terça-feira, 27 de setembro de 2016

QUEM É BOM? >> Clara Braga

Em uma sala de reuniões, fechada a sete chaves, os chefes discutem sobre o rendimento dos funcionários. No geral, estão indo todos muito bem, o trabalho está sendo entregue dentro do prazo e a relação entre os funcionários é muito saudável. E quem se destaca? Ah, com certeza quem se destaca é o fulaninho que sempre chega na hora e ainda fica sempre além do seu tempo, é impressionante o quanto ele é esforçado, sempre o último a sair!

Em um outro local de trabalho, aquele cara leva uma bronca, afinal, como ele não consegue seguir o exemplo do seu outro colega? Ele vira noites e noites trabalhando, podemos sempre contar com ele, se ligarmos de madrugada ele vai nos atender e ajudar a resolver o problema.

Na escola o pai exalta o filho para seus professores: ele tirou essas notas pois é muito esforçado, eu mesmo estudei com ele, falei que não admitia menos de 9,0, não deixei nem ele ir para o aniversário da colega que era para estudar e ser o melhor da turma.

Aquelas outras duas tinham acabado de se conhecer, enquanto conversavam sobre seus empregos, uma delas chegou à seguinte conclusão: o trabalho da outra não é mal remunerado nem desvalorizado, ela ganha o que merece por um trabalho que não precisa de plantão. Já pensou se ela precisasse ficar 24h acordada? Ela não sabe o que é esse desgaste, só vai lá, cumpre o horário e volta pra casa.

Na sala de aula o aluno desabafa com a professora: meus pais não querem que eu seja músico, viver de tocar na noite não é vida, voltar tarde da casa de show e acordar tarde é coisa de quem não tem mais o que fazer.

Até quando o mais valorizado vai ser aquele que faz sempre além do que deveria? 

Se eu fosse chefe por um dia, só contrataria aquelas pessoas que sempre guardam um tempo do dia para fazerem o que elas gostam, independente de gostarem ou não do trabalho, todos merecem um tempo para se dedicarem para si. 


Partilhar

2 comentários:

Ana Braga disse...

Magistral!

Rafael Vespasiano disse...

Realmente, não abro mão de um filme e um livro numa semana, e uma saída no fim de semana, nem por isso sou menos que qualquer um, como ninguém o é. tod@s nós somos iguais inclusive perante a constituição do brasil e do mundo, ou era para ser...

sou professor 24 h do meu dia por opção e disso não abro mão

tod@s somos importantes para o mundo humanidade, ninguém, muito menos um governo deve desvaloriza ninguém!

parabéns, pela atualidade da crônica, Clara Braga!