Pular para o conteúdo principal

A MELHOR SOGRA DO MUNDO >> Zoraya Cesar

Encontrar um homem bom é como encontrar agulha num palheiro, diz um ditado, e quando Dedinha encontrou Josualdo, honesto, carinhoso, trabalhador e, acima de tudo, casadoiro, as amigas correram a acender velas a Santo Antonio, também queriam um assim. 

Quando tiveram certeza de que se davam muito bem nos quesitos cama, mesa e banho, resolveram se casar. E, como quem casa quer casa (meu Deus, essa é mais antiga que máquina de escrever), alugaram um quarto e sala lá mesmo no subúrbio onde moravam.

Mas – e sempre tem um “mas” -, Josualdo era filho único de D. Sulamita,  Sulinha, que enviuvara quando o menino tinha sete anos e o criara sozinha, trabalhando numa padaria de madrugada e fazendo faxina durante o dia. Ele morria de amores por essa mãe extremada. Ela morria de orgulho desse filho, contador e funcionário público. E D. Sulinha, já velhinha, mirradinha, veio do far, far west, digo, no rancho fundo, bem pra lá do fim do mundo, para o casamento. E, como não tinha onde ficar, hospedou-se com o novo casal, assim como o cachorro que trouxera, mal cheiroso, babento e remelento que fungava e rosnava cada vez que via Dedinha.

Ohhhh, dirão vocês, que loucura, morar com a sogra! Pois se tem gente que mata ou morre para não passar por isso... seria apenas por alguns dias, Dedinha não se importou. Até porque Josualdo estava feliz e a sogrinha fazia de tudo para agradá-la, até nos desacordos do casal D. Sulinha apoiava a nora querida, moça boa. Sogra melhor, impossível.

D. Sulinha era um doce, realmente, mas os dias e semanas estavam passando e ela foi se acomodando. Passou a gerir a casa do jeito que lhe aprazia, que não era do jeito que Dedinha gostaria: a geladeira estava sempre entulhada de restos de comida (“estragar é pecado”); as coisas mudavam constantemente de lugar, Dedinha não conseguia encontrar coisa alguma; o cheiro de pinho sol foi substituído pelo de creolina (“realmente mata os germes”); Dedinha arrumava os travesseiros sobre a colcha ao sair, mas, de noite, encontrava-os no armário (“para não pegarem poeira”). E tudo D. Sulinha fazia de um jeito tão gentil, que a nora se sentia uma crápula por se irritar. 

Mas não era só isso, oh, não! D. Sulinha grudava que nem visgo de jaca. Era Dedinha entrar no banheiro que a sogra batia à porta, perguntando se estava tudo bem. Às refeições, D. Sulinha enfiava o dedo nodoso no prato da nora, para ver se sua Dedinha querida não estava comendo comida fria. Era a nora sentar para estudar, que a sogra sentava bem em frente, não vou incomodar, vou ficar quietinha, quer um chazinho? Dedinha atrasava dez minutos para chegar, e D. Sulinha ligava 20 vezes para o celular. Um dia ela se revoltou e resolveu não atender, mas foi pior. A sogra pensou que ela tinha morrido e, ao chegar em casa, Dedinha encontrou a velha e as vizinhas aos prantos, segurando velas acesas e rezando para a sua alma  seguir em paz. 

Foi nessa noite que Dedinha começou a tomar calmantes. 

O que vocês acham? Dedinha era fresca ou D. Sulinha exagerava? Vou ajudá-los a decidir: 

A dentadura. A velha esquecia a coisa em todo lugar, menos no recipiente próprio para guardar algo tão íntimo. Dedinha já encontrara a dentadura na sua cama, dentro da saboneteira (com o sabonete), no sofá e até na geladeira. Mas a gota d’água foi encontrar a coisa dentro da sua bolsa, ainda meio úmida, como se tivesse acabado de sair da boca da velha - que teve desplante de agradecer melosamente por ela ter encontrado seus dentinhos. 

Nesse dia Dedinha começou a sentir um ódio verruguento e rançoso pela sogra. 

Que, aliás, vivia perguntando quando viriam os netinhos. Que netos, sua desgraçada louca, desesperava-se Dedinha, se mal posso ficar a sós com meu marido? 

(Dedinha, claro, não reclamava com Josualdo, que ela não era besta de perder marido tão amoroso, cuidadoso e, nas poucas vezes que experimentou, gostoso). 

Outro detalhe que enlouquecia Dedinha lentamente era o maldito hábito da velha ficar olhando enquanto eles dormiam. A cama do casal era um estrado no chão e de domingo a domingo Dedinha acordava e dava de cara com os cambitos descarnados e ossudos da sogra, que estava a fitá-los, esperando que acordassem para fazer o café.  Uma noite, Dedinha acordou às quatro da manhã, só para não encontrar a velha a fitá-la. Na noite seguinte, ao fazer a mesma coisa, deu de cara com a sogra, que perguntou, pressurosa e baixinho, quer café, minha filha?

Nessa hora, nesse exato momento, Dedinha começou a rezar pela morte da velha. 

Não sei se a reza foi forte ou se foi o destino, mas o fato é que alguns dias depois D. Sulinha morreu de uma hora para outra. Dedinha teve um ataque histérico durante o enterro e todos ficaram muito comovidos, nunca viram uma nora tão compungida com a morte da sogra. 

Naquela noite Dedinha demorou a dormir, em êxtase, finalmente ia ter paz. Acordou feliz, e, realmente, não deu de cara com os cambitos da finada, mas com os olhos acusadores e remelentos do cachorro, que pareciam dizer: eu sei o que você fez com ela, mas eu ainda estou aqui. Dedinha começou a gritar. 

Comentários

Mauro disse…
Ótima!!! kkkkkkkkkkkkkk O cachorro me lembra o conto do Gato Preto de Poe! E apesar de vc ter dito q não era assombrada eu bem que achei q ela ia acordar e dar de cara com a véia! kkkkkkkkkkkkkk MTO BOA!
Cristiane disse…
Adorei o texto,cheguei ao fim sem nem perceber!
Realmente, depois de um tempo, pessoas muito prestativas acabam sendo piores que as imprestáveis... pois é difícil se livrar delas sem culpa... o melhor remédio é a distância! Acredito que o maior desafio atual é conseguir conviver com os outros, por melhores que sejam! rsrsrs.
aretuza disse…
a culpa toda é do lesma do Josualdo!!!!
Anônimo disse…
Agora só falta a sogra voltar do além!
Erica disse…
Você disse que não era assombrada! Mas é uma verdadeira história de terror!!!! Cruz Credo! rs
André disse…
Muito boa, Zozô! E ainda por cima vc mentiu dizendo que não era assombrada, ficou melhor ainda. Cômica na medida também.
Anônimo disse…
Arê tá certa! Josualdo bundão! hahaha
Anônimo disse…
A velha incorporou no cachorro, que dureza! Agora vai dar umas mordidas também, hahaha Jorge
Fabio de Souza disse…
kkkkkkkkkkkkkkkkk'
Que estória ótima!! Muito massa.
haha, parabéns!! :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …