Pular para o conteúdo principal

GÊMEOS BIVITELINOS >> Paulo Meireles Barguil


Mendell era jardineiro e não cozinheiro, pois, ao invés das suas pesquisas sobre plantas híbridas, teríamos herdado algumas receitas de sopas e saladas.
 
Não estou dizendo, esclareço logo, que aquelas são mais importantes do que essas.
 
A relevância de umas e de outras é proporcional, direta ou inversamente, aos afetos do sujeito degustador, motivo pelo qual, cada vez mais, avalio como sensato reconhecê-los e respeitá-los.
 
Enquanto Ciência, a Genética, derivada do vocábulo grego geno, que significa fazer nascer, é oriunda do início do século XX, sendo Mendel considerado seu pai.
 
A mãe, até hoje, não foi noticiada...
 
Durante séculos, a Humanidade, de forma intuitiva, envidou esforços para melhorar plantas e animais de acordo com suas necessidades.
 
Mendel sugeriu que as características das plantas decorrem de uma dupla de elementos, nomeados, atualmente, de genes.
 
Não me alongarei nessas considerações, seja porque são escassos meus conhecimentos nessa seara, seja porque sua paciência para tais assuntos pode ser rala.
 
Mais sensato, pois, que eu siga, sem maiores delongas, ao que me interessa.
 
Cada ser é único, sabemos, mas aqueles que nascem na mesma ocasião e frutos da mesma mãe são nomeados de gêmeos, os quais podem ser uni ou bivitelinos.
 
Enquanto os primeiros se originam dos mesmos óvulo e espermatozoide, os segundos decorrem de uma dupla de cada.
 
Nessa última categoria, estão minhas recentes invenções, as quais são frutos do meu desejo de que o ensino e a aprendizagem da Matemática aconteçam de modo mais íntegro para todos os envolvidos nos referidos processos, seja fora ou dentro da escola.
 
       
 
O Fiplan é um conjunto com sessenta peças plastificadas de figuras planas, que se diferenciam por três atributos: formato (círculo, triângulo, quadrado e retângulo), cor (amarelo, vermelho e azul) e tamanho (muito pequeno, pequeno, médio, grande e muito grande). 


 O Flex é um baralho com setenta e cinco cartas: cinquenta comuns e vinte e cinco especiais. As cartas comuns foram divididas em cinco naipes: quatro com as figuras planas básicas (círculo, triângulo, quadrado e retângulo) e um sem figura plana. Cada naipe tem 10 cartas, com numerais de 0 a 9, expressos com algarismos, letras e figuras planas coloridas. A diversidade de cartas do Flex possibilita vários jogos, propiciando diversão para pessoas de qualquer idade.


Se quiser conhecê-los um pouco mais, clique aqui.
 
Quanto ao futuro deles, repouso na poesia de Gibran:
 
"Vossos filhos não são vossos filhos.
 
 São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
 
 Vêm através de vós, mas não de vós.
 
 [...]
 
 Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
 
 O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
 
 Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …