico feliz que meu feito tenha lhe causado alegria. Beijos!

Anônimo, obrigada. Abraços!