Pular para o conteúdo principal

ACABA, INVERNO, ACABA! >> Mariana Scherma

Se eu fosse o Super-Homem, meu inimigo mortal seria o frio. Se alguém estivesse precisando da minha ajuda, sei lá, na Antártida, estaria bem ferrado porque só de pensar no lugar, meus superpoderes congelariam. Eu não gosto de odiar qualquer coisa porque odiar é muito negativo, mas o frio, ah, o frio eu odeio, sim. Sou nascida no interior de São Paulo e tenho pais que amavam mais que tudo viajar pra lugares frios. Quando pequena, eu os acompanhava (quem disse que criança tem livre-arbítrio?) e me lembro de uma vez que eles me acordaram às cinco da manhã pra caminhar e sentir o friozinho do inverno da Serra Gaúcha. Acho que foi nesse passeio que virei arqui-inimiga do inverno (mas segui amando meus pais, só pra deixar claro).

Os apaixonados pelo inverno dizem que a estação deixa as pessoas mais elegantes e cheirosas. Pra mim isso é o maior blábláblá. Acho que elegância independe de casaco, dá pra ser bem elegante de saia e regata. E sobre ser mais cheirosa no inverno? Contesto também! O verão empurra a gente pro chuveiro, duas, três vezes até. Agora, o inverno, especialmente nos dias de massa de ar polar... Um minuto de silêncio em agradecimento ao banheiro sempre quentinho da academia. Ok, voltei. Hoje mesmo, eu me olhei no espelho e chorei de rir com essa coisa da elegância do frio. Pantufas de sapo, calça de moletom cinza, blusa de moletom azul-turquesa e luvas azuis não compõem um visual fino, né?

Eu sou dessas que já sofre quando a previsão diz que uma frente fria está pra chegar. Ela pode ainda estar lá na Argentina, congelando os hermanos, e eu já tirei um edredom extra do guarda-roupa pra esperá-la... Fora isso, adoro ignorar o frio, dentro do possível, é claro.  Nessa época, todo mundo se rende às comidas gordas da estação. Eu faço questão de continuar com minhas porções de saladas e frutas. O capuccino transbordando de chantilly vira a bebida oficial, menos minha: que sigo tomando água (e uma dose a mais de café porque não sou de ferro). Minha vitória mais unânime no inverno é a ida à academia religiosamente no mesmo horário. Poderia ir mais tarde ou faltar, mas não me rendo à preguiça. Vou às sete da matina e volta cantando we are the champions, my friend. A friaca não me vence. Dá um orgulho danado, que eu e mais uns cinco alunos que resistem à estação compartilhamos no olhar entre um respiro mais profundo e outro da aula de RPM.

Enquanto, todo mundo sonha em ver neve ou viaja para o Sul pra vê-la, eu sonho em poder migrar de região e passar esses dias trabalhando em alguma praia do Ceará, de chinelo Havaianas, short e a parte de cima do biquíni, na elegância gostosa que o solzão nos dá. A vida é muito curta pra ficar perdendo tempo em colocar casaco em cima de casaco e, ao chegar em casa, trocá-los por blusa de pijama em cima de blusa do pijama. Por essas e outras, que o calor esteja de novo com a gente bem logo. A sorte é que, quando o inverno começa, já começa também a acabar. Que bom!

P.S.: meus pais hoje em dia também detestam o frio e jamais viajariam pro Sul outra vez nessa época. Aquela caminhada na Serra Gaúcha deve ter sido terrível pra eles também...

Comentários

Jamerson disse…
adorei esse texto, assim como adorei o blog. parabéns.
Iolita disse…
Concordo em gênero, número e grau. Moro em Floripa quer maldade maior que ter 42 praias sem poder entrar nelas? Excelente e verdadeiro texto.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …