Pular para o conteúdo principal

AOS GRITOS >> Carla Dias >>

Comecei esta crônica escrevendo sobre como me sinto em relação ao mundo. Então, perguntei-me a quem isso interessaria? Problema meu se acho que a maioria de nós está possuída pela ideia de que quem grita mais alto é quem ganha. E que, depois de me lembrar disso, só consigo questionar: ganha o quê?

Essa pergunta vem me assombrando.

Então, tentei escrever um conto romântico, para ver se lançava boas vibrações para os apaixonados e o na fila do apaixonamento. Mas daí que a história embarcou no suspense, embrenhou-se na ginástica intelectual necessária para se comunicar com intelectuais que não se conformam com a mania de alguns (incluo-me nessa) de perguntar o motivo disso e daquilo, como se fossem crianças aprendendo significados.

Por quê?
Por quê?
Por quê?

Eles não gostam que interrompam seu momento de escutar a si falar sobre a vida do outro a partir do próprio ponto de vista, independente se o outro, que audácia, seja outro e pense diferente.

Tentei, então, um texto mais amistoso e que, ao mesmo tempo, oferecesse algo positivo. Daí que me empolguei escrevendo sobre aquele filme que eu adorei. Cinco minutos resenhando a respeito, dei-me conta de que aquele filme é danado de bom, mas também me faz lembrar de que a maioria de nós é péssimo ouvinte.

Moro em um prédio, em cima de um bar. Às vezes, fica impossível não escutar a conversa dos clientes de lá. Depois de determinada hora – e muitas doses de bebida preferida –, eles começam a esgoelar. É uma briga para um falar mais alto que o outro. As conversas que já escutei vão das mais engraçadas às mais cabeludas. Nunca olho pela janela para ver que cara tem a história. Mas a verdade é que, quando os envolvidos na conversa gritam uns com os outros, buscando aquele prêmio que ainda não sei qual é, quem realmente escuta é quem tem nada a ver com a história, ou seja, para quem o entendimento se torna apenas uma torcida, porque é melhor estar em paz do que em uma luta sem fim pelo tal prêmio misterioso.

Eu comecei esta crônica tentando contar uma história, mas hoje não vai dar. Minha cabeça está barulhenta e meu coração apertado. É gente gritando na rua, no supermercado, na escola, dentro de casa. Gritando porque está insatisfeito, sentindo-se pressionado, lesado, porque deseja mais do que já tem, porque acredita que merece mais do que o outro tem. É gente gritando por questões legítimas e há quem grite por medo de ter de lidar com a diferença. Há quem grite porque o grito, quando muito bem desferido, é ótima fonte de intimidação. A ironia é que ninguém escuta o outro ou a si mesmo.

Como disse o escritor: muito barulho por nada.

Penso como seria se as pessoas parassem de gritar umas com as outras. Não me refiro a pararmos de lutar pelo o que acreditamos e pelo justo, mas falarmos e escutarmos; contestarmos sem ofender, verbalizarmos sem medo de sermos interpretados às avessas. Atuarmos como ouvintes e enunciadores. Assim, provavelmente conseguiríamos algo que anda em falta. Compreenderíamos que, diferente do que pensamos, por nos tratarmos somente aos berros, há muito no qual concordamos. Há muito que poderíamos melhorar apenas parando de tentar impor nossas versões dos fatos e, juntos, procurarmos resoluções.

Não é tristemente irônico? Quando podemos dizer o que nos fere, somos calados pela necessidade de gritar mais alto, porque quem grita mais alto cala aos outros. Infelizmente, quem grita mais alto, provavelmente vai acabar em uma bela sala vazia.

carladias.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …