Pular para o conteúdo principal

MANIFESTO SOBRE INQUIETAÇÕES >> Carla Dias >>


Eu não durmo sem verificar se os chinelos não estão virados. Disseram-me que, se deixá-los assim, a mãe morre. E olha que acreditei nisso e tanto que, mesmo depois de adulta, e consciente de que todas as mães estão a salvo do viramento de chinelos, continuo a desvirá-los, e não somente os meus. Não posso ver chinelos virados que vou logo salvando a vida de mães alheias.

Também não deixo prato sobre a mesa ou pia virar a noite com comida dentro. Pelo que me lembro, assim, de um jeito um tanto desbotado, se deixamos comida no prato durante a noite, um anjo vem e come tudo. E por mais que a ideia de um anjo seja sedutora – falo do fofo, asinhas branquinhas, bochechas rosadas – prefiro não correr o risco de levar susto ao perceber que tem gente em casa, além de mim.

Não leio livro de terror à noite. Apesar de gostar muito de Stephen King, só leio os livros dele enquanto é dia. Saco de Ossos me fez acordar durante um bom tempo às seis da manhã, só para ter uma horinha de leitura, antes de me preparar para o trabalho. Até me esforcei para lê-lo à noite, mas não funcionou muito bem. Era folhear o livro e ter uma péssima noite de sono.

Procuro não assistir a filmes de terror à noite. E se o faço, deixo as luzes da casa acesa... De toda a casa, exceto do cômodo onde está a tevê ou o computador. E dependendo do enredo, acabo dormindo com a luz do quarto acesa, durante a noite em questão, e com a cabeça coberta.

Quando era pequena, achava que o saci morava no meu quintal. Havia dias em que não saía de casa, porque tinha certeza de que ele me encurralaria com seu sorriso matreiro. Meu medo era gostar da ideia de fazer travessuras na companhia dele, e de assim, ter de me mudar para a mata. E eu gostava da minha casa, da minha cama, da minha família. Então, em dias que o sentia por perto, escondia-me dele. Era assim que acabava debaixo da mesa da cozinha ou num canto do quarto, dentro de uma tenda feita com lençol.

Princesas nunca me convenceram, e não me lembro de ter desejado me tornar uma. Talvez porque as roupas delas não se agradassem do meu corpo, ou a ideia de depender totalmente de outra pessoa para ser salva não agradasse a minha cabeça. Sobre finais felizes, meu espírito era nada esportivo – e assim segue... -, porque quem realmente deseja ficar feliz só no final da história?

Durantes em interessam.

Não dormia com os pés pra fora do cobertor, porque tinha medo que algum espírito que não tivesse o que fazer passasse pelo meu quarto e os puxasse. Obviamente, tive de me esforçar para fazer concessões, porque o aquecimento global às vezes pede um pé pra fora do cobertor, do lençol, da cama...

O mar me mete medo que só vendo. E vendo, observando o mar eu o admiro como quem é das águas. Como quem teme, mas mergulha. Só que não literalmente, que não sei nadar. Neste caso, a minha alma mergulha sozinha.

Mergulhos também me interessam.

Imagem: sxc.hu


Comentários

Andressa Gomes disse…
Gosto muito dos seus textos Carla Dias.
O mar também me mete medo, desde bem pequena. Me lembro de um momento, quando eu tinha uns 8 anos, e meu pai foi me levar pra conhecer o porto de Recife. E me disse pra manter distância da beirada. E como toda criança arteira desafiei aquela imposição. E quando cheguei perto, longe dos olhos dele, e perto daquele abismo espelhado em águas, pude entender o motivo do alerta. Fiquei tonta, e parecia um íma me puxando.
Logo me afastei de medo. O engraçado, é que agente cresce, mas não aprende a lição, não é mesmo? Rsrs

Abraço de sua leitora!

A. K.
Carla Dias disse…
Andressa... É exatamente isso :)

Não sei nadar. Minha vontade de aprender foi aniquilada logo cedo, quando tentaram me ensinar me afundando em uma represa e me segurando lá embaixo. Ainda assim, não consigo me desapaixonar da água, sabe? Do mar, dos lagos e represas, da chuva.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …