sexta-feira, 18 de maio de 2018

O JOGADOR - 2a PARTE >> Zoraya Cesar


Lucio nunca fora tão feliz. Conseguira a vida que pedira a Deus, mas que lhe foi dada pelo Diabo. E queria mais.

Solícito, como sempre, o Sr. Pedro Botelho fez-lhe uma proposta:

- Hoje você vai para um cassino clandestino de alto nível. Eu banco suas apostas. Crédito ilimitado. Só peço uma garantia.– E buscou algo no bolso.

Talvez influenciado pelos filmes de TV, Lucio esperou, sinceramente, ser obrigado a assinar um contrato com sangue. O homem, no entanto, pegou o celular.  

- Enviei o contrato para o seu whatsapp. Basta confirmar que aceita os termos do acordo. Veja bem, amigo, as regras me obrigam a esclarecer: este é um contrato de adesão. Não cabem ressalvas nem apelações. 

Lucio nem se preocupou em ler os termos e condições.
Nada tinha a oferecer.
O que poderia perder?
Como esperado, Lucio mal leu os termos. Que lhe importava uma barganha, com o Diabo que fosse, desde que realizasse seus desejos? O que tinha de seu? Bens? Nenhum, nada. Sua alma? Bobagem. Sua alma já estava perdida mesmo, que o Sr. Pedro Botelho fizesse bom uso dela. Se Lucio soubesse latim, falaria alea jacta est. Como não sabia, falou apenas foda-se. E clicou no quadradinho. 

Mais uma vez, a palavra do Sr. Pedro Botelho foi líquida e certa. Lucio agora jogava apenas nas melhores mesas da cidade. A excitação o tomou por completo, principalmente porque podia faltar dinheiro para tudo, menos para o jogo. Ele não comia, não dormia, não fazia sexo com Juçara (que, finalmente, concedera-lhe seus préstimos afetivos e sexuais. Não sei se por artes do Sr. Pedro Botelho ou se por amor ao dinheiro que Lucio agora ostentava). 

De repente, do nada, o dinheiro desapareceu; seu “empresário” também. E agora? Sem dinheiro, não podia apostar. Passou dias em aflição, a abstinência a consumi-lo. Dias depois, recebeu uma mensagem: "Realmente, eu merecia o céu, por conta da minha paciência. Faça o favor de cumprir a primeira cláusula do contrato. Ou vai se arrepender muito."  

Lucio apressou-se pegar o contrato. Era uma lista de afazeres que começava por pequenos delitos e ia num crescendo de crueldade e barbárie tais que ele não conseguiu ler até o final. Roubar a caixa de doações de uma Igreja; deixar um amigo na miséria; atear fogo em um abrigo de... ele vomitou.  

Depois de alguns dias, porém, Lucio sucumbiu. Precisava daquela vida de luxo e jogatinas intermináveis como o adicto precisa de sua droga. Não aguentava mais fugir de credores, não ter onde jogar e até Juçara saíra de casa. Lucio sucumbiu. 

Suando e tremendo, cumpriu o primeiro item da lista. Assim que viu as coisas voltarem ao normal, ele se sentiu estimulado a ir executando as outras tarefas, cada vez mais complexas e sórdidas. Percebendo que, por algum sortilégio, ele prosseguia impune, ganhou confiança. Até que, forçoso dizer, começou a encontrar um certo prazer na prática da crueldade. Era com olhos ávidos que procurava, no contrato, a próxima missão. 

De novo, nunca fora tão feliz. 

Até o dia em que, hospitalizado por conta de um mal-estar, descobriu que seu corpo fora invadido pelo mesmo câncer que acometera sua alma. 

Lucio tentou implorar por perdão, por uma nova chance, prometia viver em função da caridade...

O Sr. Pedro Botelho, no entanto, desfez suas esperanças. 

- Amigo, só em filmes esse negócio de pedir perdão funciona. Aqui, no mundo real, a lei do retorno é implacável. Além disso, você só está arrependido porque está com medo.

Lucio chorava, barganhava, pedia clemência. Não queria morrer. Faria qualquer coisa.

- Bem, bem, tenha calma. Vejamos, já me diverti tanto com seus crimes, que vou fazer um trato. Aposte a alma de Juçara comigo. Se perder, morre. Se ganhar, Juçara morre. Que tal?

Leitor Amigo, não vou mentir. Lucio não hesitou. Não lhe passou pela cabeça que era um jogador medíocre nem que seu oponente era o próprio Senhor das Trapaças. Muito menos que jogava contra a vida de outra pessoa. 

A partida foi demorada e tensa. Lucio jogava por sua vida. O Diabo jogava por... quem sabe? Sei apenas que, contrariando toda a lógica, Lucio ganhou o jogo..
Lucio ganhou a partida com um incrível
Royal Flush.
Mas, não tendo lido os termos do contrato,
perdeu o jogo.

Se tivesse forças, pularia de alegria, sem se importar, nem por um átimo, que outra pessoa morreria em seu lugar. O Sr. Pedro Botelho também parecia contente, pois gargalhava descontroladamente. Pegou, quase carinhosamente, a mão de Lucio:

- Não me canso de admirar a estupidez humana. Amigo, o bom jogador não joga com quem lhe é superior. E nunca, jamais, aposta o que não tem. Você viu filmes demais. Não se pode entregar a alma alheia. – Ria de se acabar.

- Mas eu ganhei, você disse que Juçara morreria em meu lugar. – Lucio gritava.

- Você não entendeu. Não lhe prometi vida eterna. Não tenho esse poder. Você não morrerá agora. Só isso. Porque, amigo, a morte é para todos. Juçara vai morrer, sim, mas no tempo dela. Como você tentou trapacear, apostando o que não tinha, sofrerá penalidade. É a regra. 

Lucio não acreditava. Arranhava o próprio corpo, em desespero. 

- Por quê? Meu Deus, por quê?

O Sr. Pedro Botelho sorriu, educadamente.

- Deus não tem nada a ver com isso, amigo. Trato é trato. Veja – ele colocou esquisitos óculos de leitura e leu, compenetradamente: “Se o contratante apostar algo que não lhe pertence, perde todos os direitos à salvação de seu corpo e alma”

- Assim, não lamento lhe dizer: você vai viver muito, cada vez mais doente. Quando seu corpo definhar, seu espírito enlouquecer e não sobrar mais que um espectro do que um dia foi humano, só então morrerá. Você não vai para o céu, já me informaram. Nem, por tempos incontáveis, para o inferno. Sua alma rota vai penar na Terra, sempre ansiando por uma forma física, sempre desesperado pelo sono eterno, sempre assombrado pelos seus crimes. 

Lucio olhava para ele, paralisado de pânico. O Sr. Pedro Botelho se levantou.

- Foi um acordo justo. Não te forcei a nada.Você teve a vida que pediu e eu consegui o que queria: vício, maldade, sofrimento, dor. É disso que me alimento. E eu não sou sôfrego, sabe? Tenho zilhões de almas como a sua. E a eternidade para esperar por mais uma...

Lucio gritou. Mas ninguém ouviu. 

Pessoal, entro de férias. Volto em meados de junho e, prometo, com uma história levezinha.

Foto: david-k. Pinterest
https://pixabay.com/en/poker-royal-flush-card-game-win-2198117/


Partilhar

6 comentários:

Unknown disse...

Nunca mais vou clicar no maldito botaozinho concordando com os termos e condições sem ler antes...kkk

Marcio disse...

Não passou pela cabeça do Lúcio tentar impugnar o contrato em um Juizado Especial, alegando que as cláusulas eram exorbitantes?
Essa gente não acredita nas "instituições democráticas" brasileiras que - segundo se lê no noticiário - funcionam a contento, apesar de toda crise que nos permeia e mesmo define?
E mais: acho que o Lúcio deveria incluir a Zoraya como ré nessa demanda, junto com Pedro Botelho. As cláusulas abusivas só iam aparecendo à medida em que o leitor ia lendo o texto.
Só resta uma conclusão: Zoraya e Pedro Botelho agiram em concluio, em detrimento do Lúcio!

Ana Luzia disse...

você é terrível! que cada um tenha aquilo que merece, né?

Anônimo disse...

Aqui se faz , aqui se paga. Ate o diabo e justo.

Analu Faria disse...

"Se Lucio soubesse latim, falaria alea jacta est. Como não sabia, falou apenas foda-se. E clicou no quadradinho." Hahahaha. Adorei!!!

Anônimo disse...

Contrato leonino e abusivo! o Senhor das Trapaças não respeita o CDC ... hahaha