Pular para o conteúdo principal

CENA DE CINEMA >> Carla Dias >>


O olhar se bandeou para a cena acontecendo no outro lado da rua. Ele logo pensou em como seria levá-la para as telas de cinema. Qual seria o tom que usaria? Como descreveria o que seu olhar alcançava assim, na rotina? Qual seria a história imaginada para ela?

Decidiu que seria filme em preto e branco, com roteiro muito bem trabalhado e poucos efeitos. As cenas seriam cuidadosamente conectadas por transições sutis. Os atores seriam dirigidos de jeito em que a linguagem corporal diria mais do que um longo diálogo.

Não que ele não preze pelas palavras. Na verdade, construiria diálogos longos, talvez mais longos do que muitos costumam apreciar. Mas a eles dedicaria pausas muito bem colocadas, pontuadas por uma coreografia de gestos que lhe dessem respaldo.

Gestos. Os movimentos. Afinal, é uma cena de cinema e o olhar precisa mergulhar nela. E a sonoplastia: os pés se arrastando pela calçada, a água descendo quente e suja pela garganta, ainda assim, matando sede. Carros, burburinho, o choro de uma criança faminta e cansada. Alguém cantarolando o canto do pássaro.

Pensa na música. Violão? Violão... Música melancólica para cena descabida. Cena que revela as mazelas humanas, explora cenário inquietante, embrenha-se em realidade indigesta.

A música levaria os espectadores pela alma. Deslizaria pelos sentidos deles, que, ao encararem a tela escura, onde vai surgindo um isso e um aquilo, formando essa cena que ele observa agora.

13h58.

Escolheria os atores com esmero. As entrevistas se dariam em um pequeno café, perto de sua casa, e seria uma longa conversa sobre tudo, exceto cinema. O teste seria eles sobreviverem à curiosidade dele. A mesma que não permite que ele desvie os olhos. Para que olhar?  Cena... Não de cinema, mas de realidade leviana.

A mãe tenta acalmar a criança, mas ela não para de chorar a fome. Empanturrada de desalento, a mulher abraça sua cria, como se prometesse um futuro menos cruel, onde o quarto da sua casa não seja na calçada de avenida movimentada, onde sua vida fosse observada com indiferença. Então, ela desnuda o seio, onde a fome da criança é aliviada. Ele consegue ler no olhar dela: até quando?

O homem ao lado dele comenta “que pouca vergonha é essa. Onde já se viu botar o peito pra fora na rua? Só sabe fazer filho mesmo!”.

É que na cabeça dele, esse filme é protagonizado pela esperança. A cena que o outro sujeito assiste é diferente da que ele assiste. Ele enxerga a lei da sobrevivência aos berros, assustando uma tímida esperança. O outro vê a indelicadeza de uma nudez que em nada tem a ver com o desejo dele.

Música aumentando aos poucos, tomando conta da cena. Qual história ele contaria? Quais seriam os nomes desses personagens? Onde seria a rua deles? Qual seria a fome deles?

O semáforo sinaliza em verde. Ele atravessa a rua, refletindo sobre a cena assistida ao vivo e em dores.

Imagem: Bodegón mitificado © Angel Planells


carladias.com

Comentários

Analu Faria disse…
Sensacional! Gostei muito de "música melancólica para cena descabida" e "ao vivo e em dores".

Carla Dias disse…
Obrigada, Analu!
Beijo. :)
Francisco disse…
Venho sempre aqui garimpar inspiração. Muito bom.
Carla Dias disse…
Obrigada, Francisco! Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …