Pular para o conteúdo principal

OUTROS SONS! >> Carla Dias >>

Há muito tempo não me sentia assim, com esse desejo pungente de ver um show, chegando mesmo a contrariar algo que decidi há alguns anos: não assistir shows em estádios, estacionamentos, ou em qualquer lugar onde o público seja de milhares e milhares de pessoas. De onde a gente sai com a sensação de que melhor era ter ouvido o CD em casa ou assistido o DVD com mais conforto, lá na sala de estar, do que encarando telões. Se você não pode bancar o melhor lugar, prepare-se para lonjuras e o som chegando a você com um atrasinho incômodo.

Freqüentei algumas edições do festival Hollywood Rock. Em 1995, fui de arquibancada e até que num lugar bacana. Foi quando assisti um dos melhores shows de rock’n roll da minha vida: Rolling Stones.



Rolling Stones Live - Miss You

Na edição do ano seguinte do mesmo festival, fui de gramado, e realizei um desejo e tanto: ver Robert Plant e Jimmy Page ao vivo. Durante os shows que antecederam essa apresentação, coloquei em prática minha vontade de ficar grudada na grade, bem de cara com o palco, e assisti de pertinho o show de uma banda que me conquistou e sobre a qual eu nada sabia: The Black Crowes.


The Black Crowes - By Your Side

O problema foi que uma amiga que estava com a turma passou mal, foi retirada por seguranças e levada à enfermaria, e eu tive de abandonar o posto para procurá-la. Quando cheguei à enfermaria, minha amiga já havia sido dispensada. Assisti ao show de parte do Led Zeppelin bem de longe, encarando telões, e só encontrei minha amiga no final do show, já próximo ao nosso carro, fora do Pacaembu.

Apesar disso, há um momento que ficou gravado na minha memória: eu e meus amigos na fila de entrada. No estádio, Robert Plant e Jimmy Page passando o som. Lá de fora, escutávamos aquela canção do Led Zeppelin que adoro: Going to California. Parte dos amigos que estavam comigo, também foram meus companheiros de banda. Houve, naquele momento, entre nós, uma comoção verdadeira, proveniente da parceria e da amizade. Sentimo-nos gratos por dividirmos esse episódio.


Led Zeppelin Live at Earl's Court - Going To California

No próximo domingo, voltarei aos shows com milhares e milhares de pessoas. Tive de revogar a promessa, e confesso que o fiz com um estabanado gosto por retomar o feito, já há bons pares de anos espero pela oportunidade de ver essa banda no palco. Ainda não sei se os verei como pontos distantes, se haverá meio-termo (pontos menos distantes... mas distantes), ou se conseguirei, se me esticar bem, vê-los quase nitidamente. Nem sei se me restará apenas contentar com os telões, sabe?

Só sei que assistirei ao show da Dave Matthews Band, no About Us, que também me ganhou pela proposta, já que se apresenta como o festival da sustentabilidade. Vamos ver como será na prática! Outros artistas participarão do festival, como Seu Jorge, Vanessa da Mata e Ben Harper. A Dave Matthews Band fechará o evento.

Gosto muito das letras das músicas da Dave Matthews Band, assim como a considero uma das mais bacanas no que se refere à parte instrumental. São ótimos músicos, e o Dave Matthews é um letrista de primeira. Enfim, que venham os milhares de pessoas!


Dave Matthews Band Live at Folsom Field - Everyday

Ah, meus caros... Fazer o quê? A música me surpreende cada vez que lança sua magicazinha nos meus ouvidos. Quando acho que sosseguei, ela me cutuca e para cá eu venho: deslumbrada com ela, dividindo apreços.

Imagem: Drika Bourquim >> www.flickr.com/drikabourquim

www.carladias.com

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Carla, sou apaixonada por música. Infelizmente não tenho o seu desprendimento. Ainda preciso de uma confortável poltrona para assistir a um show. Aproveite cada minuto seu espetáculo!!
Anônimo disse…
Adoro Dave Mattheus Band também. A morte do saxofonista e fundador da banda LeeRoy Moore, último agosto, deixou um gosto amargo no meu coração. LeeRoy, era um fantástico ser humano, super calado, mais igualmente, super talentoso.
Onde quer que ele esteja, os anjos devem estar se deliciando com a sua maravilhosa música.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …