Pular para o conteúdo principal

NA PADARIA >> Sergio Geia

 
 

Ubatuba
Esquina da Hans Staden com a dr. Esteves da Silva
Integrále 

Degustando meio papaia, doce e gelado, as conversas animadas de mais um domingo de sol vão chegando aos pedaços e sendo processadas dentro de mim. Sei que você pensa: “que bisbilhoteiro!”, mas não sou. Elas simplesmente chegam, e eu as recebo de bom grado. Pra lhe ser mais exato, poucas delas chegam completas, me permitindo identificar o encadeamento e o sentido. Da maioria mesmo, o que me chega são retalhos de conversas, nem por isso desinteressantes.
Uma mulher: “Ele não para!”
Um homem: “Quem não para?”
A mulher: “Você!” Ela completa: “Ele chegou de viagem e subiu dezessete andares pela escada. Eu falo pra ele sossegar, mas não adianta. Já falei que nessa idade é preciso ter cuidado. Ele é hiperativo”.
Minha vontade é dar uma espiada, encarar o casal, mas resisto.
O homem: “Aquele muro, ao lado da Dutra, é você quem está fazendo?”
Outro homem entra na conversa: “O muro? Sim! Eu falei pro cara pensar na ideia de umas lojinhas. Tô fazendo o projeto, não me custa nada. Agora ele não tem capital, mas deixa o projeto guardado, lá na frente ele faz. Às vezes eu faço isso, dou um toque ao cliente, alimento sonhos”.
Sinto que o arquiteto e o casal se levantam e seguem na direção do caixa.
Continuo no meu papaia, doce e já não tão gelado, as conversas familiares de mais um domingo ensolarado e preguiçoso chegando aos pedaços no ouvido.
Uma mulher: “Olha o gatinho dormindo na cadeira!”
Uma criança: “Eu quero ir, pai! Deixa eu ir!”
O pai: “Não, agora não. Depois. Agora vamos tomar o café.”
A criança: “Eu não quero!”
E estrebucha.
A mulher (agora eu dou uma espiada: é uma idosa que deve ser a mãe de um e a sogra de outro), diz pro homem: “Chá de hortelã.”
A moça diz pro garçom: “Dois pães com manteiga, um achocolatado quente...”
A criança: “Eu quero Coca-cola!”
A mãe responde: “Coca-cola agora não! Você vai tomar chocolate quente.”
E prossegue: “Suco de laranja com goiaba, dois cappuccinos pequenos, dois papaias, uma porção de requeijão, e chá de hortelã para a dona Margarida.”
A sogra, eu penso.
Meu papaia no fim, me chega um retalho de conversa amorosa de um jovem casal, duas laranjas verdes.
A menina: “Eu adoro damasco.”
O menino: “Eu adoro você.”
A menina: “Mentiroso.”
Já quase me levantando pra acertar a conta e correr ao supermercado — preciso comprar o macarrão, a carne moída, o queijo ralado e o molho de tomate pra noite —, um último naco de conversa me invade os ouvidos.
A voz é de uma mulher.
Ela: “Mas que tanto você fica aí nesse celular?”
Ele: “Tô postando! Espera.”
Ela: “Postando o quê?”
Ele: “Espera um pouco”.
Olho de lado, e agora vejo que ele mostra o celular pra ela.
Ela: “Isso?”
Ele: “Por quê? Você não concorda?”
Ela: “Deixa eu pensar”.
Depois lê, em voz alta: “#Fora Temer, #Fora Lula, #Fora Alckmin, #Fora FHC, #Fora Maia, #Fora Cabral, #Fora todos, pois não me representam. #Diretas já!”
Ele: “O que você achou?” 
Ela: “Meu Deus! Numa manhã linda dessas e você pensando em política? Deixa disso, querido!”
Ele, desenxabido, não responde.
No colo de uma mãe, vejo um bebê dormindo, alheio a política, amores e projetos de construção.
Levanto e saio, tentando manter na mente a imagem doce do bebê. 

Ilustração: http://padariaintegrale.com.br

Comentários

Cristiana Moura disse…
Ow... O bebê 💛 ...
Cristiana Moura disse…
Ah... também adoro as conversas que chegam... ;)
Zoraya Cesar disse…
Característica dos grandes cronistas: fazer um baita texto a partir de fiapos de conversa. E ainda terminar com fecho de ouro.
sergio geia disse…
Cris, Zoraya, vocês são lindas!
Analu Faria disse…
Adorei, Sérgio. Também adoro ouvir pedaços e/ou conversas alheias... quero dizer, adoro quando elas me chegam ;)
sergio geia disse…
Coisa de cronista não, Analu? Adoramos esses fiapos de conversas rsrs.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …