Pular para o conteúdo principal

O APRENDIZ - 1a parte >> Zoraya Cesar

A idade era indefinível; o sexo, também. Se olhos humanos conseguissem vê-lo, porém, diriam tratar-se de um adolescente. Um adolescente de beleza etérea e compridos cabelos vermelhos.

Corria, o aspecto sisudo e compenetrado incondizente com alguém tão jovem. Parecia um efebo ateniense recém-saído do ginásio. Usava túnica branca e, nos pés descalços, viam-se pequenas asas, inertes e ainda inúteis. Não levava qualquer espécie de arma; apenas, colado à cintura, algo que parecia uma bola de gude transparente, por onde se viam fumaças e nuvens em constante movimento; a esfera vibrava e tremia de vez em quando, reverberando no corpo astral do jovem. Nesses momentos, ele passava sua fina mão sobre ela, acalmando-a.

A Esfera. A Esfera do Longínquo Dia, que deveria ser entregue diretamente nas mãos do Guardião das Magias Azuis. 

Não era, decerto, sua primeira missão. Mas era, sem dúvida, a mais importante até então. Uma missão crucial para uma das Grandes Batalhas do Universo Estendido sobre a Terra debaixo do Céu, uma missão que, se bem sucedida, faria com que suas asas podais crescessem, permitindo o voo. E seu cabelo encurtaria, significando que o jovem aprendiz subira na hierarquia. Novas e mais arriscadas missões lhe seriam dadas. E, mais importante que tudo, como seu Mestre-Treinador lhe ensinara: significaria que ele voltara vivo - essa, sempre, a mais importante de todas as missões.

De repente, ele parou. Chegara ao final da Zona de Proteção Efêmera, na fronteira do Areal da Morte Infindável. 

A partir dali, não haveria como retroceder, e ele estaria, definitivamente, por conta própria. Ele e a Esfera; ele e sua Missão. Hesitou. Dizer que o jovem Aprendiz não se sentiu inseguro seria mentira. Não podia, no entanto, demorar-se muito por ali. A Zona de Proteção Efêmera não tinha esse nome à toa. Seu escudo energético abria e fechava subitamente, fazendo com que, a qualquer momento, peregrinos, caçadores, guerreiros, quem quer que ali parasse por algum tempo ficasse desprotegido, a descoberto – para amigos ou inimigos. Você piscava os olhos e a última coisa que via eram as garras de uma Hiena Voadora sobre sua cabeça. Não. Ele não podia demorar ali.

Passou a mão pela Esfera, aquietando-a. Concentrou-se. Entrou, rapidamente, em meditação profunda, a fim de despertar sua Haragei, à altura do Segundo Chacra. Lembrou-se do duro treinamento, das árduas lições, da confiança que o Mestre-Tutor sempre depositara nele... O jovem Angcf era um Aprendiz valoroso e fiel.

Deu o primeiro passo.

Imediatamente sentiu os grãos da areia verde e viscosa se alvoroçarem, pressentindo comida, e, maravilha das maravilhas, comida vinda da Luz, que os alimentaria por eras intermináveis. Os grãos tentavam grudar na aura da presa para dragá-la, lenta e inexoravelmente, rumo ao Poço sem Fundo, onde sugariam sua energia vital muito, muito aos poucos. Só havia uma maneira de evitar esse fim desairoso: era correr sem sentir medo, correr sem parar e com o coração valente, sem pensar em nada que não nas Melodias das Altas Esferas. Um femtossegundo de medo e tudo estaria perdido. Poucos se arriscavam a passar no Areal da Morte Infindável. Menos ainda sobreviviam.

(Só muito desespero justificava sua Legião tê-lo mandado passar por ali. O desespero, infelizmente, era justificável.)

Angcf correu, intimorato, pleno da certeza de que não falharia no primeiro desafio. Ainda teria muitos outros a enfrentar e queria enfrentá-los todos, ver suas asas crescerem e voar, sentir seu cabelo encurtar e receber missões cada vez mais importantes. Não, ele não falharia.

Todo o treinamento, todo o sacrifício e abnegação, tudo valera. Pois Angcf conseguiu atravessar ileso o Areal da Morte Infindável – mas não incólume. Nenhum ser passa por esse tipo de prova e permanece o mesmo. Ainda mais um Aprendiz. Angcf agora trazia nas pernas profundas marcas verdes, onde a areia tentara agarrá-lo. Indeléveis, as marcas seriam, para sempre, a prova visível de que ele era um sobrevivente, um dos Valentes. E saber disso o fortaleceu indizivelmente. 

As Rochas do Olvido eram
ideais para o descanso e a cura.
Mas podiam ser o último repouso
para quem não respeitasse
o tempo de permanência.
Ainda assim, escondido nas Rochas do Olvido, tremia, entre assustado e orgulhoso. Não fora uma tarefa fácil, e a próxima seria mais difícil. A próxima? Essa agora já era perigosa o bastante. 

As Rochas do Olvido eram ideais para descansar dos perigos e da exaustão de batalhas e travessias. As pedras tinham particularidades que induziam ao relaxamento, à paz, ao refrigério para as feridas do corpo e do espírito. Qualquer um que ali restasse, saía revigorado. Ou não saía. Se o desavisado se descuidasse, e ficasse além do tempo certo, sua mente começava a vagar, uma modorra tomava conta de seu corpo e ele começava a se esquecer da realidade e a sonhar acordado. Para sempre. 

Angcf, alertado muitas vezes em seu treinamento, e fortalecido depois da travessia, não se deixou cair na armadilha do Olvido. Descansou apenas o tempo suficiente, levantou-se e preparou-se para o desafio que sempre temera, desde que fizera sua Escolha de Caminho, há tantos e incalculáveis éons. 

Passar pelo Pântano dos Anjos Distorcidos. Onde seu amigo Ultkt sucumbira. 

Continua dia 11 de agosto a 2a e última parte.

Foto: Pexels 9181 in Pixabay


Comentários

Ana Luzia disse…
A-D-O-R-E-I! Amo essa realidade paralela criada dos sonhos e das fantasias. acho que não resistiria às Rochas do Olvido!

Carla Dias disse…
Fantasia!
Muito bacana, mas você vai fazer uma escorpiana sofrer à espera da continuação. :)
Anônimo disse…
Uau! é uma saga? isso dá um romance ...
Cristiana Moura disse…
Meu Deus, quero cochilar nas entrelinhas de O APRENDIZ.
Talvez não, já é um reflexo de cochilo este mundo onírico adentrando-me a vigília.
💛💜💛
Anônimo disse…
Tomara q vire uma trilogia!!!!
Zoraya Cesar disse…
Pessoal, obrigada!
Ana - não, por favor, não vacile quanto perto das Rochas do Olvido. Elas apagam também nossa memória afetiva!

Carla - hahahah, sagitarianos tb sofrem desse mal.

Cris - Mulher, você é poética até na hora de comentar! Linda.

Anônimos - talvez já esteja no forno. Se Angcf escapar, claro...
Analu Faria disse…
Gostei!!! Chega logo, dia 11!
albir silva disse…
Vou entrando aí por esses seus mundos, entre apavorado e fascinado, vou em frente.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …