Pular para o conteúdo principal

CORAGEM! EU ESTOU AQUI >> Albir José Inácio da Silva

Cresceram juntos, mais que irmãos. Nunca pararam pra combinar coisa alguma, mas a sobrevivência impunha a sociedade. Fazia cada um o que sabia no negócio de porcos. Zé do Porco matava porco e Magrelo fazia contas e negócios.

Zé do Porco matava porco desde que se lembra. Como seu pai e, talvez, seu avô, mas não tem certeza. Memória, aliás, ele não tem muita, de nada. Nada dessas coisas de lembrar, pensar,  resolver. Sabia ir vivendo, forte como um touro. Gostava de trabalhar, de comer e de Nalva.

Nalva namorava Zé do Porco há muito tempo, meio desesperançada porque ele era Zé do Porco.

Magrelo era magrelo mesmo. Seco e ágil, não gostava de trabalho duro, mas era manhoso na barganha e nas contas. Fazia, segundo ele mesmo, milagre nas contas.

A questão é que não tinham porco pra matar. Alugavam o trabalho do Zé quando alguém precisava. Mas quem tinha porco matava seu próprio porco. Ficavam na dependência de algum idoso ou viúva que precisasse.

Foi Nalva que teve a ideia, Magrelo gostou, e Zé do Porco não queria.

- Não gosto de cidade! E não quero ficar longe de tu, Nalva.

Mas a coisa estava mesmo ruim. Ninguém matava porco, ninguém vendia porco porque ninguém comprava porco. Comprava-se fubá, farinha, feijão, ovo - quando muito. Pra isso que tomaram o governo? – perguntava-se.

Zé acabou concordando quando Nalva falou que ia junto. Reuniram as economias, e Magrelo partiu na frente pra arrumar lugar. Depois foram Zé, Nalva e as trouxas que pegaram ônibus pro Rio de Janeiro. Alugaram uma casa no subúrbio distante, com um quintal pra Zé do Porco trabalhar.

E Zé trabalhou como nunca antes em sua vida de homem que gostava de trabalhar. Raramente o porco era entregue em sua casa. Procurando preços melhores, Magrelo comprava porcos distantes e sem entrega. Ia o Zé buscar porco nas costas.

Também não pôde mais matar porco no quintal. Os bichos guinchavam muito alto na hora final, de madrugada, e os vizinhos ameaçaram denunciar. Agora Zé carregava porco nas costas até uma clareira afastada, matava o porco, e depois trazia de volta em sacos que pesavam muitas arrobas. Às vezes já era noite quando terminava de cortar a carne que seria entregue no dia seguinte.

E a entrega também era ele que fazia. Magrelo era franzino, não aguentava peso e além disso estava sempre envolvido em negociações, compras e vendas. Mas Zé do porco não reclamava. Não faltava trabalho, então tudo estava bom.

Magrelo comprou umas roupas porque precisava tratar com as pessoas, os comerciantes, os fazendeiros, e não podia se apresentar de qualquer jeito. Deu dinheiro pra Nalva também comprar porque “sabe como é mulher, né?”. Zé disse que pra ele não precisava:

- Só uso roupa de trabalho, suja de sangue, qualquer pano velho serve. Gasta dinheiro com isso não.

Zé do Porco pensou que estava tudo bem. Magrelo não prestava contas porque Zé nunca gostou, não entendia, cansava e dizia pra fazer o que precisasse. Por isso ficou surpreso com a conversa de Magrelo.

 - As coisas tão ruins, Zé. Dinheiro só dá pra pagar, sobra nada. O porco em pé tá muito caro e, na hora de vender, não querem pagar muito. Os frigoríficos vendem mais barato e com documentos, certificados.


(2ª e última parte em 24 de julho)

Comentários

Carla Dias disse…
Ah, mas que esperar é duro... :(
O que será que será desse trio?
Zoraya Cesar disse…
ai ai ai, Albir, vem tragédia por aí! Fora a maldade de nos fazer esperar!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …