Pular para o conteúdo principal

BOA FLEXIBILIDADE PARA VOCÊ >> Carla Dias >>

Lembro-me de um documentário que assisti sobre as pontes mais suntuosas do mundo. Fiquei impressionada com toda tecnologia aplicada nelas. Falo de antes da ponte da China, aquela de vidro, na qual jamais colocaria os meus pés, pois tenho um medo ferrenho de altura. E também certa fascinação, mas não o suficiente para me lançar em tal aventura.

A imagem que me deixou mais perplexa, no tal documentário, foi ver uma ponte de concreto dançar a valsa do vento. Havia tanta flexibilidade nela. Senti um misto de fascinação e terror. Como pode algo tão seguro, tão pesado, tão bem fixado, render-se dessa fora ao vento?

Sim, eu assisti ao documentário e tive acesso às explicações técnicas sobre como construir pontes capazes de suportar a força do vento, inclusive ventos capazes de balançar pontes de concreto como se elas fossem a namoradeira da varanda.  Ainda assim, impressionei-me de forma que não tem volta. Ali eu me dei conta de que ser flexível é uma questão de sobrevivência.

Todas as vezes em que me apego à intransigência, em que percebo uma relutância aguçada em compreender o que me dizem, eu me lembro daquela ponte. Para mim, ela se tornou uma metáfora a respeito da flexibilidade necessária para aceitar a possibilidade de eu estar enganada sobre aquilo que defendo, sobre as pessoas que evito e também às quais dedico admiração e afeto.

Eu não acredito no definitivo, quando se trata de escolhas, opiniões. Nesse ponto, sou bem parecida com aquela ponte. Venho construindo a mim para aceitar que, às vezes, os ventos vêm mais fortes do que eu esperava, e eles vão me sacudir até eu entender que não há como me manter estática na crença, nas buscas, no medo.

Posso manter minhas convicções, mas a flexibilidade vem do fato de eu compreender que nem sempre a minha será a melhor escolha. Mora também aí a oportunidade de eu viver experiências que minhas certezas minavam.

O entendimento sobre si e a aceitação de que o mundo não existe para o nosso bel-prazer pode abrir nossa mente para algo melhor.

Hoje, no dia em que comemoramos a Independência do Brasil, desejo que nosso país se recupere da necessidade de poucos, que na busca por poder e dinheiro, limitam as possibilidades de o povo brasileiro andar para frente.

O que a flexibilidade das pontes de concreto tem a ver com isso?

Desejo que nós, os cidadãos desse Brasil, possamos ser flexíveis no trato com o outro, permitindo mais esclarecimentos e menos desaforos; e que possamos nos unir no que diz respeito a todos nós, não somente a alguns. Que em época de ventos fortes, possamos resistir à danosa necessidade de desistir do que nos desafia a mudar, não apenas politicamente, mas na nossa humanidade.

Desejo que possamos declarar independência dos algozes disfarçados de benfeitores, ao reconhecermos a fragilidade de suas propostas, as armadilhas em suas promessas. E ao reconhecermos que a união entre as pessoas, em busca de um mesmo objetivo, é muito mais forte que ventos que balançam pontes de concreto.

Boa flexibilidade para você.

Boa independência para você.

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
Toda poeta linda é independente, Carla! Qenho construindo a mim para aceitar que, às vezes, os ventos vêm mais fortes do que eu esperava, e eles vão me sacudir até eu entender que não há como me manter estática na crença, nas buscas, no medo.", Carla Dias, isso é tão você! Tudo lindo, como sempre
Carla Dias disse…
Poxa, Zoraya, nem sei mais como agradecê-la pelas gentilezas. Já virou buquê... Buquê de gentilezas. Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …